Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Tinha comorbidades

Londrina já tem duas mortes por dengue em 2024

Pedro Marconi - Grupo Folha
09 fev 2024 às 13:15
- Divulgação/AEN
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Uma homem de 53 anos com comorbidade e uma mulher de 64 anos que também tinha doença pré-existente são os primeiros moradores da cidade a perderem a vida em decorrência da dengue neste ano em Londrina. Os óbitos foram registrados nos dias 23 e 31 de janeiro, respectivamente, e após análise das circunstâncias dos falecimentos a confirmação da causa foi feita nesta sexta-feira (9) pela secretaria municipal de Saúde. Desde o início de 2024 já são 5.412 casos notificados da doença, com 1.106 confirmações, 1.168 descartados e 3.138 aguardando o resultado.


Diferentemente dos anos anteriores, o município deverá ter uma epidemia concentrada na região sul, hoje localidade que mais preocupa. “O momento epidemiológico é preocupante. Em que se pese não estarmos num momento de epidemia de dengue, os dados mostram a necessidade de intensificar as ações, principalmente na zona sul da cidade, para que consigamos ‘frear’ os números nas próximas semanas”, afirmou o secretário municipal de Saúde, Felippe Machado.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Entre as ações que serão colocadas em prática estão a realização de mutirões de limpeza no conjunto União da Vitória e aplicação de inseticida residual nas UBS (Unidades Básicas de Saúde) e escolas municipais da zona sul, por meio de bomba costal. 

Leia mais:

Imagem de destaque
PRAZO DE 10 MESES

Obras de construção da UPA zona sul começaram; previsão de entrega é novembro

Imagem de destaque
CONJUNTO CAFEZAL

Trecho com erosão na Estrada da Pedreira é interditado pela Prefeitura de Londrina

Imagem de destaque
JOVEM TINHA 14 ANOS

Morte de adolescente por suspeita de dengue é investigada em Londrina

Imagem de destaque
0,03% não têm água

Censo 2022: 7,44% dos domicílios de Londrina ainda usam buraco ou fossa como esgotamento


“Esse veneno fica impregnado na localidade onde é dispersado. Quando o mosquito pousar, vai se contaminar e consequentemente morrer”, explicou. “A aplicação tem o objetivo de proteger a localidade com grande circulação de pessoas”, completou.

Publicidade


O fumacê, que iniciou no dia 19 de janeiro em diversos bairros, já teve os cinco ciclos encerrados. De acordo com Machado, houve diminuição nos casos notificados nestes lugares. 


A partir deste sábado (10) o inseticida voltará a ser utilizado, desta vez em outras localidades das regiões sul e oeste, como Franciscato, Piza, jardim Igapó, Columbia, Olímpico e Parque Universidade. No total, as caminhonetes vão percorrer cerca de 900 quarteirões.

Publicidade


“É muito importante que concomitante com o fumacê também consigamos avançar na remoção dos criadouros, porque não basta matar o mosquito na fase adulta, se não eliminar os criadouros. Nessa atividade toda a população tem a responsabilidade, com cada um fazendo a sua parte. O cenário mostra que quase 90% dos focos estão nos domicílios”, alertou. 


O sorotipo predominante na cidade é o um, o mesmo de 2023.


Atualizada às 17h11 para acrescentar uma morte em decorrência da doença.


Leia a reportagem completa na FOLHA DE LONDRINA:


Imagem
Londrina já registra duas mortes por dengue neste ano
Cidade tem mais de mil casos confirmados da doença em pouco mais de um mês; ações serão intensificadas na região sul
Imagem
Londrina: Soltura de mosquitos estéreis no Mister Thomas diminuiu larvas em 85%
Entre julho e dezembro do ano passado foram soltos cerca de oito milhões de mosquitos Aedes aegypti machos estéreis no Mister Thomas, na zona leste de Londrina.
Imagem
Saúde muda projeção e diz que país pode ter 4,2 milhões de casos de dengue em 2024
Saiba mais sobre a projeção de casos de dengue no Brasil e as medidas de prevenção adotadas pelo Ministério da Saúde. Fique por dentro das últimas notícias sobre a doença.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade