Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Cerca de 5 mil

Governo Lula vai comprar imóveis no Rio Grande do Sul para dar a desabrigados

Julia Chaib e Idiana Tomazelli - Folhapress
15 mai 2024 às 14:16
- Lula Marques/Agência Brasil
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) vai comprar imóveis em cidades do Rio Grande do Sul que estejam prontos ou em construção para dar a famílias desabrigadas pelas enchentes.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Sessão de julgamento

Maioria rejeita cassação do mandato da vereadora Mara Boca Aberta em Londrina

Imagem de destaque
Programa Parceiro Escola

Deputados da oposição pretendem ir à Justiça contra terceirização nas escolas no Paraná

Imagem de destaque
Denúncia de quebra de decoro

Londrina: Sessão de julgamento que pode cassar Mara Boca Aberta já dura mais de nove horas

Imagem de destaque
Fim da isenção

Compras na Shopee e Shein: entenda em 6 pontos o que a Câmara votou nesta terça

O anúncio será feito nesta quarta-feira (15) pelo chefe do Executivo, que está no estado.

Publicidade


Como a Folha de S.Paulo antecipou, o assunto foi discutido durante reunião ministerial na última segunda-feira (13). Os detalhes foram acertados pelo Ministério das Cidades com a Casa Civil.


A ideia é mapear os imóveis já concluídos ou que ficarão prontos até o final de 2025. Estimativas preliminares indicam um potencial de cerca de 5.000 unidades.

Publicidade


Em vez de vendê-las diretamente às famílias, as construtoras tratariam diretamente com o governo federal, que deve estabelecer um valor máximo por unidade para as aquisições.


A ideia é que o parâmetro dos imóveis siga os critérios do Minha Casa, Minha Vida, em termos de preço (até R$ 170 mil) e especificações técnicas.

Publicidade


Técnicos avaliam que, em boa parte dos municípios, o valor máximo de R$ 170 mil deve ser suficiente para viabilizar a compra, a despeito do mercado imobiliário aquecido diante da busca das famílias por locais seguros para sua moradia.


Na capital e região metropolitana, o governo acredita que a compra em escala pode ser uma vantagem competitiva importante para obter descontos. A avaliação é que o modelo será vantajoso para as construtoras, que no fluxo normal teriam de vender as unidades uma a uma, investir em publicidade e ainda aguardar o sinal verde de financiamentos.

Publicidade


O governo deve fazer uma chamada pública para que as construtoras apresentem formalmente as unidades disponíveis.


As entregas serão feitas conforme o levantamento de desabrigados feito pelas prefeituras. O Ministério das Cidades abriu um formulário para que os municípios forneçam essas informações e estabeleçam um canal direto com a pasta.


O governo também acertou com a Caixa Econômica Federal a destinação de imóveis financiados pela instituição, mas que foram retomados devido à inadimplência dos mutuários. O banco ainda está fazendo um levantamento de quantas unidades estão nessa situação no Rio Grande do Sul e poderiam ser disponibilizadas às famílias.


Segundo integrantes do governo, caso o volume disponível seja insuficiente no curto prazo, a União discutirá com o estado e os municípios a possibilidade de fazer repasses para financiar iniciativas de aluguel social para atender às pessoas em situação de espera.


Imagem
Símbolo da tragédia no Rio Grande do Sul, cavalo Caramelo supera desidratação, mas segue abaixo do peso
O cavalo Caramelo, que foi resgatado de cima do telhado de uma casa em Canoas, no Rio Grande do Sul, está em boas condições de saúde e segue sem precisar de medicações.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade