Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mandado de busca e apreensão

Londrina: lideranças sindicais teriam desviado R$ 3,6 milhões de funcionários da saúde

Pedro Marconi - Grupo Folha de Londrina
25 jun 2024 às 17:59
- Divulgação/Polícia Civil do Paraná
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O presidente do Sindiclínicas (Sindicato de Clínicas e Consultórios do Paraná) de Londrina e um sócio dele numa empresa privada foram presos nesta terça-feira (25) pela Decoor (Divisão Estadual de Combate à Corrupção) de forma temporária, ou seja, por cinco dias. O presidente do Sinsaúde (Sindicato Dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Londrina e Região) também foi alvo de mandado de detenção, porém, não foi encontrado. Ele estaria em viagem ao Nordeste do País.


As duas lideranças sindicais são apontadas pela Polícia Civil por supostamente comandar um esquema de superfaturamento de contrato e também benefício individual. De acordo com o delegado Thiago Vicentin, titular da delegacia especializada em Londrina, em 2016 foi firmado um contrato entre os sindicatos, via acordo coletivo, para o desconto de até 20% sobre o vale-refeição dos funcionários da saúde da cidade e da região, como enfermeiros, técnicos e fisioterapeutas, para subsidiar benefícios para a categoria, como plano funerário e assistencial.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


No entanto, a empresa contratada para ofertar os benefícios seria do presidente do Sindiclínicas. “O sindicato laboral (dos trabalhadores) disciplinou com empregadores que o valor seria encaminhado ao sindicato, como forma de oportunizar a manutenção de serviços assistenciais. Ocorre que detectamos que a empresa contratada pelo sindicato para oferta desses serviços é de propriedade de uma das partes da convenção”, frisou o delegado. “Além dessa parcialidade, no mínimo, ilícita no campo civil (em favor do presidente patronal), detectamos superfaturamento por parte da empresa”, apontou.

Leia mais:

Imagem de destaque
Prepare o bolso

Sanepar admite erro na medição e promete ajuste que deve deixar tarifa mais cara em Londrina

Imagem de destaque
Ingressos já estão à venda

Time londrinense de Futebol Americano faz sua primeira decisão inédita no Estádio do Café

Imagem de destaque
Apoio a pacientes com câncer

ONG Viver lança campanha McDia Feliz 2024 em comemoração aos 23 anos

Imagem de destaque
Sol volta a aparecer

Segunda-feira será de tempo estável em Londrina e nos Municípios da região


LAVAGEM DE DINHEIRO

Publicidade


A investigação indicou que o montante financeiro – este lícito - gasto com a seguradora era de aproximadamente R$ 300 mil. “Só que a empresa do presidente do sindicato patronal, junto com o terceiro preso, recebia o equivalente a 860% a mais em relação ao que deveria receber. O dinheiro era repassado do Sinsaúde para essa empresa e dessa empresa para a conta do presidente do sindicato patronal em quase a totalidade”, detalhou.


Entre os crimes que os investigados podem responder estão peculato e lavagem de dinheiro. “Temos três ou até mais pessoas associadas e há evidências veementes de lavagem de dinheiro, verificamos o fracionamento dos depósitos”, destacou. Além dos mandados de prisão e busca, a Polícia Civil conseguiu o bloqueio de valores nas contas dos investigados e, se necessário, o sequestro de veículos e imóveis.

Publicidade


SINDICATO NEGA IRREGULARIDADES


Por meio de nota, o Sinsaúde negou o cometimento de “qualquer irregularidade em relação aos valores pagos pelos trabalhadores para ter acesso à cesta de benefícios, que incluí seguro de vida e plano odontológico, previsto em convenção coletiva”. “O sindicato nunca impôs uma bandeira de seguradora para ter acesso aos serviços”, defendeu. A entidade ainda reiterou “que o dinheiro pago pelos trabalhadores não fica retido com a entidade e que é redirecionado diretamente para a conta da seguradora e documentado.”


A reportagem procurou, mas não conseguiu contato com representantes do Sindiclínicas para apresentarem a versão da instituição sobre as acusações da Polícia Civil.


Atualizada às 13h09


Imagem
Lideranças sindicais teriam desviado R$ 3,6 milhões de funcionários da saúde
Entre os investigados estão os presidentes de dois sindicatos da área da saúde, sendo um patronal e outro laboral
Imagem
Com Londrina liderando casos e mortes, Saúde confirma mais 13 óbitos no estado
A Regional de Saúde de Londrina segue liderando o número de casos e mortes pela dengue em todo o Paraná, com 64.208 diagnósticos confirmados e 86 mortes.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade