Pesquisar

Canais

Serviços

Isaac Fontana/Grupo FOLHA
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Suspeita é de ação criminosa

Polícia Civil ouve testemunhas de incêndio que atingiu a garagem da Grande Londrina

Vitor Struck - Grupo Folha
16 nov 2021 às 16:49
Continua depois da publicidade

A Polícia Civil começou a ouvir testemunhas no âmbito do inquérito que apura as causas do incêndio que destruiu 56 ônibus de duas empresas de transporte coletivo de Londrina, no final da tarde desta segunda-feira (15). 

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


A ampla maioria dos ônibus pertencia à TCGL (Transporte Coletivo Grande Londrina), dona do pátio onde ocorreu o incêndio, na Vila Casoni, e cuja fumaça preta pôde ser vista até de outros municípios da região.

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


Na manhã desta terça-feira (16), o delegado Jaime Jose de Sousa, do 5ª Distrito Policial, ouviu o funcionário responsável por cuidar do pátio. 


Já durante a tarde, o primeiro motorista que chegou ao pátio, na Vila Casoni, um manobrista e outros dois funcionários da TCGL também foram ouvidos, e a Polícia ainda busca por imagens dos sistemas de segurança de estabelecimentos da região. 


Em entrevista coletiva realizada após algumas horas, o delegado reafirmou que ainda não era possível confirmar as causas do incêndio. Entretanto, a principal suspeita da polícia é de que o incêndio tenha sido criminoso. 

Continua depois da publicidade


“Vamos ter que buscar, neste momento, principalmente eventuais testemunhas que possam ter presenciado alguma movimentação estranha. Nestas primeiras diligências já realizadas no período da manhã, não foi possível constatar nenhuma movimentação estranha na parte externa, mas ela não está limitada a essas ações ocorridas no período da manhã. Existem sim registros de algumas imagens de alguns estabelecimentos e já está sendo providenciadas estas imagens”, disse.


Embora o incêndio não tenha deixado feridos, dois trabalhadores inalaram bastante fumaça e precisaram ser atendidos pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência). Conforme o delegado, eles passam bem e já estão em casa. 


(Em atualização) 

Continue lendo