Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Prevenção

Saiba como se proteger contra a febre maculosa nas férias

Patrícia Pasquini - Folhapress
03 jul 2023 às 21:00
- Pexels/Pixabay
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Quem optar por passar as férias de julho no interior, em áreas montanhosas onde há matas, rios e lagos, precisa redobrar os cuidados para não contrair a febre maculosa. Os pais devem impedir as crianças de deitarem na grama, por exemplo.


Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade

"O carrapato gosta de lugar de sombra, folha seca e vegetação. Os locais que margeiam rios e lagos são mais propícios, mas não exclusivos", alerta a médica Vera Rufeisen, infectologista do Vera Cruz Hospital, em Campinas (a 93 km de São Paulo).

Leia mais:

Imagem de destaque
UEPG

Museu prepara acervo de fotos para exposição sobre o Norte Pioneiro

Imagem de destaque
Malas prontas

De olho num Carnaval natural? Confira quatro opções de Parques do Paraná

Imagem de destaque
com 44,94% das buscas

Santos é a cidade litorânea de SP mais popular no Google

Imagem de destaque
Entenda

Gol diz que voos seguem normais; veja garantias para clientes em caso de recuperação judicial


O estado de São Paulo é endêmico para a doença. Dados da Secretaria da Saúde de janeiro a março de 2023 mostram que Americana, Assis, Campinas, Piracicaba, Santa Bárbara D'Oeste, Sorocaba e Valinhos, além da região de Caraguatatuba, no litoral norte paulista, somam grande parte dos casos.

Publicidade


As regiões de Campinas e Piracicaba foram as que contabilizam mais casos no período - 480 e 193, respectivamente. Sozinho, o município de Campinas teve 114 confirmações da doença.


A doença é transmitida por carrapatos infectados pela bactéria Rickettsia rickettsii, presente principalmente no carrapato-estrela, e não passa de pessoa para pessoa.

Publicidade


"Só 1% dos carrapatos possui a bactéria Rickettsia rickettsii. O carrapato infectado passa a bactéria aos filhotes. Não vamos nos afastar da natureza, mas é necessário ter em mente que se você apresentar um quadro com mal-estar, febre alta, dor de cabeça e no corpo deve contar imediatamente ao médico o lugar que visitou", diz Rufeisen.


Para que haja a transmissão, o carrapato precisa ficar fixado à pele por pelo menos quatro horas. Se houver contato com vegetação, Vera Rufeisen orienta a fazer a própria inspeção no corpo a cada duas horas, à procura de picadas.

Publicidade


"Dependendo da sensibilidade a pessoa pode sentir coceira de uma a duas horas depois que o carrapato grudou no corpo", explica.


"O carrapato na forma de larva, conhecido como micuim, é muito pequeno. O adulto é mais comum no final do ano. O micuim parece uma pintinha na pele. Então, precisa inspecionar o corpo com bastante cuidado. O uso de bucha vegetal no banho é excelente, porque retira os [carrapatos] pequenos, que eventualmente não identificamos", orienta a médica.

Publicidade


Outro cuidado é com a cor das roupas. O ideal é dar preferência às cores claras, porque facilita enxergar o carrapato. O uso de repelente na pele e sobre a roupa é recomendável, em especial nas crianças.


Também é importante optar por roupas que cubram a maior parte do corpo, principalmente pernas e pés. Uma sugestão é usar meia por cima da boca da calça, e a calça dentro da bota.

Publicidade


"Os repelentes a base de icaridina têm eficácia razoável. É uma medida complementar. As pessoas não podem acreditar que se passarem o repelente nada acontecerá", afirma Rufeisen.


Para a infectologista e epidemiologista Luana Araújo, especialista em doenças infecciosas pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e mestre em saúde pública pela universidade Johns Hopkins Bloomberg, nos Estados Unidos, o ideal é evitar locais com maior risco de pegar a doença e que têm o vetor de forma descontrolada.

Publicidade


"Se não for possível, vale o cuidado diferenciado comportamental e o de preparo do sistema de saúde. O poder público precisa informar as pessoas de que aquela área é de risco", reforça.


"Nos locais endêmicos, essa informação é extremamente deficitária. Além dos locais de risco, é importante ensinar as pessoas o que é febre maculosa, qual o risco que elas correm e como se protegem. Principalmente nas áreas endêmicas, precisa ter uma intensificação dessa informação de maneira direta, clara, acessível e ostensiva, e não só para a população em geral. Os próprios profissionais de saúde precisam ser mais bem treinados", avalia a epidemiologista.


Segundo a médica, áreas endêmicas aparecem devido ao desequilíbrio da fauna e a flora.


"Você favorece a proliferação de animais hospedeiros, como o carrapato; você favorece que o carrapato se prolifere ali, o que ele não conseguiria fazer se aquele ambiente fosse ecologicamente harmônico. Temos mais acesso a esses ambientes e nos colocamos em risco para muitas doenças. A febre maculosa é só uma delas. Comece a pensar na saúde humana como parte de algo que chamamos de saúde única, que é a saúde do homem, dos animais e do meio ambiente ao mesmo tempo", finaliza a epidemiologista.


NUNCA ESPREMA O CARRAPATO


O carrapato deve ser retirado com o auxílio de uma pinça, com muito cuidado. Coloque-o num vidro com álcool e comunique à prefeitura de sua cidade. Se você arrancar, o aparelho sugador pode ficar preso na pessoa e é nele que tem a bactéria. Há o perigo de contaminação.


Imagem
Alunas e pais protestam contra professores acusados de assédio em Londrina
Um grupo de pais e estudantes fez um protesto na manhã desta segunda-feira (3) em frente ao colégio estadual padre Wistremundo Roberto Perez Garcia, no Parque Ouro Verde, zona norte de Londrina.
Receba notícias do Bonde no Whatsapp/Telegram e fique por dentro de tudo!
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade