Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Danos morais

Posto de combustíveis de Londrina vai indenizar funcionária com câncer despedida de forma discriminatória

Redação Bonde
17 jun 2024 às 13:45
- Marcelo Camargo/Agência Brasil
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A 1ª Turma de Desembargadores do TRT-PR (Tribunal Regional do Trabalho) manteve a responsabilização de um posto de gasolina de Londrina por demitir de forma discriminatória uma funcionária que tratava um câncer. A funcionária foi demitida sem justa causa após retornar do tratamento e ainda ficou sete dias trabalhando antes de ser despedida.


A 2ª Vara do Trabalho de Londrina considerou que a dispensa da funcionária foi discriminatória. A sentença condenou o posto a pagar uma multa por danos morais no valor de R$ 15 mil, além da indenização prevista na Lei 9.029/1995 e dos honorários advocatícios da funcionária.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Contratada em julho de 2019, a funcionária se afastou seis meses depois para se tratar de um linfoma de Hodgkin (tipo de tumor maligno que acomete os gânglios linfáticos). O tratamento durou dois anos e dois meses e durante o período a trabalhadora recebeu auxílio-saúde pelo INSS.

Leia mais:

Imagem de destaque
Em fase única

Inscrições para Vestibular 2025 da UEL abrem nesta quinta

Imagem de destaque
Começa nesta quarta

CineKombi leva cinema gratuito para as ruas de Londrina

Imagem de destaque
Operação policial

Bingo clandestino funcionava em galpão com placa de aluga-se no centro de Londrina

Imagem de destaque
Obra cara e atrasada

Após vários contratempos, novo Fórum Criminal de Londrina deve ser concluído em 2025


Em março de 2022 a funcionária foi liberada para trabalhar novamente pela equipe médica do Hospital do Câncer de Londrina. 

Publicidade


O posto de gasolina entrou com recurso contra a sentença de 1º grau. Em seus argumentos, o posto alegou que a demissão foi motivada pela perda de lucratividade por conta da pandemia de covid-19, e que outros funcionários foram demitidos no mesmo período.


Na análise do recurso, a 1ª Turma de Desembargadores manteve a decisão da 2ª Turma de Londrina, com o argumento de que o posto não provou que sua lucratividade foi comprometida por conta da pandemia de covid-19. 

Publicidade


“Os TRCTs revelam que apenas um trabalhador foi dispensado sem justa causa em período próximo à data de saída da reclamante, no mês de junho de 2022. Os outros dois empregados apontados pelo reclamado saíram da empresa por iniciativa própria”, aponta o acórdão da 1ª Turma.


Diante da falta de provas por parte do posto de combustíveis, perante a Justiça do Trabalho concluiu que a demissão da funcionária foi abusiva. "O ordenamento jurídico brasileiro reconhece o direito potestativo do empregador de rescindir o contrato de trabalho sem justificativa. Mas esse direito não é absoluto. Pode ser atenuado sempre que configurada a despedida abusiva”, consta na decisão.

Publicidade


Além da indenização por dano moral, a empresa deverá reparar a autora nos termos do art. 4º da Lei nº 9.029/1995, que assegura ao empregado, quando do rompimento da relação de trabalho por ato discriminatório, a reintegração ao emprego.


A magistrada destacou ainda que a atitude da empresa foi de desconsideração da condição humana da autora. “O fato de o tratamento médico da reclamante encontrar-se encerrado no momento da dispensa, por si só, não possibilita afastar a conclusão de que a demissão decorreu do estigma da doença. Saliente-se, ainda, que a dispensa ocorreu apenas 7 dias após o retorno da autora ao trabalho, o que reforça a ação de caráter excludente”.


Imagem
Abalo sísmico que atingiu Cambé tem magnitude 1,6 na Escala Richter
O abalo sísmico que atingiu o município de Cambé (Região Metropolitana de Londrina) neste domingo (16) registrou uma magnitude 1,6 na Escala Richter, que consiste em uma ferramenta da sismologia criada em 1935 por Charles Richter.
Imagem
PF apreende 243 quilos de pasta base de cocaína em Jaguapitã; piloto de helicóptero é preso pela quarta vez
Operação da Polícia Federal termina com apreensão de helicóptero usado no tráfico transnacional de drogas, 243,7kg de cocaína e prisão de um piloto nesta terça-feira (18).
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade