Pesquisar

Canais

Serviços

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

Muito além dos olhos

02 set 2003 às 14:25
Continua depois da publicidade

A foto a seguir foi uma delas. Vire-a de cabeça para baixo, antes de ler o texto.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

Uma poça d’água é uma banal, inconveniente e inútil poça d’água mas, para alguém, ela transformou-se num espelho que permitiu-lhe fazer arte sob uma perspectiva inovadora.

Continua depois da publicidade


Da mesma forma, um dia na história da humanidade uma forma circular foi transformada em uma roda, uma pedra tornou-se uma ferramenta e a água, descobriu-se, era uma inesgotável fonte de energia.


Em resumo: ao contrário do que parece, tudo o que de relevante existe está descaradamente disponível aos nossos sentidos. Para todos nós. O paradoxo é: poucos são os que vêem. O fato é que a (grande) maioria das pessoas é cega para as coisas profundas e verdadeiramente valiosas da vida.


Mas afinal, porque alguns conseguem enxergar o nuance de um reflexo em uma poça d’água enquanto outros não conseguem ver nem um elefante cor-de-rosa que passa em frente ao seu nariz?

Continua depois da publicidade


Um princípio do Budismo nos dá parte dessa resposta: o mundo real é uma projeção da nossa mente e, portanto, só conseguiremos enxergar no mundo exterior aquilo que possuímos dentro de nós mesmos. Vale concluir que só conseguiremos ‘ver’ a imagem refletida em uma poça d’água se as nossas, digamos, "antenas" estiverem voltadas para o mundo.


O Diferencial


E o que acontece com a imensa maioria das pessoas? Na exata medida em que transformam-se em seres rasos, pelo egoísmo, pela ignorância, pela presunção, etc., diminuem o seu alcance e voltam mais e mais a direção das suas antenas para si próprios. E aí só compreendem o mundo até o seu próprio limite individual, que é muito curto. E não conseguem mais "enxergar", "escutar" o mundo. "Ver" uma poça d’água.


É a isso que comumente chamamos de sensibilidade. E este é um talento, vale dizer, nascemos (ou não) com ele. Mas não recebemos este presente totalmente pronto e acabado, isto é, também depende de cada um de nós "desenvolver" a sensibilidade que recebemos. Se a exercitamos. Da mesma forma criamos músculos, se os exercitamos. Músculos dependem também do alimento. A sensibilidade não é diferente: é um exercício permanente cujos únicos alimentos são a nossa vontade e o nosso ideal humanístico.


Sensibilidade, capacidade de conclusão, de percepção, enfim. No final das contas esse é o fator a diferenciar as pessoas. Por outros caminhos, diversas são as ciências humanas que demonstram esse fato; na filosofia, o existencialismo não é mais do que a consagração da nossa capacidade de, diante dos fatos, concluirmos como quisermos. Na psicologia, o exame psicotécnico não é nada menos que um método (competente por sinal) que procura demonstrar a nossa capacidade de conclusão diante de determinadas situações. Mesmo na religião (na sociologia, ou no direito, se assim preferirmos) o princípio do livre-arbítrio não é menos do que a exaltação da liberdade individual em concluirmos quais devem ser os nossos próprios caminhos.


Também, o momento dessa foto nos leva a confirmar a grande verdade contida em um dos princípios basilares do Induísmo, o princípio da Impermanência; para o bem ou para o mal, nada é para sempre. Tudo é efêmero. Tudo se desfaz, às vezes tão rapidamente... como uma poça d’água...

E.T.: Algumas perguntas que ficam: podemos, simbolicamente, ver a imagem refletida naquele instante como uma outra dimensão, paralela e sincronizada com a imagem da nossa dimensão, digamos, "real". O que é ilusório? Qual é a imagem real daquele instante? Como "os outros" nos vêem quando poças d’água formam-se a nos mostrar?


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade