Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
2.301 casos de feminicídio no Brasil

Políticos e sociedade civil cobram Delegacia da Mulher 24 horas em Londrina

Simoni Saris - Grupo Folha
15 fev 2024 às 11:00
- Roberto Custódio
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Entre janeiro e novembro do ano passado, pelo menos 2.301 mulheres foram vítimas de casos de feminicídio no Brasil. Desse total, 1.491 perderam a vida e 810 sobreviveram à violência. 


Os dados foram levantados pelo Lesfem (Laboratório de Estudos de Feminicídios) e fazem parte do boletim divulgado em dezembro. No Paraná, foram 159 casos e em Londrina, 11, segundo o mesmo levantamento.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


O Lesfem é um espaço de pesquisa interdisciplinar que reúne pesquisadores, profissionais e estudantes de três universidades públicas do país, uma delas a UEL (Universidade Estadual de Londrina), além do Coletivo Feminino Plural e Secretaria Municipal de Políticas para Mulheres de Londrina. 

Leia mais:

Imagem de destaque
Até esta sexta

Prefeitura promove atividade integrada para auxiliar pessoas em situação de rua em Londrina

Imagem de destaque
Pacientes de até 12 anos

Unimed Londrina inaugura nova unidade de atendimento pediátrico 24 horas

Imagem de destaque
Shows e comidas típicas

Festa rural no distrito de São Luiz em Londrina deve receber milhares de pessoas neste final de semana

Imagem de destaque
Antiga Casa da Mulher

Imóvel abandonado será transformado em creche na zona leste de Londrina


O objetivo é produzir e analisar dados sobre os crimes de feminicídio cometidos no país como forma de contribuir para o monitoramento e visibilização do fenômeno. A partir dos dados, a expectativa é reduzir os números estatísticos e obter uma resposta mais efetiva da sociedade e do Estado para o enfrentamento do problema. 

Publicidade


O número inexato de mulheres vítimas desse tipo de agressão reunido pelo Lesfem se justifica porque a base de dados é formada sobre notícias veiculadas na imprensa escrita nacional, o que aponta para uma subnotificação e o número real de mulheres vítimas desse tipo de violência provavelmente ultrapassaram os mais de 2,3 mil casos nos primeiros 11 meses de 2023. 


Folhear as páginas do boletim é constatar o alto nível de violência praticada contra a mulher no país. De janeiro a novembro do ano passado, a média diária de casos de feminicídio, tentados ou consumados, foi de 6,89, mas o último mês analisado requer especial atenção. Em novembro, a média ficou em 10,23. 

Publicidade


Um recorte feito pelos pesquisadores do Lesfem e que chama a atenção é que do total de agressões computadas no período a que se refere o mais recente boletim, é que o domingo é o dia da semana em que é registrado o maior número de ocorrências, com 438 casos entre janeiro e novembro, sendo 51 apenas neste último mês. 


Este último dado vai de encontro a uma antiga cobrança feita por lideranças políticas e representantes da sociedade civil organizada de Londrina e que diz respeito à extensão do horário de funcionamento da Delegacia da Mulher no município. Hoje, o órgão especializado no atendimento às mulheres vítimas de agressões, funciona apenas de segunda a sexta-feira, das 8h30 às 18h30.

Publicidade


Uma das lideranças que encabeçam a cobrança da melhoria na estrutura de atendimento à mulher é a vereadora Lenir de Assis (PT), que na semana passada voltou à presidência da Comissão de Direitos Humanos e Defesa da Cidadania do Legislativo Municipal. 


“Essa demanda é antiga (ampliação do horário de funcionamento da Delegacia da Mulher). A gente cobrava a instalação da Delegacia da Mulher, foi instalada faz uns dez anos e, desde então, a gente cobra a delegacia 24 horas”, disse a parlamentar.


Leia a reportagem completa na FOLHA DE LONDRINA:


Imagem
Lideranças políticas e sociedade civil cobram Delegacia da Mulher 24 horas
Saiba mais sobre a cobrança por uma Delegacia da Mulher 24 horas em Londrina e como isso pode contribuir para combater o feminicídio no Brasil. Conheça os dados e iniciativas do Lesfem e outras instituições no monitoramento do fenômeno.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade