Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
No Centro

Prefeitura de Londrina pede que investidor preserve chaminé da década de 30

Jéssica Sabbadini - Especial para a Folha
27 fev 2024 às 10:00
- Roberto Custódio
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A Prefeitura de Londrina suspendeu por tempo indeterminado a demolição da chaminé da antiga Indústria Mortari, situada no centro de Londrina. O imóvel do final dos anos 1930, que tem mais de 4 mil m², vai abrigar uma farmácia e algumas lojas. 


Por ser privado e nunca ter sido tombado, a Secretaria de Cultura de Londrina afirma que a preservação dos traços históricos, como a chaminé e o portal, depende da sensibilidade do proprietário.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Com toda a estrutura já demolida, a única lembrança da serraria e cerâmica da Indústria Mortari que resta “em pé” é a chaminé, que teve parte do seu topo demolida durante a manhã desta segunda-feira (26). O trabalho foi interrompido pelo próprio prefeito Marcelo Belinati (PP), que esteve no local. 

Leia mais:

Imagem de destaque
Coleta seletiva

Ainda sem acordo, contrato entre a CMTU e sete cooperativas vence nesta quarta em Londrina

Imagem de destaque
Com 1,6 mil vagas no início

Multinacional indiana TCS anuncia expansão de centro de entregas em Londrina

Imagem de destaque
Arena estava lotada

Chuva não impediu Ana Castela de brilhar em show no último dia de ExpoLondrina

Imagem de destaque
Salários atrativos

Candidatos fazem prova de concurso público estadual em Londrina


Em post nas redes sociais ele escreveu que "ali está sendo construído um empreendimento comercial importante para o desenvolvimento da cidade. Mas nossa história precisa e deve ser preservada. A história e o futuro devem caminhar juntos, em harmonia”, pontuou.

Publicidade


No final do dia, a prefeitura emitiu nota explicando que "está solicitando ao investidor da área que preserve a chaminé que tem 90 anos e faz parte da história da cidade. Enquanto aguarda a decisão, a suspensão da demolição está mantida".


Diretora de Patrimônio Artístico e Histórico-Cultural da Secretaria de Cultura de Londrina, Solange Batigliana explica que a estrutura que fica entre a Rua Acre e a Avenida Jacob Bartolomeu Minatti, no centro da cidade, é remanescente de uma empresa fundada na década de 1930. No local, funcionava uma serraria e cerâmica pertencentes à família Mortari.

Publicidade


Em 2022, o proprietário atual fez um pedido de alvará de demolição para dar novo uso ao espaço. “Nós, da Secretaria [de Cultura], fizemos o contato no sentido de buscar a preservação tanto do portal quanto da chaminé”, explica. 


Já no final do ano passado, o grupo de investidores responsável pela nova obra no local, que será uma farmácia, retomou o contato para dar sequência ao pedido. 


“Eles falaram que não iria dar para fazer a preservação, mas que poderiam fazer no local um memorial”, aponta. Por ser uma propriedade privada, a responsabilidade pela preservação do imóvel é do proprietário. “Neste momento, o que a gente teria [que ter] é a sensibilidade de quem está adquirindo [o bem]”, explica.


Leia a reportagem completa na FOLHA DE LONDRINA:


Imagem
Prefeitura pede que investidor preserve chaminé da década de 30
Imóvel histórico onde funcionou uma serraria e cerâmica vai dar lugar a uma farmácia; preservação depende da sensibilidade do proprietário
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade