Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Não comprou no ano passado

Com Londrina em surto de dengue, Belinati culpa governo Bolsonaro por falta de fumacê

Bruno Souza - Estagiário*
15 mai 2023 às 19:56
- Reprodução/ N.Com
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O prefeito de Londrina Marcelo Belinati (PP) culpou o governo do ex-presidente da República Jair Bolsonaro (PL) por não ter comprado o veneno que freia a proliferação do mosquito transmissor da dengue, Aedes aegypti, aplicado pelo carro do fumacê, nome popular da técnica de nebulização espacial. Londrina passa por um surto de dengue, registrando, até então, oito óbitos pela doença.


A acusação do prefeito foi registrada após uma internauta reclamar nas redes sociais a ausência do veículo pelas ruas. A moradora implorou a Belinati a volta do fumacê, pois o seu filho havia quase morrido por conta do vírus. 

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Belinati respondeu que "o veneno do fumacê, por lei, só o governo federal pode comprar (é igual a vacina). E, infelizmente, o governo federal ano passado não comprou o veneno para este ano". Ele ainda escreveu que até tudo estar devidamente regulado, o fumacê será feito por meio da bomba costal, equipamento que aplica o líquido em pequena quantidade.

Leia mais:

Imagem de destaque
Previsão do tempo

Frente fria permanece sobre Londrina e final de semana deve ter temperaturas baixas

Imagem de destaque
Obras de melhoria

Regiões Norte e Leste de Londrina ficam sem água na segunda e na quinta-feira

Imagem de destaque
Formado na UEL

Poeta paranaense lança livro no Sesc Cadeião nesta sexta-feira

Imagem de destaque
Foi sucesso no Lollapalooza

Rapper Rael promove show de voz e violão no Espaço Villa Rica


Assim como Belinati também explicou em seu comentário, o atual governo brasileiro já comprou o veneno que controla o mosquito da dengue. No início de maio, a Sesa (Secretaria Estadual da Saúde do Paraná) publicou que, ainda neste mês, os lotes com o líquido devem ser distribuídos aos municípios.

Publicidade


Londrina, assim como os outros municípios do estado, deve receber um novo tipo de veneno, mais eficaz contra o Aedes aegypti. Trata-se do Fludora Co-Max, que é composto por Flupiradifurone e Transflutrina. As aplicações atuais utilizam o inseticida Cielo. De acordo com a Sesa, os dois produtos (Fludora Co-Max e o Ciele) são adquiridos por meio de compra internacional.


Boletim

Publicidade


Até o dia 9 de maio, data em que o último boletim informativo da Sesa sobre a doença foi publicado, Londrina registrava 9.010 casos confirmados de dengue e oito óbitos. Municípios da região como Cambé e Ibiporã registraram 461 e 916 casos, respectivamente. Ibiporã também anotou três óbitos. 


Em Londrina, conforme a Secretaria Municipal de Saúde, são 14 óbitos pela doença até a última quinta-feira (11). O município acumula 11.634 casos positivos de dengue e 43.570 notificações por suspeita, sendo 5.061 descartadas e 26.875 em análise. 


De acordo com um levantamento feito pela Saúde, as regiões norte e oeste concentram a maior parte dos casos suspeitos de dengue em Londrina. No entanto, todos os bairros estão sujeitos aos surtos da doença. 


*Sob supervisão de Fernanda Circhia

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade