Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Em primeira instância

Justiça condena Lar Anália Franco por maus-tratos a crianças e adolescentes em Londrina

Pedro Marconi - Grupo Folha
31 jan 2022 às 14:00
- Ricardo Chicarelli/Arquivo Folha
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O Lar Anália Franco foi condenado em primeira instância pela Justiça num processo em que é acusado de maus-tratos a crianças e adolescentes que são atendidos pela entidade por meio do serviço de acolhimento institucional do município. A ação proposta pela 22ª Promotoria no ano passado foi aceita integralmente pela 1ª Vara da Infância e Juventude de Londrina na última sexta-feira (28).


O poder judiciário determinou o afastamento definitivo de nove ex-membros da diretoria e ex-funcionários alvos das denúncias; suspensão total do repasse de verbas públicas relativo ao acolhimento; dissolução do lar enquanto entidade de acolhimento; e cassação dos registros nos conselhos municipais da Criança e do Adolescente e de Assistência Social. A juíza Camila Tereza Cardoso ainda manteve a intervenção do município na instituição.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Segundo a promotora Josilaine Aletéia de Andrade, o caso envolvendo o lar foi levado ao MP (Ministério Público) por ex-funcionários. “Diante da denúncia o MP tem o dever constitucional de fiscalizar essas entidades. Nós, com a comissão que acompanha o acolhimento, fizemos uma inspeção in loco para verificar a veracidade das denúncias. Para nossa surpresa houve a confirmação de quase tudo que havia sido denunciado. Depois disso ajuizamos a ação civil pública pedindo apuração”, explicou.

Leia mais:

Imagem de destaque
Desencantou

Londrina faz 2 a 0 no ABC e conquista primeira vitória na Série C

Imagem de destaque
Obituário

Falecimentos dos dias 10 e 11 de maio de 2024 em Londrina e região

Os irmãos Gregório (esq.), Élio (centro) e Custódia em um fim de ano em Criciúma (SC)
Ele pediu ajuda pelo Instagram

Após três dias sem notícia, moradora de Londrina consegue contato com irmão em abrigo no RS

Imagem de destaque
Até a próxima semana

Defesa Civil de Londrina suspende recebimento de doações para o Rio Grande do Sul


A promotora afirmou que durante os relatos as crianças demonstraram “muito sofrimento e dor emocional sobre o que estavam passando dentro da instituição”. “(As crianças relataram) agressões físicas e psicológicas, alimentos vencidos e algumas crianças estavam sendo taxadas de forma pejorativa e reiterada dentro da instituição que deveria acolher e trazer afeto. Ou seja, o principal objetivo da prestação do serviço não estava sendo atendido”, constatou.


Continue lendo na Folha de Londrina.

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade