Pesquisar

Canais

Serviços

Vitor Struck/Grupo Folha
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Tragédia em Londrina

Caso Coloniezi: marido de mulher morta em acidente presta depoimento à Polícia Civil

Vítor Struck - Grupo Folha
13 nov 2021 às 17:05
Continua depois da publicidade

A Polícia Civil de Londrina colheu, na manhã deste sábado (13), o depoimento do marido de Ana Cláudia Gil Mendes, vítima de um acidente de trânsito na esquina das ruas Quintino Bocaiúva e Belo Horizonte no dia 28 de setembro. 

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


Alex Santos de Oliveira conduzia a motocicleta atingida pelo veículo que avançou a preferencial, causando uma grave queda. 

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


Embora a Polícia Civil já tenha indiciado o condutor do veículo, João Rubens Rodrigues Coloniezi, por lesão corporal culposa e embriaguez ao volante, o Ministério Público do Paraná determinou que outras testemunhas fossem ouvidas e o viúvo da vítima ainda não havia se apresentado à Polícia. 


Conforme apurou a reportagem, outras testemunhas deverão ser chamadas para depor na semana que vem. 


Leia Mais: Dor e indignação: mulher atingida por agressor de cinegrafista é enterrada

Continua depois da publicidade


Oliveira chegou à Central de Flagrantes por volta das 10h e conversou com a polícia por cerca de 25 minutos. "Vim falar o que aconteceu. Melhor eu estaria se minha esposa estivesse ao meu lado, mas a gente tá tentando levar a vida. Graças a Deus está dando tudo certo e esperamos que esse caso possa ser concluído com que ele pague o que ele fez e não venha a fazer isso com mais ninguém", disse em relação ao jovem, que também agrediu o cinegrafista de uma equipe de reportagem que cobria o acidente, José Rodrigo Marques. 


Após ter tentado proteger o equipamento, o profissional de imprensa sofreu uma lesão no ombro, precisou passar por uma cirurgia e ainda está afastado do trabalho. 


Durante o depoimento, o viúvo de Ana Cláudia foi acompanhado pelo advogado Hélio Venâncio. Para ele, não há dúvidas de que o motorista assumiu os riscos de causar um acidente grave ao ter consumido bebidas alcoólicas. Embora tenha afirmado ao delegado de plantão ter bebido "seis horas antes do acidente", Coloniezi não realizou o teste do bafômetro. Ele ficou dois dias preso e saiu sem pagar fiança. 


CONTINUE LENDO: Advogado de ALex Santos de Oliveira acredita em denúncia por homicídio doloso ao fim do inquérito

Continue lendo