Pesquisar

Canais

Serviços

Arquivo Folha
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Investigação levou um ano e meio

Vendedor encontrado morto no Lago Igapó em 2020 não foi assassinado, conclui IML

Rafael Machado - Grupo Folha
16 nov 2021 às 17:37
Continua depois da publicidade

Depois de um ano e meio, chegou ao fim a investigação da morte do vendedor Jefferson Salatiel Lemos, 43 anos, encontrado no Lago Igapó. A Delegacia de Homicídios entendeu que ele não foi assassinado, mas morreu afogado. 

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


É o que aponta o laudo de necropsia feito pelo Instituto Médico Legal (IML) de Londrina. O órgão também disse que os ferimentos na cabeça foram provocados por "ataques de animais e peixes", e não por tiro, facada ou agressão. 

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


Jefferson foi localizado boiando perto das 15h do dia 3 de junho de 2020 no Igapó 2, que margeia a Avenida Higienópolis, região sul. 


O exame do IML estima que a morte tenha acontecido dois dias antes, às 18h30. O laudo não identificou a presença de álcool, drogas ou medicamentos, como antidepressivos. 


"A morte não tem nenhuma relação com a atividade profissional dele (Jefferson). Não sabemos se passou mal e caiu no lago, por exemplo. O fato é que ele não tinha nenhuma marca de ter sido espancado ou vítima de disparos de arma de fogo. Por isso, descartamos o homicídio", explica à FOLHA o delegado João Reis, que ouviu três testemunhas em toda a apuração.

Continua depois da publicidade


Continue lendo em Folha de Londrina

Continue lendo