07/03/21
PUBLICIDADE
Levantou a taça em 1999

Relembre as participações do Palmeiras na final da Libertadores

Ivan Storti/Santos FC
Ivan Storti/Santos FC

O Palmeiras fará no próximo sábado (30), contra o Santos, no Maracanã, a sua quinta final de Copa Libertadores na história. Campeão em 1999, o clube alviverde buscará o bicampeonato da América.

Logo em sua primeira participação no torneio continental, em 1961, os palmeirenses foram à decisão e ficaram com o vice, diante do Peñarol (URU). Sete anos depois, a equipe paulista voltou a decidir a Libertadores e novamente foi derrotada, dessa vez para o Estudiantes (ARG).


A única conquista na competição veio em 1999, sob o comando de Luiz Felipe Scolari. O Palmeiras venceu na final o Deportivo Cali (COL), nos pênaltis, para levantar a taça. Em 2000, o clube esteve perto de seu segundo título, mas caiu para o Boca Juniors (ARG) na decisão.

Confira as participações alviverdes em suas quatro finais:

1961 - Estreante, ficou com o vice
Campeão nacional no ano anterior, o Palmeiras fez em 1961 a sua primeira participação na Copa Libertadores. E logo na estreia, já foi à decisão.

Comandados pelo argentino Armando Renganeschi, os alviverdes eliminaram os homônimos Independiente (ARG) e Independiente Santa Fe (COL) antes da final contra o Peñarol (URU), que havia sido campeão da América em 1960.

No jogo de ida da decisão, no Estádio Centenário, em Montevidéu, o Peñarol venceu o Palmeiras por 1 a 0, gol do equatoriano Alberto Spencer, até hoje o maior artilheiro da história da Libertadores. Na partida de volta, no Pacaembu, Sasía abriu o placar para os visitantes e Nardo chegou a empatar para os paulistas, mas o empate em 1 a 1 deu o título aos uruguaios.

1968 - Vice de novo, teve o artilheiro do torneio
Em busca de sua primeira taça continental, o Palmeiras tratou a Libertadores de 1968 como prioridade, ainda que tenha sido comandado por três técnicos. Primeiro, Mário Travaglini foi substituído por Julinho Botelho, finalista em 1961, que trabalhou interinamente até a chegada do argentino Alfredo González, que havia atuado com a camisa alviverde nos anos 1940.

Das 15 partidas que disputou no certame, o clube do Palestra Itália venceu 11, empatou uma e perdeu três. Tupãzinho, atacante palmeirense, foi o artilheiro da competição com 11 gols.

Na semifinal daquele ano, o Palmeiras se vingou do Peñarol e eliminou os uruguaios antes de encarar na final o Estudiantes (ARG), que tinha em seu elenco o meia Carlos Bilardo, futuro campeão mundial como técnico da Argentina em 1986.

Os argentinos venceram o primeiro confronto, em La Plata, por 2 a 0. Na volta, os palmeirenses levaram a melhor no Pacaembu e triunfaram por 3 a 1, forçando o jogo de desempate. Em Montevidéu, no Estádio Centenário, os argentinos bateram os alviverdes pelo placar de 2 a 0, gols de Felipe Ribaudo e Juan Ramón Verón, e ficaram com a taça. Seria a primeira conquista de três em sequência para o time de La Plata na Libertadores.

1999 - Primeiro título e consagração de Marcos
Em 1999, mais de trinta depois de sua última final de Libertadores, veio enfim a glória alviverde no torneio continental. Campeão da Copa do Brasil no ano anterior, o clube garantiu a classificação à competição.

Na primeira fase, o Palmeiras se classificou em segundo lugar no grupo que tinha o rival Corinthians e os paraguaios Olimpia (PAR) e Cerro Porteño (PAR). No mata-mata, eliminou o campeão da edição anterior, o Vasco, bateu o Corinthians nos pênaltis com o brilho do goleiro Marcos e superou o River Plate (ARG) na semifinal, com atuação de gala de Alex, para ir à decisão.

Contra o Deportivo Cali (COL), os palmeirenses foram derrotados na partida de ida, na Colômbia, por 1 a 0. Na volta, no Palestra Itália, Evair e Oséas anotaram os gols do triunfo por 2 a 1, que levou a decisão para as penalidades. Apesar do erro de Zinho, os colombianos desperdiçaram duas cobranças e o Palmeiras se sagrou campeão da América pela primeira vez.

2000 - Sonho do bi parou nas mãos de Córdoba
Campeão da edição anterior da Libertadores, o Palmeiras foi em busca do bicampeonato continental com o reforço de um jogador com passagem pelo futebol europeu e experiência em Copa do Mundo: o atacante colombiano Faustino Asprilla. Na fase de grupos, superou Juventude, The Strongest (BOL) e El Nacional (EQU).

No mata-mata, o time alviverde voltou a mostrar a força da campanha de 1999 e derrubou Peñarol (URU), Atlas (MEX) e, mais uma vez, o arquirrival Corinthians, nos pênaltis, para ir à decisão contra o Boca Juniors (ARG).

Após empates por 2 a 2 na Bombonera e 0 a 0 em São Paulo, a final foi decidida nas penalidades. Asprilla e Roque Júnior pararam nas mãos do goleiro Oscar Córdoba. Os argentinos acertaram todas as suas cobranças e ficaram com o título.

Em três textos, esta série também trará lembranças das finais de Libertadores disputadas pelo Santos (quarta-feira) e entre dois times do mesmo país (quinta-feira), como aquecimento para a primeira decisão paulista da história do torneio.
Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Já conhecia?

Corinthians aposta em joia para primeira vitória no Paulista

07 MAR 2021 às 00h00
Finalíssima

Final da Copa do Brasil é novo retrato de força de Palmeiras e Grêmio

06 MAR 2021 às 23h59
Londrinense é a melhor

Corinthians aplica maior goleada da história da Libertadores Feminina

06 MAR 2021 às 17h22
Saiba mais

Pandemia faz Conmebol suspender jogos do Brasil contra Argentina e Colômbia

06 MAR 2021 às 16h14
Pelo Paulista

Técnicos argentinos de São Paulo e Santos fazem clássico

06 MAR 2021 às 14h49
Meninos

Flamengo encara o Macaé em busca da segunda vitória

06 MAR 2021 às 14h35
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados