Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Sem greve

Garantido pagamento a empregados da Sanepar

Redação Bonde
27 out 2009 às 16:14
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O governador Roberto Requião assinou nesta terça-feira (27) ato que abre exceção em decreto possibilitando que a Sanepar pague, para os seus mais de 6 mil empregados, a participação nos resultados da empresa referentes a 2.008. A decisão foi anunciada na reunião da Escola de Governo pelo procurador-geral do Estado, Carlos Marés de Souza.

Marés reafirmou que a Sanepar irá fazer o pagamento do Programa de Participação nos Resultados (PPR) de 2008 aos trabalhadores. Para isso, a estatal prepara pedido de excepcionalidade a decreto do governador Roberto Requião que impede que empresas inadimplentes possam dividir lucros.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


"O governador vai autorizar a Sanepar a pagar o PPR a seus funcionários", garantiu. Uma "dívida atípica, gerada por um problema deixado pelo governo anterior", impedia o pagamento, explicou o procurador-geral. "Foi um ato gerado pela má gestão da empresa durante a segunda metade dos anos 1990, que feriu o interesse público e causou esse prejuízo aos servidores da Sanepar".

Leia mais:

Imagem de destaque
Placas 5 e 6 nesta terça

Vence nesta quarta a última parcela do IPVA 2024 para veículos com final de placa 7 e 8

Imagem de destaque
Tempo indeterminado

Greve na Renault do Paraná paralisa a produção de 7.200 carros

Imagem de destaque
Tratamento e recuperação

Animais feridos recuperados pela Itaipu serão devolvidos à natureza

Imagem de destaque
Oportunidade

Cambé abre inscrições para curso gratuito de boas práticas na manipulação de alimentos


A Sanepar deve R$ 744 milhões repassados à empresa pelo Estado. O dinheiro é fruto de empréstimos internacionais contraídos pelo Governo do Paraná. Para fazer frente ao aporte de recursos fruto dos empréstimos, a Sanepar fez uma oferta pública de ações chamada IPO, na sigla em inglês, na Bolsa de Nova York. Mas não houve interessados, e as ações não foram vendidas.

Como a lei veda empréstimos do Estado a empresas estatais, é necessário que o valor seja usado para aumentar o capital social da Sanepar. Porém, o consórcio Dominó, que reúne empresas donas de cerca de 40% das ações da empresa, impede na Justiça que a Sanepar convoque assembleia para autorizar o aumento de capital. Assim, o Estado é obrigado a pedir a devolução dos R$ 744 milhões.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade