Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Combate

Coordenador do Gaeco diz ser preciso enfraquecer e tirar o dinheiro do crime organizado

Jéssica Sabbadini - Especial para o Grupo Folha
11 fev 2024 às 17:34
- Foto: FABIO ALCOVER
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Em um ciclo que não parece ter fim, onde entrar é mais fácil do que sair, as organizações criminosas são uma das impulsionadoras da violência crescente nos dias de hoje. Para o promotor Leonir Batisti, do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), o trabalho do crime organizado é pautado na obtenção de lucro, seja através de roubos e assaltos ou por meio do comércio de drogas e armas de fogo. Com uma atividade econômica, é necessário tratar a raiz do problema na busca por um fim da “guerra”.

Na última quarta-feira (7), o assunto das organizações criminosas ganhou destaque por conta de um confronto entre policiais e supostos criminosos, que terminou com seis pessoas mortas no Jardim Felicidade, zona norte de Londrina. De acordo com a denúncia recebida pela corporação, as pessoas envolvidas fariam parte de uma organização criminosa que estava, no momento, no chamado “tribunal do crime”.

Batisti pontua que a violência está crescendo à medida em que a sociedade fica mais enervada e rápida, em que é comum as pessoas brigarem por desavenças no trânsito ou nos locais de trabalho. Entretanto, para ele, o principal fenômeno impulsionador da violência é o crime organizado. “Existem pessoas que resolveram pautar a sua vida não buscando trabalho e não buscando viver licitamente. Eles querem viver de assaltos a carros fortes, de assaltos a caixas automáticos ou a casas de pessoas”, explica.

Imagem
Londrina registra aumento de 12,3% no número de homicídios em 2023
Londrina teve um aumento de 12,3% no número de homicídios dolosos (com intenção de matar) no ano passado em relação a 2022.


Outro fator que contribui para o cenário é o fato de que as figuras paternas e maternas, em muitos casos, não estão presentes na vida dos jovens, que acabam entrando na “vida do crime”. “Nós estamos diante desses problemas sociais que não são justificáveis ou aceitáveis, mas é a realidade crua na nossa cara”, afirma.

Leonir Batisti reforça que o tráfico, tanto de drogas quanto de armas, é um crime econômico, já que é um comércio em que as pessoas querem obter vantagem e lucro. “Então o fenômeno do crime organizado é isso. Eles começam a arregimentar pessoas, normalmente na prisão”, explica, complementando que cada pessoa dentro dessa organização passa a ter uma função definida.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Imagem
Mulher pede corrida por aplicativo e é estuprada pelo motorista em Londrina
Uma mulher foi vítima de estupro praticado por um motorista de aplicativo na madrugada deste sábado (10), em Londrina. Segundo informa&c


Já o chamado “tribunal do crime”, de acordo com o promotor, é o que avalia as condutas aceitáveis ou não dentro da organização, como no caso traições entre membros ou de desertores que vão para outras facções. Dessa forma, a polícia, por outro lado, tem acesso a determinadas informações que motivam as ações.

“Só pelo fato de pertencerem a essas facções, eles já estão em flagrante de crime, que é o de organização criminosa. Então a abordagem da polícia é nesse sentido, de tirar de circulação essas pessoas porque eles vão cometer outros crimes”, explica. “Eu chamo bastante atenção [para o fato de] que não é porque três faccionados estão reunidos que a polícia está legitimada a chegar lá e matar o pessoal, não tem isso. No entanto, a polícia tem o direito de abordar e, se houver uma reação a essa abordagem, ela vai se defender”, reforça.

Leia mais:

Imagem de destaque
PR-340

Homem é detido por embriaguez ao volante após se envolver em acidente em Jaguapitã

Imagem de destaque
Sem documentação de origem

Ônibus é apreendido com mercadorias contrabandeadas na região de Londrina

Imagem de destaque
R$ 90 Milhões em droga

Meia tonelada de cocaína é apreendida pela polícia na região de Maringá

Imagem de destaque
65 policiais envolvidos

Grupo ligado ao tráfico de drogas é alvo de operação em Maringá nesta sexta

Imagem
Após denúncia de "Tribunal do Crime", seis morrem em confronto com a PM em Londrina
Seis pessoas morreram após se envolverem em um confronto com a PM (Polícia Militar) na tarde de quarta-feira (7) em Londrina.


Segundo o promotor, para barrar o crime organizado é necessário fazer com que ele não cresça e não consiga arregimentar novos integrantes, tanto dentro quanto fora das cadeias. Ele pontua que quando um jovem inicia com pequenos trabalhos para o tráfico, cedo ou tarde ele vai passar a integrar a facção.

Além disso, frear as organizações criminosas também envolve a valorização do trabalho, assim como oferecer autoestima e dignidade às pessoas. “Para efeito repressivo, acredito que seja tirar o poder, descapitalizar, ou seja, ao saber que alguém é faccionado, eu reduzo a possibilidade de ele cometer crimes com benefício financeiro”, explica, complementando que o sequestro de bens é uma forma de descapitalizar as organizações criminosas e, assim, enfraquecer o sistema.

CONTINUE LENDO NA FOLHA DE LONDRINA

Imagem
Crime organizado precisa ser enfraquecido e descapitalizado, diz promotor
Para Leonir Batisti, do Gaeco, as organizações sobrevivem da atividade econômica, que vai dos roubos ao comércio de armas e drogas
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade