Pesquisar

Canais

Serviços

Freepik
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Proteção

Produção de máscaras PFF2 quase quadruplicou na pandemia

Redação Bonde com assessoria de imprensa
05 nov 2021 às 11:54
Continua depois da publicidade

O Brasil produz na atualidade cerca de 50 milhões de máscaras PFF2 mensalmente, segundo dados da Animaseg (Associação Nacional da Indústria de Material de Segurança e Proteção ao Trabalho). O número é quase quatro vezes maior que o produzido em março de 2020; na época, eram 14 milhões de máscaras mensais. 

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


A capacidade de produção elevada também se deve ao aumento na quantidade de empresas brasileiras certificadas para a fabricação desse tipo de máscara. No começo da pandemia eram 28; agora são 77.

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


Os impactos da pandemia na aquisição e logística de distribuição de EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) serão debatidos durante o Conest (Congresso Nacional de Engenharia e Segurança do Trabalho) 2021, evento que acontece de 24 a 26 de novembro, de forma híbrida, em Londrina, com sede na Villa Planalto, localizada na avenida Tiradentes, 6429, próximo ao Parque Ney Braga. A organização é da Anest (Associação Nacional de Engenharia de Segurança do Trabalho), da Asengest (Associação de Engenheiros de Segurança do Trabalho) e do Crea-PR (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná). 


Raul Casanova, engenheiro eletrônico e diretor-executivo da Animaseg, abordará o assunto em um painel expositivo. Ele conta que as regiões Norte e Nordeste do Brasil foram as mais afetadas com a falta de EPIs logo nos primeiros meses de pandemia. “Houve um problema logístico muito grande. Outro problema que enfrentamos foi o abuso de preços diante da situação alarmante. Máscaras que custavam R$4 passaram a ser vendidas por R$ 60, no varejo. O ponto positivo de toda essa situação de crise foi a reação dos empresários, que investiram na ampliação da linha de produção e buscaram autorização junto aos órgãos regulamentadores”, argumenta. 


Os EPIs também passaram a ser reconhecidos como equipamentos essenciais. “O brasileiro tinha uma visão supérflua dos equipamentos de proteção. Isso mudou. Também tivemos uma série de medidas tomadas pelas autoridades. O Congresso Nacional proibiu a exportação de EPIs e o Governo Federal zerou o imposto de importação. A Anvisa fez a sua parte autorizando a fabricação das máscaras PFF2 para empresas com agilidade”, acrescenta. 

Continua depois da publicidade


O painel de Casanova será no dia 25 de novembro, das 8h às 10h15. No mesmo horário também estarão o engenheiro de segurança do trabalho, professor e escritor Pedro Rosas, falando sobre “Como superar os desafios as NR-18” e o engenheiro civil e mestre em trabalho, saúde e ambiente, Rubens Patruni, em “As principais mudanças da NR-18”. 


Inscrições


O 23º Congresso Nacional de Engenharia de Segurança Pública continua com inscrições abertas. Os interessados podem optar por quatro modalidades: presencial (palestra magna, painéis e minicursos); virtual opção 1: (palestra magna e painéis); virtual opção 2: (minicursos) e virtual opção 3: (palestra magna, painéis e minicursos). As inscrições com valores promocionais podem ser feitas pelo link https://www.conest2021.com.br/inscricoes/


Ao todo, serão dez painéis, seis minicursos, uma conferência magna e um espaço amplo para exposição de trabalhos científicos e empresas parceiras. 


Serviço:

O quê: 23º Congresso Nacional de Engenharia de Segurança do Trabalho

Onde: Villa Planalto, Avenida Tiradentes, 6429, Londrina

Quando: De 24 a 26 de novembro de 2021 

Mais informações: https://www.conest2021.com.br/

Continue lendo