Pesquisar

Canais

Serviços

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

O Liberalismo Econômico Original

Beto Mansur*
14 jul 2010 às 16:18
Continua depois da publicidade

Adam Smith (1723 – 1790), considerado como pai da Escola do Liberalismo Econômico, em seu livro A Riqueza das Nações, via o mercantilismo como um sistema econômico errôneo e odioso. Para ele, pela pesada intervenção do Estado na economia, os únicos indivíduos sociais que ganhavam com o essa doutrina eram os mercadores e manufatureiros. Também, fundamentava que o sistema mercantilista elevava em muito a taxa de lucro, sendo os favorecidos apenas os mercadores e mais ninguém.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

Outro ponto criticado por Smith estava na questão de contenção do possível crescimento natural da economia, mesmo existindo intensa tributação sobre os indivíduos. Para Smith, o Estado não deveria intervir na vida econômica, uma vez que desviaria capitais que poderiam ser produtivos em outros setores mais necessários, como por exemplo, na segurança e justiça.

Continua depois da publicidade


Em torno dessas discussões e propostas de Smith, estava sendo construída a Escola Liberal Econômica Original, base ideológica do Capitalismo Industrial e também, da burguesia nacional. Segundo o pensamento liberal, a economia deveria guiar-se por si mesma, norteando-se pela Lei da Livre Concorrência e pela Lei da Oferta e da Procura.


Smith defendeu a idéia de que uma ‘mão invisível’ naturalmente dirigia a economia, evitando suas crises. Também, criticou a Teoria da Moeda, articulado pelo mercantilismo, na qual a riqueza de uma nação era constituída pelo ouro e prata acumulados. Para ele, entretanto, é o trabalho social em geral e não o agrícola que constitui a verdadeira fonte de riquezas de uma nação.

Continua depois da publicidade


Em torno desse contexto, quando a burguesia necessitou fundamentar seus interesses em torno de uma teoria, intensamente as idéias de Adam Smith foram aplicadas a favor do interesse capitalista industrial.


Mas, não podemos nos esquecer que a Crise de 1929, teve fortes ligações com esse conjunto de idéias liberais. Com o intenso financiamento feito pelos bancos particulares e seu não retorno desses empréstimos às instituições financeiras e como se praticavam o liberalismo, não foi possível o socorro às instituições financeiras. Daí, o Crack de 29, quando os bancos não mais tinham fundos para funcionamento e para arcar com suas dívidas em si.

*Beto Mansur é Advogado pela UEM – PR, Qualificação Empretec pela ONU/Sebrae; gestor do site www.livrariamansur.com.br; autor da obra Tomada de Decisão: Planejamento Estratégico e Financeiro; professor de Planejamento Estratégico do MBA da Universidade de Cascavel – PR; de Direito Empresarial do Instituto de Ensino Superior de Londrina; do MBA do Instituto Dimensão de Maringá - PR; colunista do site Mundo Corporativo - www.bonde.com.br/mundocorporativo de Londrina - PR; da Revista da Cidade, de Arapongas – PR; Especialista em Empreendedorismo pela Universidade Norte do PR; professor de Sociologia em Cursos Pré-vestibulares e palestrante de Empreendedorismo.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade