Pesquisar

Canais

Serviços

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Em Londrina

Estelionatários dão 'golpe do protesto'

Redação - Folha de Londrina
04 jul 2003 às 20:23
Continua depois da publicidade

O tabelião do 1º Cartório de Protestos de Londrina, Marcos Albuquerque, lançou nesta sexta-feira um alerta sobre uma nova modalidade de golpe na praça. Segundo ele, estelionatários de São Paulo estariam se aproveitando de editais que circulam nos jornais e pela Internet e fazendo contato com as partes envolvidas cobrando custas processuais e outras taxas. Os supostos estelionatários já teriam feito uma vítima em Londrina. O golpe, garantiu o tabelião, já está sendo investigado em Curitiba e outras praças.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

Conforme Albuquerque, consultando os editais de protestos publicados em jornais de grandes cidades, os estelionatários conseguem obter todas as informações que precisam, tais como: cedente (quem tem o direito da cobrança do título), sacado (pessoa contra quem se emitiu o título), valor do título, data de vencimento, Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) e Cadastro de Pessoa Física (CPF). Uma pessoa, dizendo-se tabelião, liga para o sacado alegando que o título deve ser pago à ele e fornece um número de telefone público ou de um celular pré-pago e um endereço fictício.

Continua depois da publicidade


Quando o sacado afirma que o título em questão já foi pago, explicou Albuquerque, o falso tabelião argumenta que o documento foi emitido em duplicidade para mais de um cartório e que, neste caso, é necessário a pessoa fazer um depósito para pagamento das custas processuais. O falso tabelião aponta que o valor pago será reembolsado pelo banco portador do título, que teria cometido o erro.


Segundo Albuquerque, na semana passada, um cliente seu de Londrina recebeu uma ligação e acabou depositando a quantia de R$ 189,00 na conta de um falso tabelião, em São Paulo (SP). Ele era credor de um título e recebeu uma ligação no feriado do Padroeiro de Londrina, no dia 27 de junho, de um suposto tabelião que afirmou que o título havia sido emitido em duplicidade. O londrinense acabou fazendo o depósito no dia 1º de julho, ''para pagar os gastos com a devolução do processo''. A vítima ainda não registrou queixa na Polícia.


A reportagem telefonou para o número que o suposto tabelião forneceu e uma pessoa de nome Paulo, que declarou ser segurança, disse que a linha pertencia a um cartório mas não poderia informar mais nada. Os ruídos de fundo da ligação davam a entender que a pessoa falava de um telefone público.

Continua depois da publicidade

''Esses falsários se passam por tabeliães ou gente de banco e pode até oferecer vantagens para a vítima'', afirmou o tabelião. Albuquerque lembrou que a Lei Federal 9.492 define que o pagamento de um título só pode ser feito no tabelionato do município onde corre o protesto. E o depósito, completou, é feito numa conta do Poder Judiciário e nunca na conta bancária de terceiros.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade