Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Ronnie Lessa

Mandantes de assassinato de Marielle prometeram lotes para executor do crime

Fabio Serapião - Folhapress
25 mar 2024 às 11:05
- Divulgação/Instituto Marielle Franco
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Ronnie Lessa, assassino da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, afirmou em seu acordo de colaboração premiada que ganharia lotes em um empreendimento imobiliário na zona oeste do Rio de Janeiro como pagamento pelo crime.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Acordo com MPPR

Ex-prefeito de Ivaiporã Pedro Papin vai devolver mais de R$ 1,3 milhão à Prefeitura

Imagem de destaque
Coronel do Exército

Alexandre de Moraes solta ex-assessor de Bolsonaro investigado por trama golpista

Imagem de destaque
Entenda!

Estudo avalia reduzir número de cidades da Região Metropolitana de Londrina

Imagem de destaque
Sai Alexandre de Moraes

André Mendonça, ministro do STF, é eleito para o TSE

Os relatos do executor do crime foram a base para a operação deflagrada pela Polícia Federal neste domingo (24) para prender o deputado federal Chiquinho Brazão (União Brasil-RJ), o conselheiro do TCE (Tribunal de Contas do Estado) do Rio Domingos Brazão e o delegado Rivaldo Barbosa, ex-chefe da Polícia Civil no Rio.

Publicidade


Os integrantes da família Brazão são apontados como mandantes do crime e o delegado da Polícia Civil teria atuado para obstruir a investigação instaurada após o assassinato.


A ocupação e loteamento de áreas na região oeste do Rio de Janeiro está justamente entre os motivos, segundo a investigação, que levaram os integrantes da família Brazão a encomendar o assassinato de Marielle.

Publicidade


Na coletiva sobre o caso, o diretor da PF, Andrei Rodrigues, afirmou que o assassinato não tem apenas um único motivo.


Segundo eles, os motivos estão dentro de um contexto de várias situações que envolviam a atuação da vereadora Marielle.

Publicidade


"São várias situações que envolvem a vereadora Marielle e que levaram esse grupo de oposição, e o ministro [da Justiça, Ricardo Lewandowski] falou da questão política, e que envolve questão ligadas a milícias, disputa de território e legalização de empreendimentos".


O ministro da Justiça leu um trecho da decisão de Alexandre de Moraes sobre a motivação e, citando o relatório da PF, afirmou que Marielle se opunha ao grupo politico da família Brazão que queria regularizar terras para uso comercial.


A vereadora, por sua vez, defendia que as áreas na região oeste do Rio fossem destinada para fins sociais e de moradia popular.


Em sua delação, Ronnie Lessa disse que o planejamento do crime começou no segundo semestre de 2017.


Imagem
Turma do STF forma maioria para manter prisão de suspeitos de mandar matar Marielle
A 1ª Turma do STF (Supremo Tribunal Federal) formou maioria de votos para manter a prisão dos supostos mandantes do assassinato da vereadora Marielle Franco
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade