21/01/21
Porecatu

Mulher de 39 anos é presa por suspeita de deixar o neto morrer por abandono

A Polícia Civil prendeu uma mulher de 39 anos por suspeita de responsabilidade na morte do neto, de um ano e sete meses, por omissão de cuidados, em Porecatu. A causa da morte seria virose, segundo o delegado Marcos Rubira. O corpo da criança foi encontrado na casa de classe média alta, nesta sexta-feira (17), em meio a muito lixo e até restos de comida em decomposição.

A criança estava sob cuidados da avó, segundo informações obtidas no inquérito policial, desde o início do ano, quando a mãe, de 17 anos, mudou-se para o Mato Grosso para trabalhar. Segundo a versão dada à polícia pela avó, Michele Penteado Rodrigues, o neto foi posto par dormir às 22h de quinta-feira (16), após tomar banho e de fraldas trocadas e foi encontrada morta por ela às 15h do dia seguinte.


Entretanto, no pedido de prisão preventiva, o delegado argumenta que não apenas a crianças estava suja, mas estava em um quarto com bastante lixo, já em estado avançado de putrefação e sem sinal de asseio ou de indicativo de cuidados básicos.

Para o delegado, há a suspeita de que a criança tenha morrido antes do prazo citado pela avó. Nas informações repassadas para a imprensa, o bisavô teria levado remédios para tratar a virose, mas com apenas uma embalagem aberta e a maioria lacradas, indicando que o menino não foi devidamente medicado.

Ele ainda ressalta que o período entre ser posta para dormir e o momento em que foi encontrada morta denotam quase 18 horas que a criança ficou sem assistência alguma, inclusive fornecimento de alimentos ou água.


A Polícia Civil descreve a casa como um ambiente insalubre, com "enorme quantidade de lixo pela casa, restos de alimentos já em estado de decomposição, inclusive com a presença de larvas, roupas sujas, louça por lavar, medicamentos e bebidas por todos os lados". Foram constatados alimentos também putrefatos no quarto em que o bebê foi encontrado. As descrições batem com imagens feitas na residência, disseminadas pelas redes sociais.

Michele foi autuada pelo crime de homicídio qualificado (meio cruel e sem possibilidade de defesa da criança), "visto que possuía o dever de garantir a assistência, cuidado, educação e, especialmente, a alimentação da criança, a qual, sequer foi levada ao Pronto Socorro para ser
Reportagem Local
Continue lendo
Decisão do TRF-4

Agepar consegue suspensão de decisão que possibilitava aumento no pedágio

21 JAN 2021 às 17h51
Acesso à Dez de Dezembro

Semáforos da Charles Lindemberg entram em funcionamento na zona leste

21 JAN 2021 às 17h50
Meu Bolso em Dia

Febraban lança programa de aceleração para startups de educação financeira

21 JAN 2021 às 17h44
Mais conectividade

Projeto Rua Inteligente trará inovação e tecnologia à rua Sergipe

21 JAN 2021 às 17h18
Direitos Humanos na Pandemia

OAB denuncia governo Bolsonaro à OEA por omissão no combate à epidemia da Covid-19

21 JAN 2021 às 16h20
Comer em casa

Pesquisa mostra que 80% estabelecimentos comerciais manterão delivery mesmo após pandemia

21 JAN 2021 às 15h57
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados