Pesquisar

Canais

Serviços

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

A Sociologia das Organizações

Beto Mansur*
09 ago 2010 às 15:54
Continua depois da publicidade

A Sociologia das Organizações é um ramo da Sociologia que trata de investigar padrões de inter-relacionamento nas organizações, ou seja, nas Empresas.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

O objetivo da Sociologia das Organizações, além de investigar padrões que influenciam na implantação, na expansão e no desenvolvimento das organizações, é o de promover o claro entendimento dos fenômenos em torno das inter-relações sociais dentro da organização que será analisada.

Continua depois da publicidade


Este interessante ramo da Sociologia foi inaugurado por Max Weber, um dos teóricos clássicos que previu a necessidade de se conceituar a Burocracia - Gestão Administrativa de Uso Constante -, a qual é especialmente marcada por um sistema hierárquico, com séria divisão de responsabilidades.


A palavra burocracia tem origem em burrus, no latim. Este termo é utilizado para apontar uma cor escura e sem vida, a qual os franceses definiram como bure, usualmente para conceituar os modelos de tecidos expostos sobre mesas e escrivaninhas de suas repartições públicas. Disso temos a derivação da palavra bureau, em primeiro lugar para conceituar as mesas cobertas por este tecido e, em segundo, para identificar todo um ambiente de negócios.

Continua depois da publicidade


No entanto, dentro desse ambiente de negócios, podemos encontrar dois setores: o do Planejamento Estratégico e o da Execução de Regras e procedimentos padrões, como sendo semelhantes às engrenagens de uma máquina.


Atualmente, o termo burocracia também é usado num sentido pejorativo, podendo ter o significado de uma administração com planejamento e execução excessivamente desnecessários ao funcionamento do sistema, como forma de se ordenar as inter-relações sociais com a organização, favorecendo para que claros interesses sejam atingidos.


A burocracia, por Weber, é uma maneira de definir e de delegar funções dentro do processo de planejamento e execução administrativas em torno de responsabilidades e padronizações. Com isso, Weber defendia a elaboração de leis que pudessem regular a propriedade material e a intelectual, o que em nossos dias pode ser entendido como a Gestão de Negócios.


A Teoria da Burocracia construída por Max Weber, é paulatinamente às Teorias Clássicas da Sociologia e teve como ponto marcante, a necessidade de ser discutida uma abordagem geral e conexa das próprias organizações. Porém, causa prática não considerada por sociólogos como Durkheim e Marx.


Por uma vista, a Teoria Clássica, com suas ações imaginárias e de teor bem negativo frente à natureza humana, filosofava em torno de uma administração centralizadora e primordialmente responsável pela organização e uso dos recursos da empresa, padronizando as atividades e controlando-as pela idéia do convencimento, ameaças, punições e recompensas marginais.


De outra vista, a Teoria das Relações Humanas entendia o indivíduo como o maior patrimônio das inter-relações sociais dentro das organizações, sendo motivado a produzir por sua própria natureza, filosofando a favor da descentralização e da delegação, a auto-avaliação e a administração participativa. Por sério, esta é a vista sociológica, bem weberiana.


Weber, de filosofia protestante, foi o primeiro a conceituar Burocracia, não como sistema que envolve indivíduos, mas como um tipo de poder mínimo e útil para a funcionalidade eficaz das estruturas organizacionais, sejam pertencentes ao Governo ou particulares.


Portanto, a característica primordial da Burocracia, de acordo com Weber, é o da racionalidade das ações promovidas dentro das organizações. A Teoria Clássica já discutia determinada razão, mas esta se manifestava só nos conjuntos de procedimentos mecânicos coletivos e não na mecanização das atividades individuais.


Assim, podemos concluir que na burocracia, a liderança está sustentada, essencialmente, sobre regras impessoais, escritas e por uma estrutura hierarquizada. Daí, o poder é legítimo e depende exclusivamente do grau de especialidade e competência técnica de quem o detém.


*Beto Mansur é formado em Direito pela UEM – PR, tem Qualificação Empretec pela ONU/SEBRAE, Colunista do site www.bonde.com.br/mundocorporativo.com.br, da Revista da Cidade, de Arapongas – PR, Professor de Planejamento Estratégico da UNIVEL de Cascavel – PR; Professor do MBA do Instituto Dimensão de Maringá – PR; Gestor do site
www.livrariamansur.com.br; Autor da obra Tomada de Decisão: Planejamento Estratégico e Financeiro; Especialista em Empreendedorismo pela Universidade Norte do PR; Professor de MBA, da Universidade de Cascavel – PR, Professor de Sociologia em Cursos Pré-vestibulares e palestrante de Empreendedorismo.

E-mail: [email protected]


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade