10/08/20
28º/15ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Muitas mortes

Cansaço da quarentena faz até apoiadores do isolamento saírem de casa

Reprodução/Pixabay
Reprodução/Pixabay


Há quase cinco meses, as pessoas entraram em quarentena com a expectativa de que ela durasse 15 dias, um mês ou, no máximo, dois meses.


Passados 130 dias que cidades como São Paulo iniciaram as restrições de deslocamento e aglomeração, os números de casos e mortes ainda não pararam de crescer – mesmo que a reabertura já esteja em prática – e, a cada final de semana, mais e mais pessoas vão às ruas encontrar amigos e parentes. Entre os "furadores da quarentena” também estão os que a defendiam meses atrás.

De acordo com especialistas, esse comportamento é algo comum e já esperado pela ciência. Acontece que os mecanismos de alerta do corpo, em especial os cerebrais, entram em colapso depois que são exigidos por um período longo de tempo. Assim, as pessoas que estavam receosas em março, começam a ver que, em algum momento, algumas concessões deverão ser feitas. Esse é o comportamento chamado de fadiga da quarentena ou falência adaptativa pelos cientistas e especialistas.

"Nosso sistema faz esforços para nos adaptar a situações novas e indesejadas, de privação. Mas, quando somos obrigados a fazer isso por muito tempo, esse mecanismo entra em falência e não conseguimos mais racionalizar”, explica Ricardo Sebastiani, especialista em psicologia clínica e saúde pública.

Deste modo, as saídas ocasionais serão ainda mais frequentes nos próximos meses.

Somado ao agravamento no número de casos e mortes, a população que permaneceu em casa ainda assistiu às descobertas sobre o vírus, os modos de lavar as mãos, uma série de suposições sobre tratamentos e tem acompanhado o desenvolvimento das vacinas. Toda essa exposição ao assunto pode ter resultado em duas coisas: perda do medo e naturalização do período.

"Mas agora a verdade é que, enquanto não tivermos uma vacina, para muitos não se trata de ‘e se eu pegar a Covid-19′, mas, sim, de ‘quando eu pegar a Covid-19′. Quando o medo imediato some, as pessoas voltam a fazer churrasco e a lotar as praias”, diz Sebastiani.

Além disso, há o ressentimento com o Governo, que não conseguiu controlar o contágio, e com as pessoas que estão saindo de casa. Nas redes sociais, é comum encontrar pessoas que se acham "palhaças” por ainda estarem em casa quando notícias, fotos e vídeos de festas se espalham pelas plataformas digitais. "Passados quatro meses, como os resultados desse sacrifício não foram os esperados, algumas pessoas podem passar a descumprir a quarentena, até mesmo com atitudes vistas como egoístas”, diz a psicanalista Amanda Mont’Alvão Veloso.

Saúde mental no isolamento

Mesmo que a única tarefa do isolamento social seja simples – o famoso ficar em casa –, a longo prazo, esse comportamento torna-se frustrante para as pessoas que estão cumprindo, desde o início, a quarentena. Isso porque elas seguem com parte das rotinas antigas – trabalho e estudo, principalmente –, mas não conseguem ter os momentos de diversão em sua plenitude.

"Tudo isso é muito estressante. São mais de cem dias de privações e medo durante os quais recebemos muitos estímulos negativos e poucos estímulos positivos. Fomos privados até dos pequenos prazeres do dia a dia, como tomar café com um amigo”, diz Sebastiani.

Para os profissionais formados na faculdade de psicologia, tanto o medo do coronavírus como o isolamento social podem desencadear e agravar quadros de depressão e ansiedade.

Para amenizar os efeitos, especialistas alertam para a importância de seguir em contato com amigos e parentes, tentar manter uma rotina de exercícios e uma alimentação balanceada, além de aproveitar o tempo para fazer coisas que realmente gosta. Se for o caso, também é possível consultar psicólogos, através da telemedicina, para evitar que os transtornos se instalem.
Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Conteúdo relacionado:
Clima frio
Veja dicas para cuidar do corpo e da pele durante o inverno
Saúde mental
Confira 7 dicas para lidar com o estresse causado pela pandemia de Covid-19
Tchau, problemas!
Veja dicas de chás para diminuir a ansiedade e aumentar a imunidade
Continue lendo
Entenda
Maioria dos sites de fake news se financia via Google Ads, diz pesquisa
07 AGO 2020 às 11h55
Home office
Dress code em casa: confira 3 peças confortáveis e estilosas para usar no trabalho remoto
07 AGO 2020 às 10h50
Dia dos Pais
Veja sugestões de presentes para diferentes tipos de pais
07 AGO 2020 às 09h22
Comemore... em casa!
Nesta sexta é o dia mundial da cerveja!
07 AGO 2020 às 08h34
Sem motivação
Confinamento deixa 75% dos alunos ansiosos, irritados ou tristes, diz pesquisa
07 AGO 2020 às 08h28
Valoriza as refeições
Cozinhar com as crianças fortalece os laços familiares
07 AGO 2020 às 08h02
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados