23/02/20
32º/19ºLONDRINA
Lucio Flávio
Lucio Flávio
09/01/2020 - 10:08
Imprimir Comunicar erro mais opções
Em se tratando de futebol, onde as circunstâncias mudam muito rapidamente, é difícil dar opiniões concretas logo na primeira observação e depois de tão pouco tempo de trabalho. Muita coisa ainda vai mudar.

A primeira aparição do Londrina em 2020 trouxe algumas convicções, boas expectativa, alguma esperança, mas também várias preocupações. O jogo-treino contra o Operário - vitória alviceleste por 2 a 1 - foi bem movimentado, levando em conta a esperada falta de condicionamento físico e ritmo de jogo dos atletas das duas equipes.

Do time que o técnico Alemão colocou em campo no primeiro tempo e que será a base para a estreia no Paranaense, no dia 19, ficou a certeza que o Londrina terá um sistema defensivo forte, principalmente com o quarteto Albino-Raí Ramos-Lucas Costa e Augusto. A retaguarda está bem servida. Victor Luiz ainda é uma incógnita, mas pode evoluir.

Gustavo Oliveira/Londrina Esporte Clube
Gustavo Oliveira/Londrina Esporte Clube - Danilo fez um gol e foi o destaque do Londrina no jogo-treino com o Operário
Danilo fez um gol e foi o destaque do Londrina no jogo-treino com o Operário


O meio-campo está longe do ideal. Falta um volante de ofício - Matheus Olavo jogou na função, mas não tem características para a posição. Pedro Cacho tem potencial para jogar e Matheus Bianqui ainda falta deslanchar. Há necessidade urgente de se contratar um armador.

Danilo é a grande esperança do clube em 2020 e pode seguir os passos de Anderson Oliveira e Luquinha. Fez um golaço no treinamento e mostrou que merece começar o ano como titular. Não é hora de empolgação e nem de cobranças exageradas e sim de dar tempo para o garoto evoluir.

Uelber pode ajudar no ano, mas difícil de imaginar que será um dos titulares pelo lado do campo. Ele tem velocidade e força, mas falta mais técnica para atuar de ponta. Tem concorrência forte também e a posição deve ficar com Paulinho Moccelin ou com os novos reforços que estão chegando: Thiago Henrique e Igor Paixão.

E tem ainda o dilema da camisa 9, que o Londrina não encontra desde Dagoberto, na série B de 2018. Alemão tem quatro opções: Miullen, Júnior Pirambu, Devid e Gabriel Barbosa. Todos ainda precisam provar que merecem vestir a camisa alviceleste.

Miullen tem sido elogiado pelo treinador nos treinamentos e deve começar o ano como titular. Foi bem diante do Operário. Se movimentou, incomodou e deu agilidade ao ataque. Resta saber se ele terá a cabeça no lugar para aproveitar a oportunidade e deixar para trás os dois últimos anos de ostracismo. Sabe que esta é a sua última chance. E terá que provar se a qualidade apresentada na base será repetida no profissional.
27/12/2019 - 14:45
Imprimir Comunicar erro mais opções
Diante de tantos erros do Londrina ao longo de 2019, pelo menos o ano termina com uma boa notícia para o torcedor alviceleste. O técnico Alemão estará de volta ao comando do clube a partir de janeiro.

A saída do treinador no meio da série B foi a pior decisão do LEC na temporada e, aliada a outros problemas, resultou em consequências trágicas para o clube. Porém, nunca é tarde para se reconhecer o erro, mesmo que o reconhecimento não seja de forma literal.

Com todas as incertezas que ainda rondam o Tubarão para 2020, não há dúvidas que a escolha por Alemão é a mais acertada, pelo que ele conhece do clube e pelas condições que a equipe será montada para o Paranaense. Tão machucada durante a temporada, a torcida volta a ter esperanças em dias melhores.

Gustavo Oliveira/Londrina Esporte Clube
Gustavo Oliveira/Londrina Esporte Clube


"Aceitei voltar pelo apoio que sei que terei da torcida e pelo desafio de resgatar o Londrina em 2020. Voltamos para restabelecer a ordem", afirmou o treinador.

A volta de Alemão evita uma outra dificuldade que certamente o Londrina teria. Seria humanamente impossível Silvinho Canuto fazer um bom trabalho comandando, ao mesmo tempo, o time principal e o sub-19. Óbvio que não daria certo. Agora as coisas estão nos lugares corretos.

Também é uma boa notícia a troca de função do capitão Germano, que abandona os gramados para ser o executivo de futebol. Tenho certeza que Germano teria condições físicas e técnicas para atuar mais uma temporada em alto nível. Os números comprovam isso.

Mas, apesar de não ter experiência como dirigente, a sua carreira, a sua trajetória no futebol e a sua identidade com o clube, a cidade e a torcida certamente lhe permitirão ser tão importante agora fora de campo como ele foi dentro das quatro linhas.

Que Alemão tenha toda a sorte e capacidade já demonstrada neste seu retorno ao Londrina. Tem tudo para comandar a retomada do clube. E que ele tenha todo o respaldo diretivo, algo que faltou em 2019, para superar os momentos de turbulência.

*Este blogueiro entra em férias e volta no dia 10 de janeiro.
26/12/2019 - 14:19
Imprimir Comunicar erro mais opções
A falta de interesse dos canais de Tv aberta pelo Campeonato Paranaense de 2020, abriu uma nova possibilidade para o Estadual. A competição será transmitida pela DAZN, plataforma de streaming, o que vai garantir mais jogos transmitidos ao vivo.

A mudança foi boa para o Londrina. O Aviceleste terá todos os 11 jogos da primeira fase transmitidos. Situação que na TV aberta jamais aconteceria. Além do LEC, o trio de ferro (Atlhetico, Coritiba e Paraná) também terão todas as partidas transmitidas. Em seguida, aparece o Operário com seis transmissões.

Gustavo Oliveira/Londrina Esporte Clube
Gustavo Oliveira/Londrina Esporte Clube


A DAZN vai transmitir 54 dos 80 jogos do Paranaense. Em algumas rodadas serão até cinco partidas transmitidss. O canal de streaming promete muita interação com os clubes e os torcedores. A DAZN já é uma referência em transmissões esportivas, sobretudo o futebol. O canal tem os direitos de competições como a Copa Sul-Americana, série C do Brasileiro, além dos campeonatos Italiano, Francês e Premier League.

O Paranaense será a primeira competição estadual transmitidas pela DAZN. O plano para acompanhar os jogos do Paranaense vai custar R$ 19,90 por mês. Cada um dos 12 clubes do Estadual irá receber de cota pelas transmissões R$ 370 mil.

A estreia do Londrina no Paranaense acontecerá no dia 19 de janeiro contra o PSTC, às 16h, no estádio do Café.

19/12/2019 - 16:06
Imprimir Comunicar erro mais opções
O futuro do futebol do Londrina será definido nos próximos dias. A novela da continuidade ou não da parceria com a SM Sports tem se arrastado desde o fim da série B e novos capítulos só irão prejudicar as partes ainda mais. Não há mais tempo para se esperar e uma decisão precisa ser tomada de forma urgente, sob o risco de atrapalhar ainda mais o planejamento para 2020.

Apesar da relação LEC-SM-Torcida-Cidade ter me parece chegado ao limite, ao ponto que nenhum lado mais suporta o outro, uma rescisão abrupta neste momento não seria bom para nenhum dos lados. Mas não há dúvidas, que se a relação chegar até o fim de 2020, quando se encerra o contrato, não há mais clima nenhum para uma renovação.

O fim da parceria neste momento seria péssimo para o Londrina, que ainda não está preparado para caminhar sozinho e não conseguirá um novo parceiro em pouco tempo. Ruim também será para Sérgio Malucelli, que terá que arcar com valores altos de multa, não terá o que fazer com o seu ótimo CT e deixaria como última impressão o rebaixamento para a série C, manchando o excelente trabalho que fez nos oito anos anteriores.

Gustavo Oliveira/Londrina Esporte Clube
Gustavo Oliveira/Londrina Esporte Clube


A melhor alternativa para os dois lados é cumprir o contrato e fazer do ano de 2020 uma fase de transição. Com alguns ajustes no atual acordo e até algumas concessões, dos dois lados, é possível manter o gestor como o responsável pelo futebol e dar fôlego para que o clube avance nas negociações com possíveis outros parceiros ao longo do próximo ano visando novos investimentos no futuro.

As cobranças e a pressão natas do futebol desgastam e cansam que está a frente de um projeto. Este é o motivo principal que desanima neste momento o gestor a seguir no LEC, além das criminosas ameaças que têm recebido e que fazem com que a sua família não queira mais a sua continuidade no futebol.

Mas o Londrina ainda continua sendo a melhor opção para Malucelli. Esqueça o Paraná. Inteligente como é, o empresário não vai assumir um clube endividado, com poucas fontes de recursos e sobre um caldeirão fervente no campo político.

A única coincidência entre os clubes é a dificuldade de buscar verbas. Malucelli tem um campo pouco minado por aqui, sabe que a melhor opção para o seu CT é incluí-lo em uma possível negociação do LEC com investidores estrangeiros e ainda terá a chance de fechar o contrato por cima.

Com uma equipe competitiva em 2020, poderá voltar ao patamar de 2019, com uma série B, e chegar no final do ano com a sensação de dever cumprido. E sairia por cima, apesar de uma pequena minoria, aquela que só sabe reclamar e achar defeito em tudo, e deixaria o clube em outro patamar.

Leia também

Definição do rebaixamento do Londrina fica para 2020

Londrina tem caminho complicado na Copa do Brasil

E o Londrina que trate de se agilizar no ano que vem e, assim como afirmou o novo presidente Felipe Prochet, faça o dever de casa porque uma hora a parceria atual vai acabar e o clube terá que estar pronto.

Claro que inúmeros avanços foram registrados nos últimos noves anos na parte administrativa, financeira e organizacional. Mas o clube poderia ter evoluído mais, sobretudo para melhorar sua estrutura física, além de ter criado mecanismos para não ter permitido um distanciamento tão grande entre clube e torcida.

Mas, apesar do ano ter acabado de forma ruim, o Londrina tem uma situação privilegiada e até invejada por muitos clubes. É um time saneado, sem dívidas e com um calendário nacional para o ano todo. O cenário é muito positivo, resta saber como o clube saberá usar estes atributos para continuar crescendo e não voltar aos tempos nebulosos de dez anos atrás.
16/12/2019 - 15:37
Imprimir Comunicar erro mais opções
A agonia do torcedor do Londrina quanto ao rebaixamento do time na série B do Brasileiro vai se prolongar um pouco mais. Pelo menos até o início de 2020. O processo do clube contra o Figueirense não foi incluído na última sessão ordinário do STJD em 2019.

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva fará a última sessão do Pleno na quarta-feira (18). Serão julgadas 12 ações, mas o pedido de punição do LEC contra o Figueirense não foi incluído. Como não há previsão de sessões extraordinárias, o caso será decidido só mesmo no ano que vem.

Gustavo Oliveira/Londrina Esporte Clube
Gustavo Oliveira/Londrina Esporte Clube


A protelação da definição deste processo não significa nada. Nem que é benéfica ao Londrina, nem que seja presencial. O pensamento do STJD é que como a série B de 2020 só começa em abril não há necessidade de se atropelar etapas e, que este caso, não é prioridade neste final de ano.

Diante disso, o LEC terá que fazer o seu planejamento, que aliás já está muito atrasado, sem saber se em 2020 irá jogar a série B ou a série C do Brasileiro. É melhor, então, se focar apenas no Paranaense e Copa do Brasil.

Leia também

LEC tem caminho complicado na Copa do Brasil e pode reencontrar o Bahia

Agenda do presidente do LEC na Inglaterra prevê reuniões e visita a clubes

Lucio Flávio
 
Formado em Comunicação Social/Jornalismo. Repórter da Rádio Paiquerê AM desde 1997 e da Folha de Londrina desde 2012. Participa de coberturas esportivas nacionais e internacionais



Sites Sugeridos
 
ARQUIVO
Mês
Ano
AVISO: Opiniões e informações contidas nos blogs hospedados nesta plataforma são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem os valores do Portal Bonde.
PUBLICIDADE