25/10/20
PUBLICIDADE
Norte e Noroeste

Ventos fortes provocam quedas de árvores no Paraná

SEDEST
SEDEST


Na quarta-feira (19), de acordo com o Simepar, as Regiões Noroeste e Norte do Estado registraram, respectivamente, ventos de aproximadamente 79 km/h e 75 km/h. O município de Cascavel, no Oeste do Estado, também foi atingido com ventos de 60 km/h. A frente fria está passando e não há indícios de ventos fortes nos próximos dias.


Os vendavais são provocados pelo deslocamento violento de uma massa de ar, fenômeno identificado no Paraná nesta semana com a aproximação de uma forte massa de ar frio que se deslocou pelo Sul do Brasil. "Os ventos fortes ocorrem quando temos a passagem de frentes frias, com contraste de temperatura, que formam um gradiente forte de pressão. Outra possibilidade é quando ocorrem tempestades”, explicou o meteorologista do Simepar, Paulo Barbieri.

Ainda de acordo com o Simepar, a previsão é de que os ventos não passem de 45 km/h nesta sexta-feira (21). As regiões Sudeste e Sudoeste do Estado serão as mais atingidas pela passagem da frente fria.

De acordo com o último boletim divulgado pela Defesa Civil Estadual, seis municípios tiveram registros de vendavais nesta quinta-feira (19): Bandeirantes, Barra do Jacaré, Bela Vista do Paraíso, Jacarezinho, Lobato, Santa Cruz de Monte Castelo. O município de Sertaneja registrou tornado.

RECOLHIMENTO DE ÁRVORES

O recolhimento e o corte de árvores nativas derrubadas pela tempestade, principalmente as ameaçadas de extinção, como Araucárias e Imbuias, devem ser autorizados pelos órgãos ambientais municipais e estadual.

Segundo José Volnei Bisognin, diretor de Licenciamento e Outorga do Instituto Água e Terra (IAT), em cidades como Curitiba, Guarapuava, Londrina, Maringá, Cascavel e Foz do Iguaçu é preciso comunicar às secretarias municipais de meio ambiente. Já nas cidades em que a prefeitura não emite essas autorizações para árvores nativas, é preciso entrar em contato com os escritórios regionais do IAT.

De acordo com ele, a população só pode fazer o corte da árvore que caiu com os ventos se ela estiver causando alguma interferência, mas ainda assim é necessário avisar os órgãos ambientais competentes.

"A população pode requerer o aproveitamento próprio do material caído em áreas particulares, inclusive das espécies ameaçadas de extinção, como pinheiros, por exemplo, a partir da plataforma SGA em até cinco árvores, ou pelo Sinaflor quando houver mais de cinco indivíduos de qualquer espécie nativa. As árvores caídas em áreas públicas, como ruas e praças, são de responsabilidade exclusiva dos órgãos municipais”, orienta o diretor.

Também é possível acionar a Defesa Civil do município e o Corpo de Bombeiros, caso a árvore esteja causando riscos. Veja a lista dos escritórios regionais do Instituto Água e Terra AQUI e também confira quais são as espécies nativas do Paraná AQUI.
AEN-PR
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Em Campo Mourão

Homem é flagrado com esmeraldas sem documentação na BR-369

24 OUT 2020 às 15h25
Operação da PF

Maringá: Suspeito de enviar molho de tomate em vez de mercadorias é detido

24 OUT 2020 às 15h13
Na madrugada

Adolescente de 15 anos é assassinado dentro de casa em Ibiporã

24 OUT 2020 às 11h17
Obituário

Falecimentos dos dias 23 e 24 de outubro de 2020 em Londrina e região

24 OUT 2020 às 10h11
Carteira de identidade

Polícia Civil lança ferramenta para pedido remoto da 2ª via do RG

23 OUT 2020 às 17h40
Eleições 2020

Associação de magistrados reage a críticas de Boca Aberta contra juiz eleitoral

23 OUT 2020 às 17h28
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados