Pesquisar

Canais

Serviços

Saiba mais

Londrinenses fazem história no Troféu Brasil de Atletismo

Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
11 jul 2023 às 09:15
- Wagner Carmo/CBAt
Publicidade
Publicidade

Tatiane Raquel Silva alcançou a 10ª vitória nos 3000 metros com obstáculos e Livia Avancini assegurou a 8ª medalha consecutiva na competição


Duas londrinenses fizeram história no Troféu Brasil de atletismo disputado no último final de semana, em Cuiabá (MT). Tatiane Raquel Silva, 33, venceu pela 10ª vez na carreira a prova dos 3000 metros com obstáculos da maior competição da modalidade da América Latina. E Livia Avancini, 31, foi medalha de prata no arremesso do peso e subiu ao pódio pela 8ª vez consecutiva na competição.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


“Para mim, o Troféu Brasil é uma competição especial. Me recordo das primeiras participações e cada uma tem uma experiência que me fez crescer muito como atleta. E poder atingir essa marca de 10 vitórias é algo que orgulha muito, pois sempre teve muita entrega, determinação e trabalho. Ter meu nome marcado na história dessa competição tão grande é algo especial”, destaca Silva.

Leia mais:

Imagem de destaque
Tinha câncer

Morre O.J. Simpson, ex-jogador de futebol americano, aos 76 anos

Imagem de destaque
Excelente campanha em 2023

Londrina Futsal estreia em casa neste sábado contra o Pato Branco na Liga Feminina 2024

Imagem de destaque
Será em novembro

GP do Brasil tem ingressos vips esgotados 7 meses antes da corrida

Imagem de destaque
Hipismo

Competidor de Curitiba vence a categoria principal das provas de salto na ExpoLondrina


Mesmo diante do calor e ainda em readaptação por conta do fuso-horário, ela fez uma prova segura e garantiu o ouro com o tempo de 9min45seg48. “Fiz uma prova tática porque o calor impediria uma tentativa de recorde. Me senti um pouco cansada, precisei dormir à tarde, ainda reflexo da mudança do fuso-horário”, conta a corredora, que retornou ao país dias antes o Troféu Brasil depois de curta temporada na Europa, onde disputou quatro meetings internacionais e uma etapa da Diamond League.

Publicidade


A vitória em Cuiabá classifica Silva para representar o Brasil no Campeonato Sul-Americano, que será disputado de 28 a 30 de julho, no Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa, em São Paulo. Ela é a atual campeã continental e busca índice para o Mundial, marcado para o mês que vem, em Budapeste, na Hungria.


Silva é a recordista do Troféu Brasil, com 9min39seg66, e brasileira e sul-americana, com 9min24seg38. A londrinense representou o Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio-2021 e no Mundial do Oregon-2022.

Publicidade


Segunda colocada no arremesso do peso, marcando 17,22 metros, Avancini celebra a conquista da oitava medalha consecutiva na competição nacional. “Resultado importante, consegui melhorar a marca, e atingir essa marca importante para minha carreira. É a maior competição da América Latina, nível sempre muito alto e isso me deixa satisfeita. Agora é partir em busca de objetivos maiores”, pontua a arremessadora.


Aos 31 anos, a londrinense que ficou muito perto de ir aos Jogos de Tóquio, há dois anos, segue na corrida olímpica. A meta agora é buscar vagas para o Sul-Americano e Mundial.


Tábata Vitorino, nome importante nos 400 metros rasos, assegurou a medalha de prata numa prova bastante disputada. Assim como Avancini, também tem chances de ser chamada para disputar o Sul-Americano com a seleção brasileira e buscar vaga para o Mundial da Hungria.


Atual campeã brasileira sub-18 e sub-20, Júlia Ribeiro (Rimar) foi a quinta colocada na final dos 400 metros, com direito a melhor marca da carreira: 53seg89. Outra jovem da equipe londrinense escalada para o Troféu Brasil foi Gabriela Tardivo. A atleta da categoria sub-20 terminou a prova dos 3000 metros com obstáculos na quinta colocação, com o tempo de 10min50seg87. Ela é treinada por Cristiano Ribeiro.


Imagem
Na zona de rebaixamento, Londrina EC é o time com mais derrotas na Série B
O LEC, inclusive, é a equipe com mais derrotas no campeonato. Até o lanterna, ABC, tem menos resultados ruins que o Alviceleste, porém, leva a pior quando o assunto é quantidade de vitórias.
Publicidade
Publicidade

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade