Pesquisar

Canais

Serviços

- Grupo folha
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Feminicídio

Suspeito de assassinar ex-mulher em igreja de Londrina assume o crime, afirma a Polícia Civil

Redação Bonde
08 abr 2022 às 13:06
Continua depois da publicidade

O suspeito de assassinar Ligia Fernandes Silva dentro da igreja São Luiz Gonzaga, na zona leste de Londrina, na última terça-feira (5), teria assumido a autoria do crime, afirmam as autoridades policiais da Delegacia de Defesa da Mulher, em Londrina. Ele era ex-companheiro da vítima e foi detido na tarde desta quinta-feira (7), em Rio das Pedras, região de Piracicaba, no Estado de São Paulo, após capotar o carro que conduzia.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


De acordo com a PCPR (Polícia Civil do Paraná), o suspeito foi autuado em flagrante em São Paulo por porte ilegal de arma e munições – ele estava com uma pistola calibre 380. Ao ser preso, teria confessado o crime de feminicídio e relatado que a arma apreendida foi a utilizada no crime. Dois aparelhos celulares também foram apreendidos com ele, que permanecerá sob custódia das autoridades paulistas.

Continua depois da publicidade


Ainda segundo a PCPR, Lígia não registrou boletim de ameaça ou solicitou medidas protetivas na Delegacia da Mulher de Londrina em tempos recentes. O último boletim de ocorrência registrado pela mulher, em 17 de março deste ano, foi na Delegacia de Estelionato, reportando a invasão de seu perfil numa rede social que compartilhava com o indiciado. 


Um registro de lesão corporal, com solicitação de medidas protetivas, data do ano de 2018, mas, ainda de acordo com a Polícia Civil. Porém, dois dias após a concessão da medida, a própria vítima teria solicitado a revogação da medida, porque o casal havia se reconciliado.


A PCPR também informou que o suspeito não era foragido do sistema prisional, mas foi posto em liberdade mediante alvará de soltura expedido pelo TJ (Tribunal de Justiça) do Paraná em junho de 2021.

Continua depois da publicidade


    

Como foi a prisão


Segundo a PCPR, as investigações sobre o caso foram conduzidas pela Delegacia de Defesa da Mulher de Londrina, que confirmou com testemunhas, no mesmo dia do crime, que o suspeito havia utilizado uma caminhonete Toro branca para fugir.


Na quarta-feira (6), dia seguinte ao homicídio, foi constatado, com auxílio da PRF (Polícia Rodoviária Federal) que o suspeito estava em Jaguariaíva, nos Campos Gerais, e que a caminhonete havia quebrado. Por meio de denúncia anônima, a PCPR foi informada de que o suspeito havia adquirido um Peugeot 207. Imagens de segurança de um posto de combustíveis, em que ele aparece abastecendo o veículo, confirmou a informação.


Na quinta, por volta das 12h, outra denúncia anônima feita à Delegacia da Mulher informou que o suspeito estaria em Capão Bonito (SP). Policiais paulistas confirmaram que ele teria sacado dinheiro em uma agência bancária e partiu rumo a Itapetininga (SP).


Com estas informações, policiais civil e rodoviários estaduais de São Paulo fizeram cercos em várias rodovias estaduais, até que, por volta das 16h, o veículo foi visualizado. Ele não obedeceu a ordem de parada e iniciou uma perseguição da Polícia Rodoviária Estadual com apoio da Deic (Delegacia Estadual de Investigações Criminosas) de Piracicaba, até que o suspeito capotou o carro e acabou detido.

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade