Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
"Moradias impressas"

UEL vai ter impressora 3D para construir casas populares

Redação Bonde com Agência UEL
21 mai 2024 às 13:45
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A UEL (Universidade Estadual de Londrina) obteve a liberação dos recursos voltados à aquisição de equipamentos que irão garantir avanços nas pesquisas com materiais cimentícios impressos. 


O anúncio oficial foi realizado na tarde desta segunda-feira (20), em cerimônia que contou com a presença do reitor em exercício, Airton Petris, pró-reitores, diretores de centros de estudos, professores e membros da administração da UEL. O secretário de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná, Aldo Bona, participou de forma virtual.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Alternativa eficiente e com menor impacto ambiental, a construção de “moradias impressas” depende da utilização de uma impressora 3D específica, com alta capacidade de extrusão (liberação) e empilhamento dos materiais cimentícios e que seriam capazes de construir casas populares de 38m². 

Leia mais:

Imagem de destaque
Parece que não há remédio

Licitação para reforma da UPA do Jardim do Sol é questionada por empresa desclassificada

Imagem de destaque
Bons resultados

Com Londrina EC no G8 novamente, técnico valoriza intensidade do time

Imagem de destaque
Baixa procura

Em Londrina, sobram vacinas contra gripe e dengue nos postos de saúde

Imagem de destaque
Obituário

Lista de falecimentos de Londrina e região deste sábado (8) e domingo (9)


Além desta impressora, os recursos irão garantir a compra de uma impressora menor, voltada aos testes com novos materiais, bem como a aquisição de uma empilhadeira para conferir agilidade no trabalho. Também estão inseridos no projeto a instalação, garantia e treinamento presencial concedido pela empresa fabricante, assim como a compra de insumos e materiais específicos.

Publicidade


Ao todo, a SETI (Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná) irá investir R$ 1,2 milhão no projeto, obtidos de recursos do Fundo Paraná. A partir da disponibilização do montante, em meados de junho, e a conclusão do processo licitatório, a expectativa é de que os equipamentos estejam disponíveis para os pesquisadores ainda no primeiro semestre de 2025.


Modelo de casa 3D impressa. Ações devem trazer impacto social ao proporcionar moradias baratas e voltadas à população mais vulnerável economicamente (Reprodução).

Publicidade


IMPACTO SOCIAL 


O Proplan (pró-reitor de Planejamento) da UEL, Sérgio Carlos de Carvalho, destacou que o projeto tem o potencial de promover um profundo impacto social, uma vez que visa projetar e desenvolver tecnologias que possam subsidiar a construção de residências voltadas à população que vive em situação de vulnerabilidade social. 

Publicidade


“A universidade está produzindo conhecimento que vai chegar na sociedade e vai dar conta destas demandas, linkando a indução da busca por recursos e o desenvolvimento de conhecimento científico, e este conhecimento gerando um produto social bem ativo e profundo. Este projeto pode ser norteador de políticas habitacionais para o Paraná e para o Brasil porque a tecnologia e o conhecimento desenvolvidos aqui estarão disponíveis”, destaca. 


Imagem
Influenciadora de Londrina cobra ampliação de Lei de cão de assistência
Aos 19 anos de idade, a influenciadora e programadora Khadije El Zein, hoje com 27, foi diagnosticada com TEA (Transtorno do Espectro Autista) e TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade).


De acordo com a coordenadora do projeto, a professora Berenice Martins Toralles, pesquisas com os materiais cimentícios impressos vêm sendo realizadas no Departamento de Construção Civil da UEL desde 2018. 

Publicidade


“Nasce com os TCCs (Trabalhos de Conclusão de Curso) que fizemos já visando passarmos para uma impressora mesmo. Nosso ponto foi estudar materiais que pudessem ser imprimíveis”, conta. “A impressão 3D pode ser usada para muitas coisas. Podemos fazer habitações de interesse social, moradias, mobiliário urbano. O nosso foco hoje seriam moradias para pessoas em condições de vulnerabilidade”, complementa a professora.

Publicidade


Por meio de uma parceria com a Unicesumar, de Maringá, o Departamento de Construção Civil da UEL já pôde desenvolver um protótipo de uma casa popular com sala de estar e dois quartos, restando o objetivo de desenvolver uma residência em tamanho real. 

Publicidade


Ela também lembra que a demanda da falta de uma impressora 3D específica para o avanço das pesquisas foi apresentada ao Governo do Paraná durante o Paraná Faz Ciência 2023, evento que reuniu pesquisadores das sete universidades estaduais, representantes de agências de fomento e entidades na UEL, entre os dias 7 e 10 de novembro de 2023. 


FORMAÇÃO 


Em paralelo ao almejado impacto no déficit habitacional em Londrina, no Paraná e fortemente em localidades atingidas por catástrofes, como o Rio Grande do Sul, o avanço do projeto deverá colaborar na formação de recursos humanos. 


Atualmente, nove estudantes do Departamento de Construção Civil e do Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil  da UEL estão envolvidos em pesquisas com materiais cimentícios impressos. Dentre estes estudantes, destaca a professora, três são de doutorado, três são de mestrado e três são graduandos em Engenharia Civil bolsistas de Iniciação Científica. 


Dentre os objetivos próximos, está o desenvolvimento de novos materiais junto ao Departamento de Microbiologia, adianta a professora.


Eloísa Ramos Rodrigues, diretora do CTU. Investimentos no projeto repercutem imediatamente na produção da pesquisa docente, destaca a professora.


A diretora do Centro de Tecnologia e Urbanismo, Eloísa Ramos Ribeiro Rodrigues, endossou a importância do investimento no sucesso do trabalho desenvolvido pelos pesquisadores. 


“É uma satisfação. Eu espero que os outros projetos que estão em andamento também possam vir a ser contemplados, os pesquisadores estão trabalhando nesse sentido. A gente carece muito desse equipamento de conta para poder chegar em alguns resultados que de longa data já estão sendo pesquisados”, lembrou. 


Este investimento, destacou o secretário Aldo Bona, foi possível graças à ampliação do orçamento destinado a programas e projetos da área de Ciência e Tecnologia, que passou de R$ 78 milhões no ano passado para R$ 708 milhões em 2024, e passaram a atender, além da Seti, Fundação Araucária e Instituto de Tecnologia do Paraná, também o IDR-PR (Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná) e o Ipardes (Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social).


“Aumentaram os partícipes, mas a cota-parte da Seti, que era de menos de R$ 30 milhões, agora são R$ 348 milhões. Então, isso faz uma diferença muito grande. O que se pretende é que tenhamos a Ciência e a Tecnologia como motores do desenvolvimento econômico e social do estado em todas as frentes”, disse o secretário.


Imagem
Prova Paraná Mais será um dos instrumentos para ingresso nas sete universidades estaduais
As notas da Prova Paraná poderão garantir o acesso dos estudantes aos cursos das universidades estaduais do Paraná.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade