Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Terceirização de escolas

Justiça determina suspensão da greve de professores, mas APP-Sindicato mantém posição

Douglas Kuspiosz e José Marcos Lopes - Grupo Folha
03 jun 2024 às 09:00
- Gabriela Rosa/AEN
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Mesmo com a decisão do TJ-PR (Tribunal de Justiça do Paraná) de suspender a greve dos professores marcada para começar nesta segunda-feira (3), a APP-Sindicato (Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná) mantém a paralisação


O primeiro ato será uma manifestação na Praça Santos Andrade, no centro de Curitiba, a partir das 8h desta segunda, que depois seguirá em passeata até o Centro Cívico. 

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Quem concedeu a liminar após pedido da Procuradoria do Estado do Paraná foi a desembargadora Dilmari Helena Kessler, que determinou a suspensão do início da greve “até que seja apresentado plano para manutenção dos serviços educacionais” pelo sindicato, sob pena de multa diária de R$ 10 mil caso haja descumprimento da decisão.

Leia mais:

Imagem de destaque
Obras de duplicação

Trecho da PR-445 será liberado entre Tamarana e Mauá da Serra nesta quarta

Imagem de destaque
Reconhecimento

Assaí e Curitiba estão no top 7 das comunidades mais inteligentes do mundo

Imagem de destaque
Depois de assar espetinhos

Homem é denunciado por causar incêndio após descartar cinzas em mata de Arapongas

Imagem de destaque
Procedimento Estético

Projeto de lei pretende obrigar supervisão médica para 'peeling de fenol' no Paraná


Em resposta à movimentação judicial, o sindicato divulgou um comunicado neste domingo (2) alegando que se trata de mais uma “prática antissindical do governo”, que não respondeu às tentativas de diálogo sobre o PL (Projeto de Lei) n° 345/2024. 

Publicidade


O projeto institui o programa Parceiro da Escola para terceirizar serviços em 200 colégios paranaenses e tramita na Alep (Assembleia Legislativa do Paraná). 


A presidente da APP-Sindicato, Walkíria Mazeto, afirmou em um vídeo divulgado nas redes sociais que a greve é legal e que foram cumpridos todos os ritos necessários.

Publicidade


"Nós temos compromisso com a educação pública. Buscamos, antes deste PL ir para a Alep, todas as possibilidades de negociação”, diz Mazeto. 


“Enviamos ofícios, marcamos reuniões, pedimos para sermos ouvidos, que, se havia problemas nas escolas, estávamos dispostos a contribuir para a melhoria da educação no Estado. Nada foi acolhido pelo governo e muito menos pela Seed. Nos foi negado o direito de debater esse PL.”


A presidente alega que o acesso ao PL só ocorreu quando a matéria chegou no Legislativo, e que, apesar das tentativas, não houve diálogo. “O governo atropelou todos os prazos, atropelou qualquer debate, está impondo a venda das nossas escolas”.


Leia a reportagem completa na FOLHA DE LONDRINA:


Imagem
Justiça determina suspensão, mas APP-Sindicato mantém greve de professores
Decisão do TJ-PR suspende greve de professores, mas APP-Sindicato mantém paralisação. Entenda os detalhes e as reações das partes envolvidas.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade