17/04/21
Pesquisa aponta

Pia da cozinha tem 100 mil vezes mais micro-organismos que a do banheiro

A pia da cozinha é um dos principais focos de contaminação da casa, pelo potencial que o local possui de proliferar germes e bactérias. Muitas vezes a família inteira se vê sofrendo com diarreias e vômitos, acreditando ter pego uma intoxicação na rua, quando o problema estava dentro de casa.

Segundo um estudo feito pela Fundação de Pesquisa para Saúde e Segurança Social (FESS), em parceria com a Universidade de Barcelona, a cozinha é um dos lugares mais contaminados dentro da casa. A pesquisa aponta que a pia da cozinha possui 100 mil vezes mais germes do que no banheiro e que eles se concentram principalmente nas esponjas e nos panos. "Isso acontece, pois são utensílios que estão em contato com a água o tempo todo, e os locais com umidade são os preferidos das bactérias", explica o biomédico e microbiologista Roberto Figueiredo, conhecido como Dr. Bactéria.


Divulgação/Bettanin
Divulgação/Bettanin


Ele comenta também que a umidade é só um dos fatores que estimula a proliferação de germes e bactérias, sendo que os resíduos dos alimentos é que "alimentam" esta proliferação. Louças mal lavadas, tábuas e colheres de madeira, cantos de pia são exemplos clássicos de locais que acumulam restos de alimentos e geram uma contaminação cruzada. E a esponja da pia é o utensílio que mais causa este tipo de contaminação. "A pessoa lava a tábua de madeira contaminada com a mesma esponja que lava seus pratos e copos, por exemplo, espalhando bactéria por toda a louça. Esse tipo de contaminação pode causar diarreia e febre", afirma o biomédico.

Indústria está atenta ao problema

A indústria brasileira está atenta ao problema e começa a lançar no mercado soluções para ajudar as pessoas a manterem suas casas mais saudáveis. A gaúcha Bettanin, por exemplo, lançou recentemente a NovaEsfreBom Multiuso. O produto é o único do mercado com íons de prata em sua composição, tecnologia que garante a eliminação de 99,9% das bactérias presentes na própria esponja e que evita também a proliferação. "Essa fórmula faz com que as bactérias não permaneçam nas esponjas, evitando assim qualquer tipo de contaminação cruzada", explica o Dr. Bactéria.

Além disso, a tecnologia garante praticidade ao consumidor, pois dispensa a necessidade de esterilização das esponjas, sendo que a recomendação para esponjas comuns é que sejam deixadas de molho em água sanitária ou fervidas após cada utilização.
Redação Bonde
Continue lendo
Obras residenciais

Sem saber como limpar os vidros depois da obra? Confira três dicas

14 ABR 2021 às 14h51
Vai um cafézinho?

Dia Mundial do Café: como preparar um cantinho especial para a bebida

14 ABR 2021 às 14h47
Faça você mesmo!

Home Office: aprenda a fazer uma mesa portátil

13 ABR 2021 às 17h30
Confira!

Curso gratuito para o segmento imobiliário sobre impactos da LGPD

13 ABR 2021 às 15h25
Dicas

Saiba como usar o backsplash na cozinha

12 ABR 2021 às 17h00
Confira!

Dicas para melhorar a vida útil da máquina de lavar

12 ABR 2021 às 14h17
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados