Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Maus-tratos e violência sexual

Paraná registra 5.825 casos de violência contra crianças e adolescentes no 1° semestre de 2024

Jéssica Sabbadini - Especial para a Folha
10 jul 2024 às 09:30
- Renato Alves/Agência Brasília
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) completa 34 anos nesta semana. Publicado em 13 de julho de 1990, o estatuto é considerado um marco por definir direitos e ferramentas para garantir o acesso à saúde, educação, lazer e esporte a crianças e adolescentes de 0 a 18 anos. 


Pelo ECA, todos os entes - família, sociedade e poder público - têm papel fundamental na garantia da integridade, segurança e nos direitos dessa população.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Apesar disso, de acordo com dados da Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos, do Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania, o Paraná registrou 5.825 casos de violência contra crianças e adolescentes no primeiro semestre de 2024; no ano passado, foram 9.150. Em todo o território brasileiro, foram 228.519 casos ao longo do ano de 2023.

Leia mais:

Imagem de destaque
Número preocupante

Incêndios em vegetação registram aumento de 133% no Paraná

Imagem de destaque
Concessão de rodovias

Demora do Tribunal de Contas da União para analisar projetos atrasa concessão dos lotes 3 e 6

Imagem de destaque
Defesa do consumidor

Procon-PR fez, em média, 570 atendimentos por dia no primeiro semestre do ano

Imagem de destaque
Primeiro semestre

Nota Paraná devolveu R$ 160,7 milhões em créditos de ICMS em 2024


De acordo com o delegado-chefe do Nucria (Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes) de Curitiba, Rodrigo Rederde, os crimes mais recorrentes relacionados à essa população são os maus-tratos, lesão corporal, violência sexual e estupro de vulnerável, perseguição e importunação sexual. 

Publicidade


A grande maioria dos casos chega até o núcleo através de denúncias anônimas pelo telefone 181 ou através do B.O (Boletim de Ocorrência), tanto presencial quanto online, assim como encaminhadas por outros órgãos, como o Ministério Público.


Ele pontua que a maioria dos casos relacionados à violência sexual contra crianças e adolescentes acontece dentro da própria casa. 

Publicidade


“Via de regra, o suspeito aproveita que está sozinho com a vítima para cometer o abuso sexual ou o ato libidinoso diverso da conjunção carnal”, aponta. 


Esse crime, de acordo com o delegado, costuma ser silencioso pelo fato de a vítima ainda ser criança ou adolescente sendo que, em muitos casos, ela não consegue falar ou se expressar. “Até as mais velhas ficam com tanto medo que não conseguem nem reagir”, detalha.

Publicidade


O diálogo aberto e a relação de confiança entre pais e filhos, segundo Rederde, são fundamentais e precisam ser trabalhados, principalmente entre os adolescentes. 


Entre os pequenos, os pais precisam ficar atentos a alguns indicativos, como baixo rendimento escolar, atitudes sexualizadas ou a regressão a hábitos antigos. “São vários indicativos que podem ajudar num primeiro passo a investigação envolvendo esse tipo de crime”, explica.


Leia a reportagem completa na FOLHA DE LONDRINA:


Imagem
PR registrou 5.825 casos de violência contra crianças e adolescentes no 1° semestre
Abusos sexuais e maus-tratos estão entre os principais tipos de crimes contra essa população
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade