Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Inovação Científica

UEL desenvolve cosmético para pele que combate bactérias multirresistentes

Redação Bonde com AEN
19 jun 2024 às 13:10
- UEL
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Um grupo de professores da UEL (Universidade Estadual de Londrina) desenvolveu um gel-creme para a pele humana que auxilia no combate a fungos, vírus e bactérias multirresistentes. O produto contém nanopartículas de prata biogênicas e um composto químico com propriedade antimicrobiana e antifungicida chamado violaceína.


Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade

O gel é resultado de uma pesquisa científica desenvolvida no Departamento de Microbiologia do Centro de Ciências Biológicas da UEL, o dermocosmético foi patenteado e, atualmente, está em fase de prospecção de parcerias para ser disponibilizado no mercado.

Leia mais:

Imagem de destaque
Fase de teste

Radares são instalados para teste na trincheira da avenida Leste-Oeste

Imagem de destaque
Tráfico de entorpecentes

Integrantes de organização criminosa de Londrina são condenados à prisão pela Justiça

Imagem de destaque
Feira Gastronômica

Alisson Lima é atração desta terça-feira na Concha Acústica em Londrina

Imagem de destaque
Prepare o bolso

Substituição de cerca de 2.200 hidrômetros por mês em Londrina, Cambé e Tamarana pode deixar conta de água mais cara


Publicidade

O produto dermatológico resulta da combinação de dois ativos, as nanopartículas de prata, derivadas do sal de prata, e a violaceína, um pigmento bacteriano roxo, geralmente encontrado no Rio Negro, que nasce na Colômbia e percorre, principalmente, a região Norte do Brasil. A união dos dois componentes acontece pela abordagem de síntese verde, uma metodologia que busca desenvolver processos e produtos químicos de maneira sustentável e que minimiza ou elimina os impactos ambientais ao longo do ciclo de vida do produto.


Uma das principais vantagens desse método é a capacidade de atuar na resistência de bactérias patogênicas para diferentes tratamentos dermatológicos, com aumento da eficácia e redução da dose necessária do produto para alcançar o efeito desejado. A síntese com substâncias biológicas, especificamente plantas, torna o processo proposto na pesquisa da UEL mais ecológico e sustentável, embora seja mais caro do que os métodos convencionais de reação química, que podem resultar em produtos tóxicos.

Publicidade


Segundo o coordenador do projeto, Gerson Nakazato, professor de Microbiologia da UEL, a eficácia do potencial antimicrobiano das nanopartículas de prata biogênicas e da violaceína aumenta de forma significativa ao atuarem de forma combinada. “Quando esses dois ativos biológicos funcionam de forma combinada é possível reduzir as doses e as quantidades de cada um para alcançar o efeito desejado”, afirma. “Outra vantagem é que para cada ativo antimicrobiano, o microrganismo pode se defender, responder e gerar resistência, porém ao usar os dois ativos ao mesmo tempo a chance de gerar resistência é menor”, explica.


INOVAÇÃO CIENTÍFICA

Publicidade


Esse projeto representa uma inovação científica com potencial para substituir conservantes como o Triclosan e o Parabeno, considerados nocivos, mas ainda presentes em cosméticos da indústria brasileira. Esses dois compostos foram proibidos em alguns países devido aos efeitos tóxicos, inclusive associados ao câncer. O Triclosan, por exemplo, é encontrado em uma variedade de produtos de consumo, como sabonetes, pastas de dentes, desodorantes, sabão para lavar roupas, antissépticos e perfumes. A busca por alternativas tem sido desafiadora devido aos custos envolvidos.


Atualmente, a equipe de pesquisadores está concentrada no desenvolvimento da formulação para iniciar os testes pré-clínicos, com o objetivo de aplicação em dermocosméticos, especificamente em um cosmético para o tratamento de acne, uma condição causada por bactérias na pele. As evidências científicas indicam que essa formulação em gel-creme pode proporcionar um desempenho superior nos diferentes produtos.

Publicidade


Essa abordagem proposta no estudo da UEL é considerada menos complexa em comparação a opções de medicamentos, uso em alimentos ou aplicação veterinária, embora essas possibilidades permaneçam como considerações futuras, devido ao potencial do ativo para combater todos os tipos de bactérias. A principal questão enfrentada é o custo elevado e a necessidade de adequação às normas estabelecidas pelos órgãos reguladores.


Imagem
Entenda o que acontece com o corpo em caso de reganho de peso pós-Ozempic
O efeito sanfona, comum aos processos de emagrecimento, pode acontecer também no caso da interrupção do uso de medicações sintéticas de hormônios como GLP-1 (base de Ozempic/Wegovy, Mounjaro e Saxenda/Victoza).


Além do professor Gerson Nakazato, a pesquisa envolve as professoras Renata Kobayashi, Sueli Ogatta e Audrey Lonni, da UEL; e o professor Nelson Durán, da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), em São Paulo. O estudo conta, ainda, com a participação das estudantes de doutorado da UEL, Débora Dahmerr e Laís Spoladori, e da doutora Marcelly Chue, egressa do Programa de Pós-Graduação em Microbiologia da UEL.

Publicidade


PARCERIA


A equipe de pesquisadores da UEL atuou nos estudos relacionados à nanopartícula de prata. Os trabalhos acadêmicos são realizados no Laboratório de Bacteriologia Básica e Aplicada e no Laboratório de Biologia Molecular de Microrganismos do CCB (Centro de Ciências Biológicas). 

Publicidade


A equipe sintetizou nanopartículas de prata utilizando substâncias biológicas (plantas) para desenvolver um agente capaz de combater bactérias, fungos e até mesmo vírus.

Já a Unicamp atuou na pesquisa com a violaceína. A bactéria responsável pela produção da violaceína está sendo reproduzida em laboratório, eliminando a necessidade de recorrer a amostras do Rio Negro. Os resultados da pesquisa apontam que a substância, conhecida anteriormente pelo uso em tinturas de tecido, é promissora como agente antibacteriano, antiviral e anticancerígeno.


O projeto de pesquisa da UEL foi financiado pelo Governo do Paraná, por meio da Fundação Araucária, principal instituição de fomento científico no Estado, ligada à Seti (Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superiori). A inciativa contou, ainda, com o apoio do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), órgão vinculado ao MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações).


A expectativa é que o novo produto dermatológico esteja em plena comercialização em até três anos. Para viabilizar a inserção dessa inovação no mercado, os pesquisadores estão em articulação com grandes empresas, como Natura, Aché e Ourofino (especializada em produtos veterinários), por meio da Rede Emerge, que reúne cientistas de diferentes áreas do conhecimento em projetos de inovação. A rede facilita a conexão dos pesquisadores com grandes indústrias e investidores com foco na transferência de conhecimento e tecnologia para o mercado.


PREMIAÇÃO


O projeto do gel-creme com atividade antimicrobiana ganhou o Prêmio Inventores 2023, dedicado ao reconhecimento de professores e estudantes que atuam com pesquisa científica e inventores de organizações envolvidas com propriedade intelectual e transferência de tecnologia. Promovida há 16 anos pela Unicamp, a premiação conta com as seguintes categorias: proteção à propriedade intelectual; transferência de tecnologia; tecnologia absorvida pelo mercado; spin-off acadêmica; e propriedade intelectual licenciada.


Imagem
Boletim confirma duas novas mortes por dengue em Londrina
O novo boletim semanal da dengue publicado nesta terça-feira (18), confirma dois novos óbitos em decorrência da doença em Londrina. Ainda segundo os dados da Sesa (Secretaria de Estado da Saúde), foram confirmados 25.028 novos casos e mais 46 mortes
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade