Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Danos ambientais

Empresário garante que condomínio de luxo está regular

Redação Bonde
13 out 2009 às 15:25
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O empresário Marcos Holzmann, dono da Teixeira Holzmann, que constrói o Euro Royal na Gleba Palhano, zona sul de Londrina, disse em entrevista ao Bonde que o condomínio segue rigorosamente a legislação e as licenças ambientais, apesar da autuação da Secretaria do Ambiente (Sema).

A empresa apresentou defesa à Sema na sexta-feira da semana passada (9), que embargou parte da obra e aplicou multa de R$ 50 mil por danos ambientais causados por corte irregular de árvores em 400 metros quadrados, aterro de aterro de área de preservação permanente e existência de nascente.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Segundo Holzmann, em relação à notificação envolvendo as minas nada há de irregular. Ele disse que as obras exigiram escavações, que foram de aproximadamente nove metros de profundidade, e em alguns pontos chegou-se ao lençol freático. "Mas isto é absolutamente normal e previsível; não há garantia de que não haverá água no subterrâneo", disse. "Mas, em momento algum houve escavação ou aterramento de minas; as minas são visíveis, uma água que brota e, no caso, escavamos terra seca".

Leia mais:

Imagem de destaque
Quarta-feira

Julgamento em Londrina que pode cassar Mara Boca Aberta será dia 29

Imagem de destaque
Zona Sul

Homem morre e outros três ficam feridos em queda de estrutura de barracão em Londrina

Imagem de destaque
Duas vagas

UEL abre nesta sexta inscrições para concurso público de agente universitário

Imagem de destaque
Zona norte

Obra na rua Tanganica, em Londrina, interfere no trânsito e na rotina de moradores


Sobre o desmatamento nas encostas do terreno, onde será feita uma galeria de água da chuva, Holzmann disse que tinha autorização do IAP e da Sema. "Dez ou doze árvores foram derrubadas por recomendação do IAP, já que eram espécies invasoras, e com autorização da SEMA. Não sei porque nos autuaram se tínhamos licença para isso".

Publicidade


E sobre o aterro da área de preservação, o empresário disse que o projeto previu recuperação de áreas degradadas por pastagens. "Nossa empresa ganhou dezenas de prêmios ambientais; doamos 10 alqueires para o Jardim Botânico, nos preocupamos com o meio ambiente e jamais faríamos obras para degradar o ambiente", afirmou Holzmann.


O secretário do Ambiente, Carlos Levy, disse que a defesa da empresa será analisada até o final desta semana. Ele voltou a afirmar que os problemas ambientais constatados na obra se deram em razão da declividade do terreno e explicou que é justamente por isso que leis federais (como o Código Florestal e a Lei de Loteamentos) não permitem o loteamento de áreas com declive acentuado.

No caso do Euro Royal, no entanto, Levy disse que a Câmara Municipal de Londrina aprovou lei específica prevendo o loteamento naquela área de acentuada declividade e estabeleceu algumas condicionantes.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade