Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Após 3 meses do acidente

Filha e ex-mulher de músico morto em ônibus de Conrado e Aleksandro reclamam de falta de amparo

Bruno Souza - Estagiário*
10 ago 2022 às 19:00
- Reprodução/ Instagram
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Três meses após o acidente com o ônibus da dupla Conrado e Aleksandro, que matou seis pessoas - entre elas o primeira voz Aleksandro - e deixou 11 feridos, a esposa de um dos músicos da banda expõe as consequências da tragédia, além da falta de amparo da empresa que geria a dupla.


A londrinense Josiane Avancini foi companheira por cinco anos de Roger Aleixo Calcagnoto, baterista da dupla sertaneja por cerca de três meses. Juntos, realizaram o sonho de ter uma filha, hoje com seis anos. No entanto, o acidente, ocorrido no dia 7 de maio, causou sequelas irreparáveis tanto na filha, quanto na ex-esposa de Roger, responsável pela criança. Agora, Josiane busca na justiça o direito de amenizar os impactos do acidente em sua filha, que passa por problemas psicológicos devido à ausência do pai.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Acidente

Leia mais:

Imagem de destaque
Arena estava lotada

Chuva não impediu Ana Castela de brilhar em show no último dia de ExpoLondrina

Imagem de destaque
Salários atrativos

Candidatos fazem prova de concurso público estadual em Londrina

Imagem de destaque
Tempo fechado

ExpoLondrina: frequentadores usam bota, chapéu e guarda-chuva para curtir o último dia

Imagem de destaque
Para começar a semana

Confira o cardápio do Restaurante Popular de Londrina para esta segunda-feira


O acidente que matou Roger Calcagnoto e mais cinco pessoas ocorreu enquanto a banda se dirigia para mais um show. O motorista do ônibus perdeu o controle na rodovia Régis Bittencourt, na altura de Miracatu (SP), saindo da pista e tombando no canteiro central. A criminalística apontou que a causa do acidente foi a explosão de um dos pneus do veículo. O laudo também diz que o ônibus trafegava em alta velocidade


As vítimas da tragédia foram Wisley Aliston Roberto Novais (músico), Marzio Allan Anibal (músico), Giovani Gabriel Lopes dos Santos (roadie/técnico), Gabriel Fukuda (técnico de luz), Aleksandro (cantor) e Roger, baterista e ex-marido de Josiane.

Publicidade


A notícia


Josiane conta que a notícia da morte de Roger foi um dos piores momentos de sua vida. Ela diz que havia conversado com ele no dia anterior ao acidente e que ficou sabendo da informação por grupos em redes sociais.

Publicidade


"Lembro como se fosse hoje. Estava trabalhando e, quando parei para almoçar, vi os grupos compartilhando. Liguei desesperadamente para a mãe e irmã dele [Roger], e elas não sabiam de nada. Eu fui ligando para os amigos próximos, e ninguém sabia me informar. Aí eu vi pela televisão quando anunciaram a morte do Aleksandro. Eu fiquei muito apavorada, e a minha filha estava com a vó. Depois de um tempo, um amigo retornou a ligação, anunciando que o Roger tinha falecido", relembra.


A manicure afirma ter ficado em choque com a notícia. A sua maior preocupação era falar sobre o assunto com a sua filha. "Eu, como mãe da filha dele e amiga, entrei em choque porque não sabia como contar. Como vou chegar em casa de noite e falar para ela que ele não está? Ainda mais que ele tinha falado que ia chegar no domingo para fazer almoço para eles [familiares]. Eu fui ver a mãe dele e dar o apoio à família", conta.

Publicidade


Traumas e dificuldades


A ex-esposa de Roger diz que não esperou para contar à filha sobre a morte do pai, mesmo temendo a reação dela. "Eu sentei e ela já disse 'é, o papai sofreu acidente, machucou a perna e já tá bem, né?', aí eu pedi muito para Deus me ajudar a lidar com a situação. E eu conversei com ela e expliquei. Ela entrou em estado de choque, chorou e gritou. Eu dei um remédio para ela, um calmante natural. Ela não acreditou e ficou questionando 'por que Deus tirou ele dela?', 'por que logo o pai dela?', 'por que Deus deu esse sofrimento pra ela?' e, de lá para cá, são todos os dias", lamenta.

Publicidade


Josiane ainda diz que, nesses três meses, não conseguiu dormir e nem dar continuidade à vida, devido aos choros constantes e questionamentos da filha. "Na mesma hora que eu acho que ela tá bem, ela desmonta. Está com muita dificuldade. As aulas dela voltaram na semana passada, e ela foi só um dia. Não consegue ir, pelo medo de eu sair e não voltar mais".


Devido aos problemas desenvolvidos pela filha, a manicure teve que pedir demissão do salão de beleza em que trabalhava. Após isso, a situação só piorou. Josiane conta que passou necessidades e, se não tivesse a ajuda de sua mãe, até passaria fome. “Eu pago aluguel, tenho que bancar um apartamento. Se eu não for trabalhar, não tenho dinheiro. Está tudo atrasado. Com relação a alimento, é a minha mãe quem está me ajudando, tirando da boca dela”.

Publicidade


O maior problema enfrentado, segundo Josiane, é o estado psicológico em que sua filha se encontra. “Já passou da hora de ela ter um psicólogo. O Dr. Eduardo [advogado] pediu várias vezes para eles ajudarem pelo menos com isso. A minha filha parece que não existe para eles. O Roger morreu trabalhando para eles. Não é justo eles virarem as costas sabendo que tem uma menina de seis anos que precisa de ajuda”, relata.


Auxílio e processo

Publicidade


Mesmo afirmando que ninguém da banda ligou para perguntar sobre a situação financeira e emocional dela e da filha nesses três meses, Josiane diz que recebeu, no mês de junho, um auxílio de R$ 3 mil, mas que não teve continuidade.


De acordo com o advogado Eduardo Barbosa, em uma reunião entre a empresa e os familiares das vítimas, acompanhados dos respectivos advogados, foi informado que, inicialmente, o seguro da banda pagaria o valor de R$ 100 mil a cada família. No entanto, um tempo depois, o advogado da banda anunciou que nada mais pagaria, colocando a responsabilidade na concessionária do veículo.


O advogado ainda afirma estar recolhendo elementos para ajuizar a ação e diz que o caso requer, sem dúvidas, indenizações. “Vai ser uma ação de indenização por danos materiais e morais, porque o Roger morreu trabalhando e a sua filha tem direito a dois terços do salário até a expectativa de vida dele. E também o dano moral, pois uma menina de seis anos não vai ter mais a convivência com o pai”, explica. Segundo ele, o fato do baterista não estar com carteira assinada não atenua a responsabilidade da empresa.


Eduardo Barbosa também destacou a falta de sensibilidade por parte dos advogados da banda em se recusarem a pagar o tratamento psicológico da criança. “Pedimos extrajudicialmente, mas não houve a menor sensibilidade por parte da empresa e seus advogados. Uma criança de seis anos chorando, dia e noite, chamando pelo pai, pedindo um tratamento psicológico que foi negado, isso demonstra a desumanidade dessas pessoas”, encerra.


Versão da empresa


Em nota, a assessoria da Singular Produções Artísticas, escritório que gerenciava a carreira de Conrado e Aleksandro, “esclarece que, após o acidente com o ônibus da dupla, ofereceu auxílio financeiro e psicológico solicitado e necessário às vítimas e aos familiares das vítimas fatais, até que fosse iniciado os procedimentos de solicitação de indenização junto à seguradora”.


A nota ainda diz que “o ônibus em que Conrado e Aleksandro viajavam com a equipe e se envolveu no acidente tinha seguro total, garantindo indenizações às vítimas e beneficiários em caso de acidente. E, após o ocorrido, o escritório da dupla deu todo o auxílio e orientações aos envolvidos nesse contato com a empresa responsável, no que se refere ao pedido de indenização e recebimento dos valores”.


A empresa afirma “se solidarizar com as famílias que perderam seus entes queridos, perdas que também são muito sentidas por todos, e tem procurado ajudar, como foi o caso do auxílio financeiro repassado a todos como forma de apoiar até que recebam o seguro".


Sobre o seguro de vida e o vínculo empregatício de Roger, a nota diz que "os trâmites são necessários, e a Singular Produções tem acompanhado de perto o trabalho da seguradora, que é responsável pelo pagamento de indenização às vítimas e beneficiários, sendo que três famílias das vítimas fatais já receberam o seguro, e que a liberação das indenizações dos demais casos se encontram em andamento junto à seguradora. Sobre vínculo empregatício, os músicos e demais integrantes da equipe de Conrado e Aleksandro na ocasião trabalhavam como freelancers, pois a dupla ainda não havia retomado à média comum de shows, pós-pandemia. Mas, com o aumento da agenda de compromissos, a partir de maio, havia a intenção de todos serem registrados novamente”.


Questionada sobre a nota, Josiane afirmou categoricamente que o texto não reflete totalmente a verdade. Outros familiares de vítimas fatais do acidente foram procurados, mas não quiseram falar sobre o assunto.


*Sob supervisão de Fernanda Circhia


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade