25/02/21
PUBLICIDADE
Veja os dados

2020 terminou como o ano mais quente e seco da história de Londrina

Marcos Zanutto/Arquivo Folha
Marcos Zanutto/Arquivo Folha


O ano de 2020 certamente foi atípico em muitos aspectos. Além da pandemia, que alterou a rotina de milhões de pessoas e tirou milhares de vidas, o clima também não foi exatamente "agradável". Segundo os dados apurados pela estação regional do IDR-PR (Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná, antigo Iapar), Londrina teve o ano mais quente e mais seco de sua história.


Em termos de chuva, a expectativa era de que chovessem 1639 mm em todo o ano de 2020. Esse é o valor da média histórica, calculada com base na quantidade de precipitações de cada mês nos últimos anos em Londrina. Embora algumas variações sejam consideradas normais - chover um pouco a mais ou um pouco a menos do que o esperado - em 2020 as precipitações na cidade ficaram 40% abaixo da média. Foram registrados, em doze meses, apenas 971 mm.

Como relembra a agrometeorologista e pesquisadora Heverly Morais, antes de 2020, o ano mais seco havia sido 1985, quando choveram 1153 mm em Londrina.

Os meses mais secos do ano foram julho e setembro, nos quais choveram 8 e 12,2 mm. Nos registros do IDR-PR, deveria ter chovido 71 e 115 mm nesses períodos, respectivamente. Em termos percentuais, julho teve apenas 11% da chuva esperada.

Também foi em 2020 que Londrina teve a maior onda de calor da sua história. Entre o final de setembro e o começo de outubro, foram 13 dias de altas temperaturas. A cidade bateu seu recorde de calor no dia 6 de outubro, registrando 40ºC. Contudo, dependendo da região da cidade, a sensação de calor foi ainda maior. No dia 1º de outubro, um termômetro na avenida Tiradentes, no centro da cidade, chegou a registrar 43ºC durante a tarde.

Relembre no Bonde: Londrina bate oficialmente os 40º nesta terça, segundo o Iapar

Segundo Morais, "normalmente baixas precipitações e altas temperaturas estão associadas entre si, pois a chuva e a nebulosidade são os principais fatores que provocam redução da temperatura". Não à toa, antes de 2020, também era de 1985 o recorde de temperatura da cidade: 39,2ºC.

Além do calorão, a média das temperaturas máximas de 2020 também foi mais alta. O resultado do cálculo é 28,9ºC - 1,6ºC a mais do que os registros históricos da cidade. Embora em termos numéricos possa parecer um valor baixo, não é. "Esse acréscimo na temperatura observada em 2020 é considerado um valor muito elevado, por se tratar da média das temperaturas máximas de todos os dias do ano", pontua.

*Sob supervisão de Larissa Ayumi Sato.
Isabella Alonso Panho* - estagiária
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Efeitos da pandemia

Empresários protestam por reparações de prejuízos causados por fechamentos

24 FEV 2021 às 18h55
Norte Pioneiro

Homem é detido em casa com plantação de maconha em Ribeirão do Pinhal

24 FEV 2021 às 17h29
Tesouro Nacional

Dívida pública sobe em janeiro e atinge R$ 5,06 trilhões

24 FEV 2021 às 15h43
Sanepar informa

Bairros de Londrina e Cambé terão abastecimento de água interrompido no próximo domingo (28)

24 FEV 2021 às 14h20
Oportunidades

Cooperativa de Cambé abre 40 vagas para auxiliar de produção

24 FEV 2021 às 14h05
Salmão lidera ranking

Maringá: Procon identifica diferença de até 158% em preço de pescados

24 FEV 2021 às 12h15
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados