Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Após pedido de desaforamento

Julgamento de réus do caso Eduarda Shigematsu tem nova data em Londrina

Jessica Sabbadini - Especial para a Folha de Londrina
24 nov 2023 às 16:41
- Reprodução
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O julgamento dos réus Eduardo Seidi e Terezinha de Jesus Guinaia, pai e avó paterna de Eduardo Shigematsu, foi marcado para o dia 7 de março de 2024, em Londrina, após pedido de desaforamento do caso. A menina de 11 anos foi encontrada enterrada no fundo do imóvel da família em abril de 2019 em Rolândia, quatro dias após ter sido vista pela última vez.


Seidi é acusado de homicídio qualificado, tendo como qualificadores a asfixia, o recurso que dificultou a defesa da vítima e por ter sido praticado contra uma mulher em razão da condição de mulher. Além disso, ele também foi indiciado por ocultação de cadáver e falsidade ideológica. Já Guinaia é acusada pelos crimes de ocultação de cadáver e falsidade ideológica. O julgamento já foi adiado pelo menos três vezes.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Tanto Seidi quanto Guinaia foram presos no dia 30 de abril de 2019. Enquanto Seidi permanece preso na PEL 1 (Penitenciária Estadual de Londrina), Guinaia foi solta cerca de dois meses depois do crime.

Leia mais:

Imagem de destaque
Faça sua inscrição gratuita!

Clube das Mães Unidas divulga a programação de cursos do mês de março

Imagem de destaque
Esporte tradicional

Primeira Copa Agroplay de futebol movimenta distritos de Londrina a partir de domingo

Imagem de destaque
Eventos gratuitos

Programação Especial Mulheres começa neste sábado no Sesc Cadeião Cultural

Imagem de destaque
Crianças de 10 e 11 anos

Dia D contra a dengue terá mutirão de vacina em shopping de Londrina


Na decisão assinada pelo juiz Paulo César Roldão, o julgamento está marcado para acontecer no dia 7 de março, às 9h, e vai ser transmitido pelo canal do Youtube do TJPR (Tribunal de Justiça do Paraná); já os jurados que vão compor a banca serão sorteados no dia 2 de fevereiro de 2024, às 15h.

Publicidade


Douglas Rocha, um dos advogados de Seidi, pontua que o pedido de desaforamento protocolado em junho pela defesa para que o julgamento não fosse realizado em Rolândia também vale para Londrina, já que as cidades são muito próximas, a cerca de 25 quilômetros de distância. A justificativa para o pedido se daria pelo fato de que o caso provocou grande comoção em toda a região e que a casa de Seidi foi invadida e depredada. Além disso, segundo ele, ameaças foram publicadas em redes sociais direcionadas aos réus e aos advogados, sendo que parte das ofensas teria sido feita por pessoas que estavam na lista de possíveis jurados do caso, o que poderia comprometer a imparcialidade do julgamento.


Por conta disso, o advogado de defesa disse que já fez um novo pedido ao TJPR para que uma nova comarca seja escolhida para sediar o julgamento, mas ainda aguarda o parecer favorável ou não. “Como o acusado permanece preso, tem a sua liberdade segregada, a gente espera que o julgamento seja realizado o mais rápido possível. A interposição de um novo recurso com certeza acarretaria em mais demora e mais prejuízo para o acusado”, explica. Rocha pontua que a comarca de Curitiba ou de cidades próximas da capital poderiam receber o julgamento.


Hugo Esteves, assistente de acusação que representa a mãe da vítima, Jéssica Pires de Souza, disse que recebeu com alívio a notícia de que, finalmente, o local e a data do júri foram definidos após diversas prorrogações por conta de recursos protocolados pela defesa. Ele disse que a comarca escolhida para o julgamento não faz diferença e o que a assistência de acusação quer é que o júri seja realizado o mais breve possível. Sobre a possibilidade de que a defesa interponha um novo recurso, Esteves disse entender como uma nota tentativa de protelar o julgamento “que já foi adiado tantas vezes”.


Imagem
Caso Eduarda Shigematsu: julgamento dos réus será em Londrina
O TJPR (Tribunal de Justiça do Paraná) determinou que o julgamento dos réus Ricardo Seidi e Terezinha de Jesus Guinaia, pai e avó paterna de Eduarda Shigematsu, seja realizado em Londrina.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade