Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
'Modo Avião'

Organização de Londrina comandava esquema bilionário no PR, SP e CE

Micaela Orikasa - Grupo Folha
09 ago 2022 às 17:00
- Divulgação/PF Londrina
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A Polícia Federal, em conjunto com a Receita Federal do Brasil, deflagrou na manhã desta terça-feira (9) a operação “Modo Avião”, cujo objetivo é desmantelar uma organização criminosa instalada em Londrina, voltada à prática do crime de lavagem de dinheiro e importação irregular de produtos eletrônicos. 


Foram cumpridos 56 mandados de busca e apreensão e dois mandados de prisão preventiva nos estados do Paraná, São Paulo e Ceará. Uma pessoa, investigada como um dos coordenadores do esquema, foi presa em uma residência de luxo na região da Gleba Palhano, zona sul de Londrina. O outro suspeito está foragido. 

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Lojas de produtos eletrônicos, especializadas em aparelhos celulares, foram alvo da operação que envolveu 240 policiais federais e 60 servidores da Receita Federal Em Londrina, 13 lojas do Camélodromo,  na região central,  e uma grande loja na zona leste da cidade, tiveram todos os produtos apreendidos no início desta manhã, em um volume de mercadorias que mobilizou dois caminhões da Polícia Federal.  

Leia mais:

Imagem de destaque
Alto número de casos

Londrina pede à Secretaria Estadual de Saúde ampliação do uso do fumacê em quatro regiões

Imagem de destaque
Lances até quinta-feira (29)

Leilão on-line oferece imóveis, veículos e outros itens em Londrina

Imagem de destaque
Carga horária de 48 horas

Oficina de cenografia abre inscrições em Londrina

Imagem de destaque
Almoço bom e barato

Veja o cardápio do Restaurante Popular de Londrina para esta quarta-feira


O delegado de Polícia Federal, Vinícius Faria Zangirolani, responsável pela operação, explicou que os dois mandados de prisão são contra os suspeitos de coordenar todo esquema, desde o fornecimento dos celulares que eram importados ilegalmente do Paraguai, até a lavagem de dinheiro, cooptando contadores que abriam empresas de fachadas na cidade de São Paulo.  


“Essas empresas eram utilizadas para movimentar os valores dos crimes de importação ilegal e de lavagem. A movimentação de todos os envolvidos foi de R$ 1 bilhão e 800 milhões, entre 2019 e 2021. Até o momento, já temos em torno de 15 pessoas identificadas no esquema”, afirma. 


LEIA A MATÉRIA COMPLETA NA FOLHA DE LONDRINA

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade