Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
30,2 mil palestinos mortos

Brasil diz que governo de Israel 'não tem qualquer limite ético ou legal' em Gaza

Mayara Paixão - Folhapress
01 mar 2024 às 12:15
- Pixabay
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Um dia após os relatos das mortes de dezenas de civis que aguardavam em fila por ajuda humanitária em Gaza, o Itamaraty voltou a criticar as ações de Israel no território palestino, empregando alguns de seus termos mais duros desde o início do conflito.


"O governo Netanyahu volta a mostrar, por ações e declarações, que a ação militar em Gaza não tem qualquer limite ético ou legal", escreveu a pasta do governo Lula (PT) em nota na manhã desta sexta-feira (1º).

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Um dia antes, a facção palestina Hamas havia dito que mais de 110 civis palestinos morreram em meio a tiros de tropas israelenses enquanto aguardavam ajuda humanitária ao lado de caminhões.

Leia mais:

Imagem de destaque
Agora SPVAT

Deputados federais de Londrina discordam sobre retorno do DPVAT

Imagem de destaque
'Bluesky'

Lula adere a rede rival de Musk após movimento da esquerda contra X

Imagem de destaque
Briga de engravatados

Após ser chamado de ‘incompetente’ na ExpoLondrina, ministro de Lula reage

Imagem de destaque
Entenda

STF forma maioria para ampliar foro especial, mas Mendonça interrompe julgamento


Tel Aviv argumentou que os tiros de seus militares, acuados, teriam matado somente cerca de dez civis e que a maior parte das mortes e ferimentos foi causada pela aglomeração e pelos saques aos caminhões, que teriam levado a atropelamentos e pisoteamentos.

Publicidade


Na nota, o Ministério das Relações Exteriores, comandado por Mauro Vieira, disse que "as aglomerações em torno dos caminhões que transportavam ajuda humanitária demonstram a situação desesperadora a que está submetida a população civil da Faixa de Gaza e as dificuldades para obtenção de alimentos no território".


Relatório da Global Nutrition Cluster, ligada à ONU, retrata a presença da fome na faixa de terra adjacente a Israel. O documento diz que mais de 90% das crianças de 6 meses a 2 anos e das mulheres grávidas enfrentam o que chamam de "pobreza alimentar extrema", consumindo apenas dois ou até menos grupos alimentares por dia.

Publicidade


Doenças infecciosas também afetam 90% das crianças menores de 5 anos, e 70% delas tiveram diarreia nas últimas duas semanas.


Publicidade

O Itamaraty voltou a criticar duramente o governo do primeiro-ministro Binyamin Netanyahu, com o qual as relações do Brasil se deterioraram após o presidente Lula, em viagem à Etiópia, comparar as ações de Israel em Gaza ao Holocausto nazista de Adolf Hitler.


Imagem
Projeto de Lei propõe que usuários de Jacarezinho tenham isenção no pedágio
A prefeitura de Jacarezinho (Norte Pioneiro) deverá encaminhar, nesta sexta-feira (1), um projeto de lei à Câmara Municipal que irá possibilitar a concessão de isenção total da tarifa de pedágio aos moradores do município.


O petista foi declarado "persona non grata" por Israel, e Bibi, como o premiê é conhecido, disse que o brasileiro cruzou uma linha vermelha.

Publicidade


"A inação da comunidade internacional diante dessa tragédia humanitária continua a servir como velado incentivo para que o governo Netanyahu continue a atingir civis inocentes e a ignorar regras básicas do direito humanitário internacional", disse o Itamaraty, um histórico defensor da solução de dois Estados, com a criação de um Estado palestino independente que conviva com Israel.


"Declarações cínicas e ofensivas às vítimas do incidente, feitas horas depois por alta autoridade do governo Netanyahu, devem ser a gota d’água para qualquer um que realmente acredite no valor da vida humana", seguiu a diplomacia brasileira.


O comunicado chama as ações que se desenrolam há quase cinco meses em Gaza de um massacre e volta a mencionar o termo genocídio, que Lula vem empregando para descrever as atividades militares de Tel Aviv, para dizer que Israel deve implementar as medidas que impeçam um crime desse tipo.


Ainda nesta sexta-feira, novo balanço do Ministério da Saúde de Gaza —atrelado ao Hamas, que governa a Faixa desde a segunda metade dos anos 2000— disse que passou de 30,2 mil o número de palestinos mortos no conflito. Outros 71,3 mil teriam ficado feridos. A cifra, acredita-se, engloba tanto civis quanto combatentes da facção.


Imagem
A sete meses das eleições, vereadores de Londrina aprovam reajuste salarial e mais cargos em comissão
A sete de meses das eleições municipais, a Câmara Municipal de Londrina aprovou, em segundo turno, na sessão dessa quinta-f
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade