27/05/20
33º/20ºLONDRINA
|
Estelionato virtual

Saiba como funciona o golpe da clonagem de celular

Além do golpe de clonagem do aplicativo WhatsApp, que foi recentemente tratado pelo Bonde, tem surgido outra modalidade de estelionato virtual: a clonagem de celular.

Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Marcello Casal Jr./Agência <a href='/tags/brasil/' rel='noreferrer' target='_blank'>Brasil</a>


LEIA MAIS
Denúncias de golpe do WhatsApp clonado chegam a três por semana em Londrina
Confira truques para visualizar mensagens no WhatsApp sem que ninguém saiba
Saiba quem são os criminosos que aplicam golpes em Londrina
Quais são os golpes mais comuns em Londrina?

Nesse tipo de estelionato, o criminoso consegue transferir a linha da vítima para si e, por consequência, acessar todos os dados, aplicativos, e-mails e até contas bancárias que estejam cadastrados no chip. É possível também usar o WhatsApp da pessoa.

O golpe acontece da seguinte maneira: a vítima está usando seu celular normalmente quando, sem qualquer explicação, ele para de funcionar e ela perde acesso à linha e aos seus aplicativos.

Isso acontece porque o criminoso vai pessoalmente a uma loja da operadora de comunicações e, utilizando-se de uma identidade falsa, passa por outra pessoa, inventa uma história para o funcionário e consegue transferir a linha da vítima para si mesmo.

Em posse da linha da pessoa no seu chip, o estelionatário consegue acessar não só o WhatsApp, mas todo o conteúdo que a vítima tenha salvo no seu chip, acessando redes sociais, e-mails e até mesmo aplicativos de bancos.

Como esclarece o delegado Edgard Soriani, responsável pelo 1º Distrito Policial de Londrina, que apura crimes de estelionato, nesse tipo de golpe, a empresa que faz a transferência também é responsável por não adotar medidas mínimas de cuidado e proteção ao consumidor dos seus serviços. Segundo Soriani, se "uma empresa de telecomunicações não tem ao menos um banco de dados para guardar os documentos [do estelionatário], tem que ser responsabilizada à altura”.

Contudo, é um tipo de golpe mais fácil de ser apurado do que a clonagem do WhatsApp porque o criminoso tem que ir pessoalmente à loja da empresa de telecomunicações, o que deixa um "rastro” para a investigação.

Em 2020, foram registrados 4 golpes dessa modalidade no 1º Distrito Policial de Londrina.

*Sob supervisão de Larissa Ayumi Sato.
Isabella Alonso Panho - Estagiária*
Continue lendo
A partir desta quarta
Paraná proíbe pesca durante crise hídrica
27/05/2020 17:10
Voos internacionais
Saiba quais países têm voos que partem do Brasil e quem pode ir para esses lugares
27/05/2020 16:42
Região oeste
Prefeitura conclui revitalização do Jardim Bandeirantes
27/05/2020 15:55
Isolamento social
Covid-19: mais de 60% estão estressados com o trabalho em casa
27/05/2020 15:24
Ex-ministro da Saúde
Comissão de ética determina 'quarentena' remunerada de seis meses a Mandetta
27/05/2020 15:11
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados