Pesquisar

Canais

Serviços

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

Arena conta o futebol

25 set 2003 às 10:59
Continua depois da publicidade

Olá, amigos do esporte! Na década de 60, ficou famoso no Brasil o Teatro de Arena, movimento fomentado por José Renato, Sérgio Cardoso e Glauce Rocha, que formou atores e diretores como Augusto Boal, Gianfrancesco Guarnieri, Oduvaldo Viana Filho, Dina Sfat, Paulo José, Flávio Migliacio, entre outros.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

Em pleno início de ditadura militar, buscava recuperar fatos da história brasileira ''aplicados'' à época. Assim nasceram os espetáculos ''Arena Conta Zumbi'', com música de Edu Lobo e letra de Vinícius de Moraes, e ''Arena Conta Tiradentes'', entre outros, que se tornaram bastante populares.

Continua depois da publicidade


Este tipo de teatro trouxe inovações na forma de encenação e no espaço cênico. Uma delas, por exemplo, era inexistência de um ator principal, os atores eram coringas e desempenhavam mais de um papel. O Teatro de Arena também tinha uma estrutura circular e aproximava palco e platéia, era esse um de seus efeitos mais fortes.


Findo na década de 70, tem como espécie de ''descendente'' o Teatro Oficina, que existe até hoje, comandado por Zé Celso Martinez Correa, em São Paulo, e que atualmente está montando a versão teatral do clássico da literatura brasileira, ''Os Sertões'', de Euclides da Cunha.


A palavra Arena, também nos anos 60, definiu um partido político que, junto com o MDB eram os dois únicos permitidos, mas disso é melhor nem lembrar. Agora, a palavra Arena ressurge com força em outra área, o futebol. Designa um direito conquistado pelos jogadores que devem receber parte do que os clubes comercializam com a venda das transmissões esportivas para as redes de televisão.

Continua depois da publicidade


Significa que os atletas são os atores e autores do espetáculo e que por isso têm que ser pagos como uma espécie de direito autoral sobre a obra que criam sobre o campo, que é o seu palco, a cada jogo.


A lei estipula que aos jogadores cabe 20% do total da negociação entre clubes e televisões. Acontece que em acordos feitos com alguns sindicatos de jogadores, os clubes passaram a repassar apenas 5%. Agora, está entrando no palco um procurador do Ministério Público do Trabalho, no Paraná, que deverá desempenhar um importante papel nesta história.


Provocado pelo Sindicato dos Atletas Profissionais do Paraná e pelo Sindicatos do Atletas Profissionais de Futebol de Curitiba, o procurador Luercy Lino Lopes fez um longo estudo sobre o Direito de Arena. Na terça-feira passada, em Curitiba, colocou na mesma mesa representantes do Coritiba, Atlético e Paraná Clube, além de sindicalistas, para debater a questão.


Na audiência, o procurador pediu esclarecimentos sobre o que foi pago aos jogadores e fez algumas exigências. Quer, por exemplo, que os clubes recolham tributos sobre essa forma de pagamento, quer a transparência nestes recolhimentos e por isso requer que os clubes façam esses pagamentos diretamente aos jogadores, nos holerites, e não mais com a intermediação de sindicatos, que ficavam com 0,5% como ''taxa de administração''.


Ainda não está decidido, mas a Justiça está a um passo de exigir que os clubes paguem a diferença do que recolheram, considerando-se nulos os acordos com os sindicatos que prejudicaram os jogadores. Se for confirmada, a decisão do Ministério Público do Paraná deve ser estendida a todo o País.

Ah, sim, o próximo clube a ter que se entender com o procurador Luercy Lino Lopes deve ser o Londrina.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade