Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Nova modalidade

Prêmio cria categoria para fotos feitas com celulares

Agência Estado
22 jun 2009 às 14:39
- Divulgação
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O Prêmio Porto Seguro de Fotografia 2009 acatou oficialmente o apelo dos interessados em participar do concurso e abriu uma categoria especial para imagens feitas com celulares, que concorrerão à premiação de R$ 18 mil dentro da seção Pesquisas Contemporâneas. "A dificuldade era pensar a melhor maneira de receber essas imagens e mostrá-las", diz Cildo Oliveira, idealizador e curador-geral da premiação.

As inscrições para essa 9ª edição do prêmio terminaram no sábado. A seleção de todos os trabalhos inscritos (mais de 800) por uma comissão julgadora e por Tadeu Chiarelli, curador convidado da premiação deste ano, ocorrerá já na próxima semana.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade

Pelo regulamento, os participantes poderiam inscrever apenas uma obra feita com celular - e mandada via e-mail. Essa opção pelo recebimento eletrônico está ligada à própria linguagem e técnica da mídia dessas obras. "O início dessas obras é virtual", diz Oliveira. Pensando ainda nesse sentido, ele afirma que as obras selecionadas (ou premiadas) serão exibidas na mostra do prêmio, projetadas em tela, e arquivadas no acervo em CD.

Leia mais:

Imagem de destaque
Até ele!

Turma da Mônica coloca Cascão na água por campanha pelo Rio Grande do Sul

Imagem de destaque
Gratuito

Laboratório de Teatro em Grupo do Núcleo Ás de Paus de Londrina abre inscrições

Imagem de destaque
Reconstrução, memória e democracia

STF abre mostra nesta terça sobre reconstrução após 8 de janeiro

Imagem de destaque
Ativismo e cultura

Masp anuncia programação LGBTQIA+ para 2024, com mostra de Mário de Andrade

"A princípio sempre existe uma reação negativa, até um preconceito de fotógrafos que acreditam que vale a imagem feita através do visor, mas é uma questão de adaptação", afirma Oliveira. O olhar durante a realização de uma imagem por celular é diferente, de "outro enquadramento", como diz o curador-geral, porque no aparelho "a imagem já está lá", espontânea. "É um instrumento para se desenvolver, mas maravilhoso, incorporado até pelo jornalismo", afirma Oliveira, lembrando que nessa atual crise política das eleições iranianas, quando jornalistas foram barrados ao tentar fazer a cobertura, as imagens e filmes feitos com celulares é que se propagaram pelo mundo todo.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade