Pesquisar

Canais

Serviços

- Vivian Honorato/Arquivo N.Com
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Saiba mais

Londrina estabelece protocolo para casos de pessoas em situação de acumulação de animais

Redação Bonde com N.Com
27 mai 2022 às 09:15
Continua depois da publicidade

Londrina elaborou um protocolo para o atendimento de pessoas em situação de acúmulo de animais ou objetos, por meio da Sema (secretaria Municipal do Ambiente) em parceria com outras secretarias e órgãos municipais. As normas são definidas pela portaria Conjunta no 01/2022, publicada na edição no 4.637 do Jornal Oficial do Município, em 18 de maio (clique aqui para acessar).

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


Entre as ações, a medida estabelece a Rede Municipal de Atendimento às Pessoas em Situação de Acumulação, composta pela Sema; CMTU (Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização); Compdec (Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil); e secretarias municipais de Saúde e do Idoso.

Continua depois da publicidade


Segundo a psicóloga da Sema, Renata Graner, esse protocolo foi implantado pela  necessidade de abordar as situações de acumulação de forma sistematizada e multiprofissional. “Esses casos são complexos e envolvem muitas secretarias e, por isso, antes da elaboração da portaria havia ocasiões em que tínhamos dificuldade para iniciar a abordagem. Para o desenvolvimento do novo protocolo, nos baseamos em estudos técnicos e científicos, conscientes de que as situações de acumulação requerem a atuação integrada de profissionais de diferentes áreas”, pontuou.


Graner frisou que o atendimento às situações de acumulação iniciam na secretaria de Saúde que, ao ser informada sobre esses casos, faz uma avaliação das circunstâncias e contata os demais órgãos integrantes da Rede de Atendimento para a tomada conjunta de providências. “Todos esses casos têm a atuação da Secretaria de Saúde, e a maior parte deles também envolve a Assistência Social, mas a composição das equipes varia conforme as características específicas da situação. A Sema, por exemplo, só atua quando há acumulação de animais, e não de objetos; já a CMTU realiza a limpeza dos domicílios onde há acúmulo de resíduos e a Defesa Civil age quando as pessoas estão vivendo em residências que apresentam riscos estruturais”, afirmou.


Ainda conforme a psicóloga, ao abordar os casos de acumulação de animais, a Sema adota a perspectiva da saúde única, que inclui a saúde humana, animal e do ambiente. “Avaliamos as condições dos animais e prestamos orientações à pessoa sobre como cuidar deles. Em geral, não há maus-tratos de animais nesses casos, mas a pessoa em situação de acumulação acaba sendo negligente, pois não consegue cuidar de todos os animais de forma adequada. Por isso, orientamos os tutores a castrar os seus animais e fornecemos informações sobre o Castra Móvel, que é uma iniciativa da Secretaria da Saúde”, disse.

Continua depois da publicidade


De acordo com o gerente de Vigilância Ambiental da Secretaria Municipal de Saúde, Lyon Martinez, a gerência é responsável por diferentes tarefas incluindo a identificação de zoonoses, focos de dengue e animais peçonhentos nas residências de pessoas em situação de acumulação. “Prestamos orientações a esses cidadãos e realizamos visitas e monitoramento periódico, para verificar se eles estão avançando em direção à resolução da situação. O novo protocolo implementado pela Portaria Conjunta no 01/2022 é um avanço importante, pois criou um senso de unidade entre os diferentes órgãos que atuam nessa área, evitando divergências e possibilitando uma abordagem mais assertiva”, apontou.

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade