Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Entenda

Nature 'despublica' influente estudo sobre Alzheimer por causa de imagens manipuladas

Phillippe Watanabe - Folhapress
25 jun 2024 às 11:35
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A Nature "despublicou" -o que no universo científico significa que retratou- nesta segunda-feira (24) uma influente pesquisa sobre Alzheimer, inicialmente publicada em 2006. Segundo a revista científica, imagens do estudo apresentavam manipulação excessiva, como corte, duplicação e uso de ferramenta para apagar partes de figuras.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Memória cultural

Em Jacarezinho, escolas rurais são tema de exposição da UENP

Imagem de destaque
Nova pesquisa

Cai número de contratação de diretores de escolas estaduais por indicação

Imagem de destaque
Análise

Impacto negativo do celular nas escolas é evidente, diz ex-diretor da OpenAI

Imagem de destaque
Jornalismo UEL

Estudante de Londrina é selecionada para cobrir Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo

Ser retratado, em linhas gerais, significa que os resultados do trabalho devem ser desconsiderados.
O artigo, dessa forma, torna-se o segundo com mais citações (pouco mais de 2.300) a ser retratado -considerando a contagem até o momento da despublicação-, segundo o site Retraction Watch, que acompanha os movimentos de retratação em revistas. Essa lista está atualizada até 19 de junho, o que faz com que a pesquisa "despublicada" pela Nature ainda não esteja presente.

Publicidade


"Os dados não podem ser verificados nos registros. Consideramos que o curso de ação apropriado é retratar o artigo", diz a Nature, em nota.


A Folha de S.Paulo mostrou, na semana passada, as críticas existentes sobre o estudo, o silêncio de seu primeiro autor, Sylvain Lesné, em relação às acusações, e o movimento de sua autora correspondente, Karen Ashe, que inicialmente defendia que a pesquisa não deveria ser "despublicada", mas que, recentemente, havia afirmado que o paper deveria ter como fim a retratação. Ashe, porém, publicou estudo semelhante, com outros coautores, em outra revista, após refazer os experimentos que levaram aos resultados inicialmente mostrados na Nature.

Publicidade


A Nature afirma, em nota, que Lesné foi o único autor a não concordar com a retratação. Segundo a revista, Austin Yang, outro dos autores, não respondeu às tentativas de contato da Nature.


Ashe, que é professora do Departamento de Neurologia da Universidade de Minnesota (Estados Unidos), havia tornado pública, recentemente, a decisão sobre o pedido de retratação no PubPeer, uma espécie de fórum online para discussões de artigos científicos revisados por pares.

Publicidade


A docente afirmou ter tomado conhecimento das acusações contra o estudo em 2022. Também desde 2022 havia uma nota na página do estudo alertando que havia preocupações com relação a algumas imagens presentes na pesquisa.


O estudo retratado apontava que a A?*56 (leia beta-amilóide estrela 56) exercia um papel relevante na deterioração da memória no Alzheimer, mesmo sem a formação de placas beta-amilóides ou perdas neuronais. Essa proteína também poderia contribuir, segundo o estudo desenvolvido em camundongos, para os déficits cognitivos do Alzheimer.


Isso, consequentemente, colocaria a A?*56 como um potencial alvo terapêutico contra o Alzheimer.


Imagem
Escola municipal de Londrina promove encontro entre diferentes gerações
A convivência e o respeito à diversidade são valores fundamentais de uma escola acolhedora.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade