Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Rede criminosa

PF faz operação contra grupo que vendia medicamentos falsificados no Paraná

Mariana Brasil - Folhapress
20 jun 2024 às 10:40
- Pixabay
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A Polícia Federal faz, nesta quinta-feira (20) uma operação contra uma rede criminosa que vendia medicamentos falsificados para órgãos públicos.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Crime ocorrido em 2023

Polícia conclui que casal foi morto por engano enquanto dormia em Ponta Grossa

Imagem de destaque
Havia registrado BO

Jovem é encontrada morta com bebês ao lado em Sarandi; marido fugiu do local com arma

Imagem de destaque
Tudo começou por ciúmes

Discussão em chá de bebê termina com homem atirando sete vezes contra carro em Apucarana

Imagem de destaque
Foi denunciado

Homem invade agência bancária pelo telhado, furta itens e acaba preso em Sabáudia

As investigações indicaram que uma empresa vencedora de uma licitação em 2022 para fornecer imunoglobulina ao Hospital Geral de Curitiba estaria envolvida no fornecimento dos medicamentos falsificados. As informações foram fornecidas à PF pela Polícia Civil do Paraná.

Publicidade


Após a apreensão dos produtos, a PF confirmou a falsificação completa dos remédios, desde as caixas, falsamente identificadas, até a sua composição, na qual se constatou a ausência de imunoglobulina, como deveria conter.


A imunoglobulina é um medicamento feito à base de plasma sanguíneo e que pode ser usado no tratamento de diversas doenças, entre elas a Aids e outras imunodeficiências.

Publicidade


De acordo com as investigações, os remédios tinham origem na Bolívia. Os principais suspeitos do crime são dois estrangeiros, sendo um deles estudante de medicina.


O grupo criminoso conseguiu vender aproximadamente R$ 11 milhões em medicamentos falsificados de imunoglobulina para órgãos públicos no estado do Paraná.

Publicidade


No ano de início da operação, a Bayer, uma das empresas farmacêuticas que vende o remédio original, se manifestou sobre o caso por meio de comunicado, em que alertava os clientes sobre a fraude.


"Comunicamos que a Bayer S/A, por meio de reclamação de mercado recebida pelo seu SAC, tomou conhecimento de que o produto Gamimune N.5% está sendo comercializado com sua logomarca, o que trata-se de fraude, uma vez que que referido produto nunca foi produzido, importado, nem tampouco comercializado pela empresa", diz trecho da época.


No momento, estão sendo cumpridos 15 mandados de busca e apreensão e dois mandados de prisão preventiva, além de sequestro de bens, em cidades do Paraná, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia.


Os envolvidos devem responder pelos crimes de associação criminosa, fraude à licitação e falsificação de medicamentos.


Imagem
Regras para o setor de entretenimento em Londrina voltam ao debate na Câmara
A CML (Câmara Municipal de Londrina) sediou nesta quarta-feira (19) uma reunião pública para debater as regras para o setor de entretenimento na cidade.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade