Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Inquérito instaurado

Moradores da Zona Norte protestam contra morte de seis pessoas em suposto confronto

Guilherme Marconi - Redação Bonde
16 fev 2024 às 17:26
- Divulgação
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade
Moradores do Novo Amparo e Felicidade, na zona norte de Londrina, fecharam parcialmente a Rodovia Carlos João Strass na noite de quinta-feira (15). Segurando cartazes com as frases "Parem de matar na favela" e "Chega de confronto forjado", os moradores prometeram mais protestos com pedidos de Justiça neste fim de semana em Londrina. 


A manifestação é liderada por parentes dos seis homens mortos em suposto confronto com a Polícia Militar no último dia 7 de fevereiro, na rua da Alegria, no bairro Felicidade. 


LEIA TAMBÉM:

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade

Após denúncia de "Tribunal do Crime", seis morrem em confronto com a PM em Londrina

Leia mais:

Imagem de destaque
Para vários gostos

Sábado com Luan Pereira, Fernando & Sorocaba e Malifoo na ExpoLondrina

Imagem de destaque
Prestigie.

Via Rural da ExpoLondrina é um espaço educativo e divertido sobre insetos

Imagem de destaque
Galpão na Fazendinha

Com alimentos saudáveis e sem conservantes, agricultores familiares marcam presença na ExpoLondrina

Imagem de destaque
Briga de engravatados

Após ser chamado de ‘incompetente’ na ExpoLondrina, ministro de Lula reage


Segundo a PM, a situação ocorreu após a corporação receber denúncia de um "Tribunal do Crime" de determinada organização criminosa não informada. As equipes PMs se deslocaram para verificar a situação e, ao chegarem ao endereço, os homens apresentaram resistência, "sendo necessário fazer uso da força necessária e proporcional para conter a iminente e injusta agressão", conforme consta no boletim de ocorrência divulgado pela PM.  

Publicidade


Renata de Oliveira, irmã de um dos homens mortos, de 33 anos, contesta a versão policial e diz que ele foi morto enquanto estava dormindo. Ela classifica a ação como "desproporcional" e argumenta que o irmão ainda estaria com o pé quebrado. "Meu irmão não volta mais, mas queremos e acreditamos na Justiça. Ele nem da cama levantava, estava usando muleta e morreu dormindo. A ação foi uma verdadeira covardia."


Publicidade

Pai de João Victor, 28 anos, um dos mortos no confronto, o auxiliar de serviços gerais João Santos (foto) afirma que nunca houve tribunal do crime e defende a inocência do filho. "A ação foi feita por policiais despreparados. O meu menino trabalhava em um supermercado e foi entregar a compra para eles. Meu menino era inocente de tudo, deram coronhada na cabeça dele. Eu quero saber da Justiça, o caso não pode ficar impune. Só ouviram os policais e não ouviram a família até agora. Queremos que o Ministério Público entre em ação. Não existiu confronto, meu menino nunca relou numa arma", desabafou.


Durante o protesto de quinta-feira, os moradores gritaram palavras de ordem e pediram urgência no uso de câmeras nas fardas dos PM's do Paraná, ferramenta que ainda não é usada durante rondas e operações policiais militares no Estado. A despeito das recomendações do Ministério Público, a Sesp (Secretaria de Segurança Pública) ainda não institui oficialmente o aparato. 


Questionado sobre a investigação da ação policial, o major Élio Boing, comandante do 30º Batalhão da Polícia Militar, informou que foi instaurado inquérito na Justiça Militar. "O caso está com um oficial encarregado e dentro do prazo de 40 dias será finalizado. Após esse período, o documento será remetido para análise do Ministério Público", respondeu.


Imagem
Jovem morre em confronto armado com a Polícia Militar na Zona Norte de Londrina
Um jovem de 26 anos morreu em um confronto armado com a PMPR (Polícia Militar do Paraná) em um fundo de vale no Jardim Maria Celina, na Zona Norte de Londrina, na tarde desta terça-feira (13).
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade