Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Veja os dados

Londrina vive ano mais seco de sua história, apresenta agrometeorologista

Isabella Alonso Panho* - estagiária
05 nov 2020 às 09:07
- Marcos Zanutto/Arquivo Folha
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Com os índices de chuva muito abaixo das médias históricas, Londrina vive o ano mais seco de todos. Segundo os registros do Iapar (Instituto Agronômico do Paraná), até o final do mês de outubro, havia chovido 750 mm na região. O recorde de ano mais seco foi registrado em 1984, quando até o final do 10º mês, o acumulado da cidade era de 884 mm.


Em outubro de 2020, as precipitações ficaram em 40% do esperado: foram 61 mm de chuva, quando a média registrada no instituto é de 152 mm.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Há uma tendência decrescente na quantidade de chuvas. Como se observa a partir do gráfico abaixo, confeccionado pela pesquisadora e agrometeorologista Heverly Morais, do Iapar, a partir de dados do Simepar (Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná) e do IDR/PR (Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná), em 2019 as chuvas já estavam aquém do esperado, tendência que apenas se agravou em 2020:

Leia mais:

Imagem de destaque
Diagnosticado com adrenoleucodistrofia

Morre menino alagoano com doença rara que passou por tratamento em Londrina

Imagem de destaque
Aberto ao público

Banda Terra Celta faz show em comemoração aos 34 anos da Rádio UEL

Imagem de destaque
152 mil turistas desde 2022

Rota das Lavandas completa dois anos e atrai visitantes a Londrina e outras cinco cidades do Paraná

Imagem de destaque
Cenário pré-eleição

Marcelo Cortez deixa presidência da CMTU e assume Secretaria de Planejamento em Londrina


Heverly Morais/Iapar
Heverly Morais/Iapar


Vale ressaltar que a estiagem não é uma exclusividade da região de Londrina. Como noticiado pelo Bonde, todo o Paraná está atravessando um período bastante seco, com escassez de chuvas.

Publicidade


Segundo a agrometeorologista, "é difícil ter apenas uma explicação, porque há uma conjunção de fatores acontecendo ao mesmo tempo". Todavia, nos últimos anos o Paraná tem sofrido a influência dos fenômenos El Niño e La Niña, alternados com períodos de neutralidade. Tais variações são responsáveis tanto por chuvas abaixo da média quanto por precipitações concentradas em um curto período de tempo - como aconteceu em agosto deste ano, que concentrou todas as chuvas do mês em seis dias seguidos.


A tendência é de que a seca continue até o término do La Niña, previsto para março de 2021, se estendendo durante todo o verão. Contudo, Heverly alerta que "os fatores climáticos se alteram a todo momento, porque a atmosfera é dinâmica". A previsão, assim, é sempre uma tendência que pode se alterar em virtude dos fatores climáticos, que estão em constante mudança.

*Sob supervisão de Fernanda Circhia.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade