16/02/20
32º/19ºLONDRINA
Marden Machado
Marden Machado
11/01/2020 - 04:59
Imprimir Comunicar erro mais opções


Existem muitas lendas e histórias envolvendo abomináveis homens das neves. Algumas são sérias e fazem uso de bases científicas. Outras são puramente de ficção-científica e até misturado com doses de terror. E há também os desenhos animados. Este é o caso PéPequeno, produção dirigida por Karey Kirkpatrick e Jason Reisig, a partir de um roteiro do próprio Kirkpatrick, escrito junto com Clare Sera e tendo por base o livro de Sergio Pablos. O mais interessante aqui é como a história é contada. Temos um grupo de yetis, criaturas conhecidas pelo nome de "abomináveis monstros das neves”. Eles vivem em paz e harmonia seguindo a tradição e as "certezas” contidas nas pedras. Ao contrário do que pensamos, para os yetis, nós, seres humanos, não passamos de uma "lenda urbana”. Não é bem assim. Pelo menos para Migo, que acredita o que o povo de pé pequeno realmente existe. E cabe a ele provar quem está com a razão. Uma das boas coisas que as animações proporcionam é tratar de questões sérias de maneira lúdica. É isso que vemos aqui. Em tempos de pessoas tão certas e convictas de suas verdades (que nunca são absolutas), é preciso um pouco de tolerância e bom senso para escutar o outro e procurar estabelecer um diálogo. A evolução e o crescimento vêm sempre do diferente e nunca do igual.

PÉPEQUENO (Smallfoot – EUA 2018). Direção: Karey Kirkpatrick e Jason Reisig. Animação. Duração: 96 minutos. Distribuição: Warner.
10/01/2020 - 00:51
Imprimir Comunicar erro mais opções


Nascida no Quênia e criada na Inglaterra, a cineasta Gurinder Chadha montou sua própria produtora em 1990 e começou a trabalhar com audiovisual. Primeiro com documentários de curta-metragem para a televisão, depois com curtas de ficção até a estreia em longas no ano 2000. Quando dirigiu Driblando o Destino, em 2002, chamou a atenção da indústria e, desde então, vem mantendo uma filmografia das mais interessantes. A Música da Minha Vida, de 2019, se inspira na vida do jornalista Sarfraz Manzoor, que escreveu um livro sobre sua paixão pelas canções do músico americano Bruce Springsteen. O roteiro, do próprio Manzoor, escrito junto com Chadha e seu marido Paul Mayeda Berges, se passa no ano de 1987, em Luton, localizada a pouco mais de 50 km de Londres. Javed (Viveik Kalra), alterego de Manzoor, é um adolescente filho de paquistaneses. Mesmo tendo nascido em solo britânico, ele sente diariamente o preconceito por conta de sua origem e ainda tem que lidar com a rigidez de seu pai (Kulvinder Ghir). Tudo muda quando seu amigo Roops (Aaron Phagura) lhe presentear com fitas K7 de Springsteen. A partir daí, ancorado nas letras do "chefe” e contando com o apoio da professora Clay (Hayley Atwell), Javed descobre um sentido para sua existência. A Música da Minha Vida deixa claro, mais uma vez, que a arte é a melhor forma de transformar e elevar as pessoas.

A CANÇÃO DA MINHA VIDA (Blinded by the Light – Inglaterra 2019). Direção: Gurinder Chadha. Elenco: Viveik Kalra, Dean-Charles Chapman, Nell Williams, Kulvinder Ghir, Nikita Mehta, David Hayman, Aaron Phagura e Hayley Atwell. Duração: 118 minutos. Distribuição: Warner.
09/01/2020 - 00:34
Imprimir Comunicar erro mais opções


Filho de mãe finlandesa e pai americano, o cineasta Dome Karukoski nasceu em Chipre e se criou na Finlândia, onde se formou em Cinema e começou carreira como diretor de curtas. Tolkien, de 2019, é sua primeira produção internacional. O roteiro de David Gleeson e Stephen Beresford, como o próprio título adianta, é uma cinebiografia do escritor John Ronald Reuel Tolkien, mais conhecido como J.R.R. Tolkien, autor de O Hobbit e da trilogia O Senhor dos Anéis. O filme trata da infância, adolescência e início da vida adulta do futuro linguista, professor e criador de personagens e mundos fantásticos que fascinam o mundo há mais de 70 anos. À frente do elenco, Nicholas Hoult, em uma interpretação ao mesmo tempo contida e sutil ao expressar o turbilhão de emoções e conflitos vividos pelo jovem e que refletiriam em sua obra literária. Os fãs das histórias da Terra Média perceberão aqui as raízes da irmandade, ou melhor, da Sociedade do Anel. Não é preciso ter lido os livros de J.R.R. Tolkien ou visto os filmes que Peter Jackson dirigiu baseados neles para apreciar Tolkien. Mas, claro, se o espectador tiver esse conhecimento a experiência será mais rica.

TOLKIEN (Tolkien – EUA 2019). Direção: Dome Karukoski. Elenco: Nicholas Hoult, Lily Collins, Colm Meaney, Laura Donnelly, Patrick Gibson, Anthony Boyle, Tom Glynn-Carney, Owen Teale e Derek Jacobi. Duração: 112 minutos. Distribuição: Fox.
08/01/2020 - 06:22
Imprimir Comunicar erro mais opções


Em 2003 o mundo foi tomado de assalto pelo filme The Room. À frente dele, a excêntrica figura de Tommy Wiseau, roteirista, produtor, diretor e ator desta obra que muitos consideram um desastre completo. Não por acaso, a história por trás dessa produção se chama Artista do Desastre. Dirigida e estrelada por James Franco, a partir de um roteiro de Scott Neustadter e Michael H. Weber, que por sua vez se baseia nos livros escritos por Greg Sestero e Tom Bissell, Artista do Desastre acerta em todos os aspectos. Tudo começa em São Francisco, na Califórnia, quando Greg Sestero (Dave Franco), um aspirante a ator, conhece Tommy Wiseau (James Franco). Ele diz ser de Nova Orleans, apesar do forte sotaque do Leste Europeu. Ele também tem dinheiro e sonha ter seu talento artístico reconhecido. Os dois se mudam para Los Angeles, onde Tommy decide realizar seu grande projeto. A interpretação de James Franco é minuciosa e sua direção reproduz os bastidores da produção e do lançamento de The Room com riqueza de detalhes e muito humor. Você pode perguntar: é preciso ter visto o filme de Wiseau para entender melhor do de Franco? Não. De forma alguma. No entanto, caso você o tenha visto, será tipo a "cereja do bolo”.

ARTISTA DO DESASTRE (The Disaster Artist – EUA 2017). Direção: James Franco. Elenco: James Franco, Dave Franco, Seth Rogen, Ari Graynor, Alison Brie, Jackie Weaver, Paul Scheer, Josh Hutcherson, June Diane Raphael e Megan Mullally. Duração: 104 minutos. Distribuição: Warner.
07/01/2020 - 00:15
Imprimir Comunicar erro mais opções


O britânico James Kent trabalha com audiovisual há mais de 30 anos. Quase toda sua produção foi para televisão. No cinema dirigiu apenas dois longas: Juventudes Roubadas, de 2014, e este Consequências, de 2019. Adaptado do romance de Rhidian Brook, que escreveu o roteiro junto com Anna Waterhouse e Joe Shrapnel, acompanhamos aqui uma história que se passa em Hamburgo, na Alemanha, cinco meses depois do fim da Segunda Guerra Mundial. É para lá que se muda o casal Morgan, Lewis (Jason Clarke) e Rachel (Keira Knightley). Ele é coronel do exército inglês encarregado de reconstruir a região. Os dois se instalam na espaçosa casa de Stephen Lubert (Alexander Skarsgard), um viúvo alemão que mora com a filha Greta (Rosa Enskat). O clima é tenso naquele país destruído pela guerra e um trauma do passado dos Morgan propicia o surgimento de um triângulo amoroso na casa onde estão morando. Kent conduz a trama de maneira burocrática, o que não impede nosso interesse em acompanhar este drama romântico até o fim.

CONSEQUÊNCIAS (The Aftermath – Inglaterra/Alemanha 2019). Direção: James Kent. Elenco: Keira Knightley, Jason Clarke, Alexander Skarsgard, Kate Phillips, Martin Compston, Jannik Schümann, Fionn O’Shea, Rosa Enskat e Alexander Scheer. Duração: Distribuição: Fox.
Marden Machado
 
Escrevo, todos os dias, sobre um filme, complementando minha participação nos programas Light News (na rádio Transamérica Light FM - 95,1), na rádio CBN Curitiba (90,1 FM), no programa Caldo de Cultura (UFPR TV - canais 15 da NET, 71 da TVA ou via web no http://www.tv.ufpr.br/), e no canal http://www.youtube.com/cinemarden.



ARQUIVO
Mês
Ano
AVISO: Opiniões e informações contidas nos blogs hospedados nesta plataforma são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem os valores do Portal Bonde.
PUBLICIDADE