Pesquisar

Canais

Serviços

Unsplash
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
@antiquariocafe

Empreendedora trans criou antiquário-café e emprega LGBTQIA+ em SP

31 dez 2021 às 09:41
Continua depois da publicidade

Criar um antiquário bem organizado que fosse também um espaço acolhedor para os clientes. Esse era o objetivo da empreendedora ​trans Ana Paula Tavares, 36, ao fundar o Antiquário Bar e Café (@antiquariocafe) em São Paulo. O que começou como um negócio familiar, hoje, emprega outros profissionais LGBTQIA+ entre seus funcionários.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


A história é tema do vigésimo quarto episódio da série Negócios Plurais, sobre empreendedorismo e diversidade, realizada pela Folha em parceria com o Instagram. Toda semana, o jornal publica em seu perfil na rede social relatos em vídeo de empreendedores de todas as regiões do país e a história de Ana Paula marca o último episódio da série.

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


Formada em Design de Interiores, Ana Paula começou sua carreira trabalhando com restauração de obras de arte, desde objetos e quadros pequenos até fachadas de prédios antigos. Por isso, ela passou a frequentar locais como brechós e antiquários.


"Quando eu ia em um antiquário, eu começava a espirrar, saía de lá com a mão preta e sem lavar, porque não tinha uma pia para lavar as mãos. Geralmente, as peças não estavam catalogadas e não tinham preço", relata.


Após visitar tantos locais assim, segundo Ana Paula, o pensamento de que eles poderiam ser diferentes passou a falar mais alto. O objetivo para a inauguração do Antiquário Bar e Café, então, foi trazer um espaço novo, onde tudo estaria catalogado e os clientes seriam bem recebidos.

Continua depois da publicidade


Localizado na Vila Mariana, zona sul da capital paulista, o antiquário foi inaugurado em março de 2019. No começo ela teve ajuda da mãe e do irmão mais novo, que trabalhavam no local em extensas jornadas de trabalho. Hoje, são oito funcionários fixos contratados.


A empreendedora conta que sua transição de gênero aconteceu gradualmente, já que desde criança se considerava diferente. Dos 14 aos 16 anos, Ana diz ter deixado o cabelo crescer e passado a usar roupas com as quais se identificava mais, como shorts curtos e vestidos. "Fui gostando, me entendendo e vi que aquilo era necessário para mim", relata.


Natural de Fortaleza (CE), Ana Paula se mudou para São Paulo em 2007. Após alguns anos de acompanhamento médico e psicológico, resolveu tomar mais um passo na transição. "Precisava fazer uma cirurgia de readequação sexual para ser feliz por completo", conta. "Hoje em dia, sou uma mulher realizada e muito feliz."

Continue lendo