Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Em acidente

Motorista é condenado por queda de peça que matou mulher

Redação Bonde com TJ/PR
06 jun 2012 às 15:00
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Um homem que transportava, em sua caminhonete, uma máquina cuja barra de pulverização se desprendeu e atingiu uma mulher, causando a sua morte, foi condenado à pena de 2 anos de detenção pela prática do crime de homicídio culposo, previsto no art. 302, caput, do Código de Trânsito Brasileiro.

Essa decisão da 1.ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná reformou, por unanimidade de votos, a sentença do Juízo da Comarca de Barracão que absolveu o réu da imputação deduzida na denúncia.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Na apelação, o Ministério Público sustentou, em síntese, que a conduta do apelado foi culposa, pois, além de estar utilizando um veículo não apropriado para transportar aquele tipo de carga, esta não estava amarrada adequadamente.

Leia mais:

Imagem de destaque
Região

Motorista embriagado é preso após acidente com policial militar em Arapongas

Imagem de destaque
Turismo é destaque

Paraná tem 2º maior crescimento do País em 12 meses, aponta IBGE

Imagem de destaque
Por conta do mau tempo

Em Ibiporã, evento de astronomia que aconteceria neste sábado é adiado para agosto

Imagem de destaque
Mais de 33 mil novas

Mais de seis mil empresas foram abertas no Paraná sem necessidade de alvará só em 2024


O relator do recurso, juiz substituto em 2º grau Naor R. de Macedo Neto, consignou em seu voto: "Ao proferir a sentença, o Juízo a quo absolveu o acusado, por entender não haver violação do dever de cuidado por parte do apelante. Para tanto, motivou-se nas condições precárias da via".

Publicidade


"Todavia, como bem asseverou a Procuradoria, o apelante era motorista profissional, habilitado para transporte de cargas pesadas, proprietário de empresa que realiza transportes e que passa frequentemente por aquela estrada. Portanto, ainda que a via não estivesse em perfeitas condições e conhecendo a sua precariedade, deveria ter o apelado redobrado os cuidados para a amarração da carga e para o transporte."


"De acordo com a testemunha [...], a caminhonete entrou em uma parte mais baixa do asfalto, momento este que a barra caiu."


"Ora, sendo o apelante conhecedor da pista e trafegando, ao que tudo indica, em velocidade dentro do limite permitido, a barra de ferro não poderia simplesmente se desprender da caminhonete. Resta evidenciado que, no caso em tela, o pulverizador e a barra de metal não estavam devidamente acondicionadas na carroceria da caminhonete, caso contrário, não teria simplesmente se desprendido do veículo."

"Resta, então, configurada a violação do dever de cuidado objetivo do apelado, ao não acondicionar de forma adequada e segura a carga que transportava em sua caminhonete."


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade