Pesquisar

Canais

Serviços

Arquivo/COM UEL
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Com 82 pesquisadores de ponta!

Ranking destaca UEL entre universidades mais influentes da América Latina

Redação Bonde com Agência UEL
05 out 2021 às 17:51
Continua depois da publicidade

A UEL (Universidade Estadual de Londrina) tem 82 pesquisadores entre os mais influentes em suas áreas na América Latina, de acordo com o ranking AD Scientific Index 2021, divulgado no início de outubro, uma iniciativa dos professores Alper Murat (da Saglık Bilimleri Üniversitesi) e Doger Cihan (da Ankara Sehir Hastanesi), ambas localizadas na Turquia, a partir de valores, pontuações e citações no Google Scholar. 

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


A Universidade Estadual de Londrina aparece na 23ª posição entre 453 Instituições de Ensino Superior avaliadas em 12 países. O levantamento apontou 10 mil cientistas latino-americanos, considerados de excelência, a partir da produtividade. 

Continua depois da publicidade


A lista considerou autores de pesquisa com perfil público e email institucional cadastrados. Segundo o reitor em exercício da UEL, professor Décio Sabbatini Barbosa, o bom resultado em mais este ranking significa que, mesmo diante de tantas adversidades no meio científico, em particular na UEL, onde há falta de recursos humanos e de investimentos robustos em pesquisa em nível nacional, é possível atingir a excelência científica.


“Isto se deve aos nossos professores e pesquisadores e à abnegação de nossos agentes universitários e alunos. E isso é motivo de um grande orgulho para todos nós da comunidade universitária”, avaliou. De acordo com o reitor em exercício, o Google Scholar ou Google acadêmico, critério utilizado no levantamento, é um buscador de informações científicas que permite que a produção científica possa ser comparada pelos demais pesquisadores de várias áreas, o que representa um filtro criterioso. 

Continua depois da publicidade


“Quanto mais um artigo é citado no Brasil ou no mundo, maior a importância para a comunidade científica, pois denota a qualidade do mesmo. É uma demonstração do reconhecimento pelo que foi publicado, pelo seu valor científico e acadêmico”, completa.


Metodologia – Para o Pró-reitor de Pesquisa e Pós-graduação da UEL, professor Amauri Alfieri, trata-se de um ranking novo que apresenta pesquisadores com bom volume de citação no Google Acadêmico. 


Segundo o Alfieri, o ranking considera basicamente as citações dos trabalhos e tenta corrigir distorções agrupando três grandes parâmetros que é o número total de citações, fator H (carreira inteira) e o índice que se refere aos últimos cinco anos, além de outros nove indicadores. 


Para o professor trata-se de uma metodologia complexa que avalia o pesquisador e os agrupa juntamente à Instituição e ao país de origem.


“A presença da UEL nesta lista a frente de Universidades mais antigas e de maior porte demonstra a característica de uma Instituição que faz questão de manter o Ensino, a Pesquisa e a Extensão sempre aliados. É um volume de pesquisa relevante, que mostra a nossa participação no desenvolvimento tecnológico e de inovação na nossa região, trazendo impactos para todo o Estado”, definiu o pró-reitor.


Quanto às áreas de atuação, Alfieri destaca que as citações da Universidade ocorreram nas áreas de Agrárias, Biológicas, Saúde, Ciências Exatas e da Terra, Engenharias, Sociais Aplicadas, Humanas e Linguística e Artes.


Posição de Destaque - Entre as 30 Universidades melhores pontuadas, 25 são brasileiras e apenas três paranaenses. Além da UEL, a UFPR (Universidade Federal do Paraná) e a UEM (Universidade Estadual de Maringá) também aparecem no ranking nas posições 15 e 18, respectivamente. 


A USP (Universidade de São Paulo) aparece na primeira colocação, com 2.134 pesquisadores citados, seguida pela Unesp (572 pesquisadores ranqueados) e Unicamp (556).


Dos 10 mil principais cientistas dos países membros do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), o Brasil figura na segunda colocação, com 3.192 pesquisadores, atrás somente da China, com 3.908. Em seguida, estão na lista: Índia (2.023), África do Sul (522) e Rússia (355).

Continue lendo