02/04/20
32º/19ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Lucio Flávio
Lucio Flávio
29/01/2020 - 20:43
Imprimir Comunicar erro mais opções
O Londrina fez a sua melhor apresentação no Paranaense e se reabilitou em grande estilo da goleada sofrida diante do Athletico. Os 3 a 1 sobre o Toledo, no estádio 14 de Dezembro, recuperam a confiança do time, que chega cheio de moral para o confronto contra o Coritiba, no domingo.

Os três atacantes se destacaram na terceira vitória alviceleste no Estadual. Marcelinho foi o melhor em campo e fez o primeiro gol logos aos 20 segundos. Uelber não brilhou, mas novamente foi importante taticamente e ainda fez o segundo gol.

Já Miullen não deixou a sua marca porque faltou capricho dele em dois lances claros no segundo tempo. Mas fez ótimo primeiro tempo e teve participação fundamental nos dois primeiros gols.

Gustavo Oliveira/Londrina Esporte Clube
Gustavo Oliveira/Londrina Esporte Clube - Marcelinho fez o primeiro gol do LEC e foi um dos destaques em Toledo
Marcelinho fez o primeiro gol do LEC e foi um dos destaques em Toledo


Alemão mudou o time em três posições - uma por obrigação e duas por opção. Willian Correia, Igor Miranda e Anderson Carvalho não decepcionaram e mostraram que são boas opções neste momento da temporada.

O Londrina controlou bem a partida após fazer o terceiro gol logo no começo do segundo tempo com o zagueiro Augusto. Teve chances, inclusive, para ampliar no contra-ataque.

Apesar da vitória ter sido justa e merecida, o LEC passou sufoco nos 20 minutos finais, quando Alemão optou por colocar um terceiro zagueiro - o garoto Zé Pedro.

O Toledo cresceu, pressionou e teve chances até de empatar. Matheus Albino brilhou com três defesas e ainda viu uma bola explodir na trave no final. A sorte, muitas vezes, caminha junto com a competência.

A vitória já em sim é importante pelos pontos na tabela, mas neste caso vale muito mais do que isso, além de quebrar um tabu de quatro anos sem vencer o Toledo. Mostra que a goleada na Arena pode ter sido um tropeço no caminho, traz de volta a confiança ao elenco e ao treinador e enche de moral o time para pegar o Coxa.
27/01/2020 - 15:19
Imprimir Comunicar erro mais opções
O Londrina pode ser o seu grande inimigo e tornar o difícil ano de 2020 ainda mais complicado. Em uma temporada de pouco recursos, de uma ausência de série B e de fim de contrato com a gestora, o clube parece remar para lados opostos.

Enquanto a nova diretoria executiva abriu as portas para o parceiro e se dispôs, inclusive financeiramente, a ajudar na manutenção da equipe, a gestora parece que insiste com a queda de braço com a cidade e com o torcedor.



Ao mesmo tempo que o clube "comprou" a administração das partidas, com o claro objetivo de auxiliar o parceiro - pagou R$ 120 mil por seis jogos - e busca uma reaproximação com a torcida e a cidade, a empresa que administra o futebol alviceleste continua com as mesmas atitudes arrogantes dos últimos dez anos, que só distanciam ainda mais o time da sua gente.

Se engana quem acha que proibir coletivas, dar privilégios para alguns ou promover entrevistas apenas com veículos "amigos" e que só falam bem, vai atingir a classe jornalística ou os meios de comunicação. Muito pelo contrário, a vida nestes veículos segue com ou sem entrevista.



O maior afetado é o torcedor alviceleste, que é a maior razão da existência deste clube de quase 64 anos, mas que não é tratado desta forma e nem como deveria. Não acredite que seja uma mera coincidência a queda significativa e permanente do número de torcedores no estádio do Café, ano após ano.

Trazer o torcedor de volta para o clube não será uma missão fácil e nem rápida, até porque foi construído um muro divisor nos últimos dez anos. A parceria chegará ao fim, seja daqui a três meses ou um pouco mais, mas a verdade é que ela terminará, pois não há clima, de nenhum dos lados, para ela continuar. E a partir daí, o LEC terá que começar a difícil tarefa de derrubar este muro.
25/01/2020 - 19:37
Imprimir Comunicar erro mais opções
Em um segundo tempo desastroso, o Londrina foi duramente e merecidamente goleado pelo Athletico por 4 a 1, neste sábado (25), na Arena da Baixada.

O nível técnico do Paranaense é tão fraco, que o Athletico com o seu time C lidera a competição com 100% de aproveitamento em três rodadas. Mostra também o tamanho da diferença do rubro-negro para qualquer outro clube paranaense.

O técnico Alemão optou por uma formação ofensiva no início e escalou Marcelinho no lugar do suspenso Matheus Bianqui. O time foi bem no primeiro tempo. O jogo foi igual e quando o Athletico apertou o goleiro Matheus Albino apareceu bem.

Gustavo Oliveira/Londrina Esporte Clube
Gustavo Oliveira/Londrina Esporte Clube


A grande chance da primeira etapa foi do Londrina com um pênalti aos 37 minutos. Bem no jogo, Danilo sofreu a penalidade e pegou a bola para bater. Miullen tomou a bola dele e bateu muito mal e parou nas mãos do goleiro Anderson. Como registro, Miullen é o cobrador oficial.

O pênalti perdido deu moral para o Athletico que voltou com tudo para o segundo tempo. Logo aos dois minutos, o volante Léo Gomes aproveitou uma cobrança de escanteio e abriu o placar.

Alemão arriscou ainda mais e passou a jogar com quatro atacantes – Marcelinho, Uelber, Igor Paixão e Paulinho Moccelin – e o LEC chegou a empate. Marcelinho acreditou no lance, o zagueiro Danilo Boza errou e o atacante fez um belo gol, após driblar o goleiro atleticano.



Mas a ousadia cobrou a conta. O Londrina ficou muito vulnerável no meio-campo e sem nenhum armador, já que Danilo havia sido substituído. A pressão do Athletico aumentou e os erros defensivos se sucederam.

Lucas Costa falhou e Breno Lopes fez 2 a 1. Pedrinho fez bela jogada em cima de Lucas Costa e marcou o terceiro. Já nos acréscimos, Jajá, que estava na Copa São Paulo, aproveitou outro erro em bola aérea e fechou a conta.

Não dá para deixar de louvar a tentativa do Alemão de colocar o Londrina para jogar sempre em busca do gol, mas futebol é equilíbrio. E isso o LEC não teve e pagou caro.
23/01/2020 - 16:51
Imprimir Comunicar erro mais opções
O Londrina ainda não desistiu do processo onde pede punição ao Figueirense pela falta de fair-play financeiro. Depois de ter colecionado duas "derrotas" parciais no STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva), o LEC protocolou um pedido de reexame da Notícia de Infração Disciplinar por parte do procurador-geral do tribunal esportivo.

Gustavo Oliveira/Londrina Esporte Clube
Gustavo Oliveira/Londrina Esporte Clube


Na última semana, a solicitação do Londrina foi arquivada pelo procurador do STJD, que alegou que o LEC não tinha legitimidade para denunciar o clube catarinense. Por isso, o clube agora recorre ao procurador-geral. O Tribunal ainda não se pronunciou sobre o novo pedido do Tubarão.

Com todo respeito, alegar ilegitimidade num caso desses e promover um engavetamento de autos é fechar os olhos para a infração e
prestigiar a impunidade", escreveu a defesa do LEC na petição.

No recurso, o LEC apresenta dois casos de clubes que foram punidos recentemente pelo descumprimento do fair-play financeiro. Em 2013, o Betim foi punido pela Fifa com a perda de seis pontos por uma dívida com o The Strongest, da Bolívia. Em 2016, o Santa Cruz perdeu três pontos na série A do Brasileiro por atrasos salariais.

"A fraude não pode sair impune, a responsabilidade não é de outra pessoa que não a pessoa jurídica, o clube, que manipulou o processo desportivo e o STJD. Será uma vergonha para a Justiça Desportiva e para a organização do futebol brasileiro se não houver uma resposta à altura do que ocorreu", diz outro trecho do recurso. "E responsabilizar apenas laranjas, intermediários e colaboradores é beneficiar a fraude, a fraude que compensa".
22/01/2020 - 23:03
Imprimir Comunicar erro mais opções
O Londrina apresentou melhoras, sobretudo ofensivas, na vitória contra o Cianorte por 1 a 0, na noite desta quarta-feira (22), no estádio do Café. O time fez um bom primeiro tempo, com muito volume no último terço do campo, apesar de ter sofrido alguns sustos defensivos, assim como na estreia.

Apesar da evolução, o LEC poderia e deveria ter sofrido menos para ganhar do Leão do Vale, que teve dois jogadores, corretamente, expulsos. O zagueiro Maurício Barbosa, aos 44 do primeiro tempo, e o volante Zé Vitor, aos três do segundo.

Mesmo jogando com dois jogadores a mais por mais de 40 minutos - Matheus Bianqui foi expulso aos 44 -, o Tubarão só fez um gol, não conseguiu controlar totalmente a partida e ainda correu riscos de sofrer o empate.

Gustavo Oliveira/LEC
Gustavo Oliveira/LEC


"Quando você joga nestas condições, com dois a mais, a responsabilidade é muito maior. E nós temos um time muito jovem, que acaba sentindo a pressão", afirmou o técnico Alemão. O treinador tem as suas razões, mas a vitória poderia ser mais tranquila.

Apesar dos sustos e do time ainda precisar evoluir fisicamente e taticamente, valeu pelos três pontos, pela manutenção do 100% de aproveitamento e pelas duas vitórias seguidas em casa. Já criou uma gordura neste início.

Valeu também pelo gol do centroavante Miullen, aos 21 minutos do segundo tempo, após um bate e rebate dentro da área. Primeiro gol do garoto como profissional e o atacante de personalidade forte tira uma tonelada das costas.

Sempre motivo de muita expectativa no clube e, por isso também, de muita cobrança, Miullen já teve outras oportunidades e não aproveitou. Quem sabe este primeiro gol possa ser o combustível que estava faltando para ele assumir de vez a camisa 9 alviceleste. Torcida para isso não falta.

E valeu também porque agora o LEC vai disputar a liderança do campeonato sábado contra o Athletico, que também venceu as duas, na Arena da Baixada.
Lucio Flávio
 
Formado em Comunicação Social/Jornalismo. Repórter da Rádio Paiquerê AM desde 1997 e da Folha de Londrina desde 2012. Participa de coberturas esportivas nacionais e internacionais



Sites Sugeridos
 
ARQUIVO
Mês
Ano
AVISO: Opiniões e informações contidas nos blogs hospedados nesta plataforma são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem os valores do Portal Bonde.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE